i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Turismo

Aventuras de bicicleta viram turismo no litoral sul do Brasil

Praias paranaenses e do sul de São Paulo são desbravadas em verdadeiras expedições sobre duas rodas

  • PorAnna Carolina Amaral, especial para a Gazeta do Povo
  • 20/07/2016 08:00
Pedal pelas Ilhas Lagamar. Foto: Gondwana Brasil
Pedal pelas Ilhas Lagamar. Foto: Gondwana Brasil| Foto:

Roteiros de viagem com passeios ciclísticos não são nenhuma novidade, destinos como Morretes, Buenos Aires e Amsterdam são conhecidos pelas atividades sobre duas rodas. Agora é a vez do litoral brasileiro entrar nesse pacote, com aventuras que combinam a natureza local com a prática do ciclismo. Não é uma tarefa fácil, e requer preparo físico e planejamento, mas segundo Vanessa Silva, coordenadora do departamento Emissivo da agência de turismo Gondwana Brasil, os roteiros costumam ser tranquilos, seguindo o ritmo do grupo, que sempre tem o acompanhamento de um guia e de um mecânico, caso tenham problemas com as bicicletas.

A agência oferece um roteiro de cicloturismo pelas Ilhas Lagamar, no litoral paranaense. “Toda a pedalada é feita pelas praias, por isso cuidamos muito com os horários das marés. São elas e a disposição do grupo quem ditam o ritmo do nosso pedal”, explica Vanessa. O roteiro, de quatro dias, passa por Superagui, Ilha do Cardoso, Ilha das Peças e Ilha do Mel, com pernoite nas duas primeiras. A hospedagem é em pousadas de nativos, proporcionando uma vivência mais intensa da cultura local. Os dois primeiros dias são reservados para o pedal, sendo 17 quilômetros no primeiro dia e 46 no segundo, com um barco de apoio acompanhando o trajeto e levando a bagagem dos participantes. Os outros dias são livres para conhecer a Ilha do Cardoso, e para um passeio de lancha pelo belíssimo Canal do Varadouro, com parada para almoço na Vila do Ariri.

Pedalada na praia deserta. Foto: Eduardo Green
Pedalada na praia deserta. Foto: Eduardo Green| eduardo green

O clube de amigos Bolinha Bike, liderado pelo médico urologista Thadeu Brenny Filho, 56, também apostou no litoral brasileiro para uma aventura ciclística. O local escolhido? A mais antiga estrada do Brasil, também conhecida como Caminho do Peabiru, entre as belas paisagens da Ilha Comprida. Acompanhados por uma van, o grupo percorreu 130 quilômetros entre estradas de lama e praias paradisíacas, em dois dias de pura aventura. “Na primeira tentativa fomos surpreendidos pela maré, que subiu e nos deixou ilhados no meio do caminho, por isso resolvemos fazer uma nova viagem e completar o percurso”, conta Thadeu. A Ilha Comprida, fica 260 quilômetros ao norte de Curitiba, e conta com estrutura de bares e restaurantes para comer, tomar água e usar o banheiro, bem como hotéis e pousadas para hospedagem.

Amigos do Bolinha Clube exploram a Ilha Comprida. Foto: Thadeu Brenny Filho
Amigos do Bolinha Clube exploram a Ilha Comprida. Foto: Thadeu Brenny Filho

LEIA TAMBÉM

Revezamento da tocha olímpica destaca áreas de turismo local

Baleias francas chegam ao litoral sul de Santa Catarina

5 destinos de mergulho para procurar Dory pelo mundo

Ilhas Lagamar – roteiro completo

1.o. DIA – CURITIBA – ILHA DO MEL – ILHA DAS PEÇAS – SUPERAGÜI

Encontro bem cedo em Curitiba e café-da-manhã. Viagem de van de Curitiba até Pontal do Sul. Travessia de lancha para a Ilha do Mel. Desembarque na Ilha do Mel. Primeira pedalada, e travessia de lancha até a Ilha das Peças. Desembarque na Ilha das Peças e almoço. Passeio de canoa no Rio das Peças e visita à comunidade – doações e entrega de livros coletados antes da viagem. Início da segunda pedalada e travessia de lancha para Superagüi. Acomodação na pousada e jantar.

2.o. DIA – SUPERAGUI – ARAPIRA – ILHA DO CARDOSO

Café-da-manhã caseiro. Terceira pedalada pela praia deserta de Superagüi até a Vila da Barra do Ararapira, e travessia de lancha para Ilha do Cardoso – Pontal de Leste. Almoço caiçara. Quarta pedalada pela praia deserta de Pontal de Leste até o Marujá. Já em Marujá, acomodação na pousada e descanso.

3.o. DIA – MARUJÁ – DIA LIVRE NA ILHA DO CARDOSO

Depois de dois dias de pedal, nada melhor que um dia livre nas praias da Ilha do Cardoso. Para quem quiser continuar no ritmo, temos a opção de caminhada para a Praia do Laje e Piscinas Naturais, além da integração com as comunidades locais. Neste dia o almoço é livre e no jantar voltaremos a nos reunir.

4 DIA – ILHA DO CARDOSO – CANAL DO VARADOURO – BAÍAS- PONTAL DO SUL – CURITIBA

Manhã livre para aproveitar da Ilha do Cardoso. Saída do Marujá, no final da manhã, em direção do Canal do Varadouro. Almoço na Vila do Ariri – Restaurante da Dona Maria. Depois do almoço, seguiremos viagem do Ariri até Pontal do Sul, passando pelo Canal do Varadouro, pequenas comunidades caiçaras, manguezais, Baía dos Pinheiros e Ilha do Mel. Terminada a travessia, é hora da despedida do litoral paranaense e de voltar para Curitiba.

Pedalada na Praia Deserta de Superagui. Foto: Eduardo Green
Pedalada na Praia Deserta de Superagui. Foto: Eduardo Green| eduardo green

Arrumando as mochilas

O melhor é arrumar duas mochilas diferentes: uma maior (que pode ir dentro da lancha ou van, com menos risco de molhar), contendo roupas, calçados extras e objetos pessoais. É importante colocar seus pertences em saco plástico para garantir que fique tudo seco. A outra mochila deve ser menor, para ser usada no dia-a-dia da viagem para levar a água, lanche, boné ou chapéu, protetor solar, repelente e capa de chuva.

O que levar

  • Capa de Chuva;
  • Repelente;
  • Protetor Solar;
  • Boné ou Chapéu;
  • Mochila pequena para carregar no dia-a-dia;
  • Roupas leves e confortáveis para o pedal (roupa de banho);
  • Jaqueta e calça comprida;
  • Dois pares de tênis ? um para pedalar e outro para usar a noite ? principalmente se pegarmos chuva;
  • Chinelos;
  • Sacos plásticos ou saco estanque para as câmeras ou máquinas fotográficas.
  • Medicamentos pessoais (tanto em Superagui como na Ilha do Cardoso não tem farmácia, apenas postos de saúde de atendimento comunitário)
  • Lanternas (na Ilha do Cardoso – após as 22 horas, a maior parte das luzes são apagadas, apenas as de emergência funcionam dentro das pousadas)
  • Duas garrafinhas ou squeeze pois vamos ter suco e água para as pedaladas.
  • Lanches: barras de cereal, frutas, sanduíche, suco e frutas secas.

 

Equipamentos de segurança

O capacete é imprescindível, recomenda-se também o uso de luvas e tênis confortável.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.