i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

Deputado do PSL diz que Bolsonaro tem “atitude autoritária” e anuncia desfiliação

  • PorCatarina Scortecci
  • 08/02/2018 21:00
Deputado federal Alfredo Kaefer (PSL-PR). Foto: Luis Macedo/Arquivo Câmara dos Deputados
Deputado federal Alfredo Kaefer (PSL-PR). Foto: Luis Macedo/Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

Não foi feliz a trajetória no Partido Social Liberal (PSL) do deputado federal pelo Paraná Alfredo Kaefer. No início de 2016, ao trocar o PSDB pela legenda de Luciano Bivar, foi logo empurrado pelo “Livres”, um grupo que, na definição de Kaefer, “sequestrou” o PSL. Ainda assim, permaneceu na legenda. Depois, “soube pela imprensa” que o PSL daria sustentação à candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) a presidente da República, nas eleições de outubro. “Eu, como líder do partido, como deputado da agremiação, ficar sabendo da entrada do Bolsonaro pelos jornais? Isso é algo inconcebível”, reclamou ele, durante entrevista à Gazeta do Povo, nesta quinta-feira (8), quando também aproveitou para anunciar apoio ao senador Alvaro Dias (PODE-PR), outro presidenciável. Leia abaixo os principais trechos:

O senhor entrou no PSL e ganhou por lá a função de “coordenador político”, para fortalecer a legenda nacionalmente. Mas, aí houve um conflito com o Livres, certo? O que o senhor conseguiu fazer dentro do partido até aqui?

A gente tinha a ideia de, em pouco tempo, filiar de 15 a 20 deputados federais, para encorpar o partido. Mas, num primeiro momento, houve um bloqueio por parte do Livres, que tinha um apadrinhamento forte do Sergio Bivar, que é filho do Luciano Bivar, que sempre teve o controle do partido.

Até, num determinado momento, eu fui a Recife e cheguei a entregar meu pedido de desfiliação, mas aí o Luciano Bivar colocou “panos quentes”, disse que “não, vamos lá”, “a gente vai desenvolver o partido” e tal. De fato, o PSL tem um estatuto legal, de liberalismo com cunho social, principalmente na área de educação. Mas o atravessamento do Livres continuou.

E eles queriam levar a liberdade de costumes, legalização de drogas, liberação total da homoafetividade, casamento gay, pena de morte, eutanásia. E eu sempre defendi que isso não cabe como bandeira de partido político, porque isso cria muita controvérsia, principalmente num país conservador como o Brasil. Nos outros partidos, quem defende isso, faz de forma individual, não como bandeira. Pois bem, a gente estava quase superando isso…

Aí surgiu o Bolsonaro…

E, de repente, de uma forma surpreendente. Uma semana ou dez dias antes da assunção do Bolsonaro ao PSL, a gente começou a ouvir alguns comentários, alguns bochichos. Eu, como líder do partido, como deputado da agremiação, ficar sabendo da entrada do Bolsonaro pelos jornais? Isso é algo inconcebível. É tripudiar alguém que estava defendendo o partido. É uma amostra total de autoritarismo. E a gente encontrava com o Bolsonaro [na Câmara dos Deputados]. E ele nunca comentou nada com a gente! Nem depois da entrada dele…

Vocês nunca chegaram a conversar?

Não. Não chegamos a conversar. Eu cheguei a ligar para o Luciano Bivar e aí ele estava do lado do Bolsonaro e me passou o telefone. Mas eu não sei se derrubou a linha, ou caiu, nós não terminamos a conversa, e ele não ligou de volta para mim. Foi uma atitude totalmente autocrática tanto do Bolsonaro, quanto do Luciano Bivar.

Aí, na segunda-feira passada, teve uma reunião do PSL. Agora tem um novo presidente indicado pelo Bolsonaro. O Luciano Bivar está se licenciando… Lá, no Paraná, o presidente do PSL vai ser o Francischini [deputado federal pelo Paraná, hoje no SD]. Tal lugar vai ser o Beltrano, e por aí vai. Isso não serve para gente.

Coincidentemente, o PSL tem na cidade de Cascavel um deputado estadual [Adelino Ribeiro] e um deputado federal, e a gente não acompanhou o Bolsonaro lá [à 30ª edição do Show Rural, em Cascavel, na quarta-feira]. Não vamos caminhar junto, nesse projeto autoritário e autocrático. Sou um liberal convicto, preconizo regras de mercado, livre iniciativa, privatização, mínimo tamanho de Estado, reformas e tal, mas, ao mesmo tempo, não combina comigo uma direita radical, alguém que fala de retorno de militar, essas coisas aí. Na hora que abrir a janela partidária, eu vou procurar outro abrigo. E vou declarar meu apoio ao Alvaro Dias [senador pelo Paraná e pré-candidato à presidência da República pelo PODE].

Mas isso não significa que o senhor vai para o PODE?

Existe a possibilidade de eu me filiar ao “Podemos” sim. É possível. Mas, mesmo que eu vá para outro partido, eu devo ficar liberado para apoiar o Alvaro Dias. Nós, paranaenses, temos um bom nome, um bom candidato, com uma trajetória irretocável.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.