i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Camila Farani

Foto de perfil de Camila Farani
Ver perfil
Negócios

Conexões emocionais geram conexões comerciais

  • Camila FaraniPor Camila Farani
  • 15/12/2019 17:00
Conexões emocionais geram conexões comerciais
| Foto: Bigstock

Na era da experiência é cada vez mais importante que as marcas entendam a jornada de seus clientes e os fatores por trás das decisões de compra. Já se foi o tempo que se gastava muito dinheiro e esforço com propaganda e publicidade sem estratégia. Antes de qualquer coisa você precisa entender onde seu cliente está, o que ele quer e por que ele quer. Principalmente porque 95% das nossas decisões ocorrem de forma intuitiva e emocional. Entenda: se você quer aumentar suas vendas, precisa se concentrar na criação de conexões emocionais. Não tem jeito. Somos seres emocionais e impulsivos e agimos como tal. Já é comprovado que o ato da compra libera a substância dopamina no nosso corpo, a mesma sensação quando fazemos exercício físico. É a substância do prazer, o que nos faz sentir recompensados.

Portanto, as emoções são a força propulsora de 50% de todas as nossas decisões de compra. Empreendedores precisam reconhecer esse fator e criar suas estratégias baseadas nesses sentimentos gerados. Se você analisar, as empresas mais bem sucedidas e que possuem no mercado uma marca poderosa, sabem criar vínculos emocionais fortes com seus consumidores.

Segundo Kevin Johnson, CEO do Starbucks: “O aprimoramento da experiência na loja abrange a construção de conexões com os clientes e a criação dos melhores momentos que mantêm os clientes voltando várias vezes”.

A própria Starbucks é um ótimo exemplo. A marca investe pesado em treinamento e recrutamento de seus colaboradores, pois sua estratégia é ser reconhecida pelo atendimento diferenciado e que surpreende o cliente. Os atendentes te chamam pelo nome ou apelido, te recebem numa atmosfera acolhedora e servem até o cardápio em braille para clientes com deficiência visual. E o preço do café? Você se sente tão bem atendido que não se importa em pagar um preço maior. Não é coincidência que as pessoas compram itens da marca Starbucks, como: camisetas, broches e canecas. As empresas que chegam a esse ponto conseguem aumentar a recorrência das compras e o seu ticket médio, e isso significa fidelização e aumento das receitas.

Segundo relatório Temkin Experience Ratings, divulgado pela CB Insights, para elevar a experiência do cliente para além do normal, as marcas precisam criar conexões significativas com os compradores, aproveitando emoções positivas que vão além da satisfação total. No Brasil, o unicórnio Nubank é uma grande referência de marketing contínuo em estratégias de humanização na publicidade e no próprio atendimento. É o que chamamos do “fator uau!”. No momento em que eles enviam comunicações para seus clientes com bilhetes escritos à mão, e dicas de viagens e hotéis quando um correntista libera seu cartão de crédito internacional, eles estão dizendo “você não é qualquer cliente, você é importante para nós”. E aí está criada a conexão emocional. Dificilmente ele irá deixá-lo.

O mesmo relatório identificou três estratégias que as marcas estão usando para serem mais competitivas e se diferenciar: marketing sensorial, tempo de qualidade e conexões humanas. Você também pode aplicá-los para melhorar a experiência do seu cliente:

Marketing sensorial

Já percebeu no ambiente quando você entra em determinadas lojas? O cheiro, a música, as cores. Estudos mostram que os perfumes, por exemplo, são um gatilho poderoso para aguçar memórias, e os clientes gastam até 15 minutos a mais em lojas que utilizam essa estratégia, atesta o estudo da Global Wellness Summit.

Tempo de qualidade

Oferecer experiências imersivas é outro método para as marcas estarem mais presentes e com mais qualidade na vida de seus clientes. No verão passado, o fast food Taco Bell criou uma ação com abertura de um hotel “pop up” em Palm Springs. As reservas esgotaram em 2 minutos para a experiência de 4 noites. Tudo era exclusivo: do menu à roupa de banho.

Conexões humanas

Apesar da expansão da inteligência artificial e uso de robôs em lojas para atendimento, as pessoas ainda esperam o diferencial do fator humano. Invista em tecnologia para processos rotineiros e direcione seus funcionários para interagir mais clientes, coletar ideias e feedbacks.

Sendo assim, entender os principais motivadores emocionais de seus clientes beneficiará diretamente sua estratégia de vendas, além disso, desencadeará resultados positivos em cada estrutura do seu negócio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.