i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Diogo Schelp

Foto de perfil de Diogo Schelp
Ver perfil
Coronavírus e política

Na crise da vacina, Bolsonaro errou — mas também acertou

  • Diogo SchelpPor Diogo Schelp
  • 25/10/2020 18:00
crise da vacina
O presidente Jair Bolsonaro com Faísca: vacina obrigatória, só no cachorro| Foto: Reprodução/Instagram

"Uma questão epidemiológica de grande interesse é que o tipo de medida preventiva que precisa ser adotado para controlar a infecção respiratória recai sobre a pessoa que já está contaminada, enquanto aqueles que estão suscetíveis a contrair a doença pouco podem fazer para se proteger." Esse é o trecho de um artigo publicado na revista Science, sob o título "As Lições da Pandemia", pelo major George A. Soper, do corpo sanitário do exército americano. O dilema apresentado é como, na ausência de meios para proteger quem ainda não pegou a doença, isolar os possíveis transmissores, ainda que apresentem apenas sintomas leves de gripe. O artigo do major Soper foi publicado em 30 de maio de 1919 e tratava, evidentemente, da Gripe Espanhola. Se ele estivesse escrevendo nos dias de hoje, poderia colocar na equação pelo menos uma forma de proteger os saudáveis na pandemia, naquela época impensável: a vacinação. Os protagonistas da crise da vacina que se instalou na política brasileira fariam bem em ler o texto do major Soper com esses olhos.

Se há 100 anos os médicos e gestores públicos enfrentavam o dilema de como isolar os doentes para proteger os sadios da contaminação pelo vírus influenza, na atual pandemia o buraco se provou mais profundo. Sorrateiro, o novo coronavírus é transmitido também por pessoas assintomáticas, razão pela qual muitos epidemiologistas defenderam o isolamento horizontal da população. No Brasil, na esfera pública, essa medida esteve longe de ser um consenso, como sabemos. Mas isso é outra história. O problema, agora, é a crise da vacina.

Hoje, é muito mais factível pensar em proteger a população que ainda não foi infectada do que era na pandemia do influenza em 1918/1919. Só se começou a vacinar comercialmente contra a gripe, nos Estados Unidos, duas décadas depois.

Quando a pandemia do novo coronavírus começou, dizia-se que uma vacina levaria pelo menos um ano e meio para ser desenvolvida e testada. Há indícios de que esse tempo será reduzido consideravelmente, graças a uma das maravilhas do capitalismo: a livre concorrência entre empresas.

Das centenas de vacinas que começaram a ser desenvolvidas contra a covid-19, as dos laboratórios AstraZeneca e Sinovac estão entre aquelas em estágio mais avançado. Com a primeira, o governo federal firmou acordo para testes, compra de doses e produção nacional. É a "vacina do Bolsonaro". A segunda entrou em parceria com o Instituto Butantan, do governo do estado de São Paulo. É a "vacina do Doria".

Nenhuma das duas merece receber essas alcunhas, que apenas servem para politizar uma questão que deveria ser puramente técnica. Ambos, o presidente Jair Bolsonaro e João Doria, governador de São Paulo, têm responsabilidade nessa politização.

Doria está certo em querer que o Ministério da Saúde inclua a Coronavac, a vacina que está sendo testada pelo Instituto Butantan, em um programa nacional de imunização contra covid-19, caso se prove eficaz e segura. Mas está errado ao insistir que a vacinação será obrigatória. Isso apenas desvia a atenção do objetivo que realmente importa agora, que é tornar a vacina disponível para os grupos populacionais mais vulneráveis tão logo seja aprovada. Seria a chance de o ministro da Saúde Eduardo Pazuello — que não entende nada de saúde, mas tudo de logística — mostrar a que veio.

Bolsonaro, por sua vez, está certo quando diz que ninguém deve ser obrigado a tomar vacina. O Estado de fato não pode entrar na casa das pessoas e forçá-las a se imunizar, assim como os médicos não podem ser obrigados a receitar a vacina. Caberá ao governo, isso sim, fazer programas de conscientização e informar corretamente a população sobre os benefícios e eventuais riscos da vacinação.

Justamente por isso, Bolsonaro está errado em lançar dúvidas contra a Coronavac, com o argumento de que se trata de uma "vacina chinesa", originária de um país ditatorial. Primeiro, porque a vacina está sendo testada por cientistas brasileiros e só será liberada para uso em massa se for considerada segura e eficaz pelos órgãos nacionais competentes. Segundo, porque até a "vacina de Bolsonaro", desenvolvida pela AstraZeneca, depende de insumos chineses. Mais do que isso, é muito provável que ao menos parte das doses compradas pelo governo federal virá da China: a AstraZeneca firmou em agosto uma parceria com a empresa Shenzhen Kangtai Biological Products para a produção do imunizante em território chinês.

Doria faz demagogia política ao levantar a lebre da obrigatoriedade da vacinação contra covid-19 — uma discussão inócua quando sequer se sabe se haverá doses disponíveis para todo mundo. E Bolsonaro faz demagogia política ao questionar a vacina que está sendo testada em São Paulo, apenas porque foi desenvolvida por um laboratório chinês.

Ambos, dessa forma, contribuem para a desinformação, causando confusão entre os brasileiros. Quando as vacinas estiverem prontas, as autoridades sanitárias terão trabalho dobrado para desfazer as desconfianças geradas pelas declarações de Doria e de Bolsonaro.

E toda essa crise da vacina para quê? Apenas para alimentar uma rixa política e para preparar o terreno para a eleição presidencial de 2022.

Esse não deveria ser o foco. Como escreveu o major Soper em 1919, a pandemia "deve ser controlada por procedimentos administrativos e pelo exercício de medidas de autoproteção". Doria e Bolsonaro têm a chance de usar a administração pública para entregar à população uma maneira de se proteger, por meio da imunização. Colocar seus interesses políticos acima do bem coletivo, criando uma crise da vacina, não é o caminho.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    FANAIA

    30/10/2020 10:00:05

    É VERDADE E SOU CONTRA A OBRIGAÇÃO DE VACINAÇÃO. E OUTRA É BOM AVISAR PARA DORINHA, BOLSONARO E OUTROS QUE ELES NÃO DONOS DA VACINA. A VACINA É PARA OS BRASILEIROS. ESQUEÇÃM PELO MENOS NESTE MOMENTO A POLITICAGEM.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    SERGIO RODRIGUES MARTINS

    26/10/2020 23:52:55

    Aperte um isentão e sai um esquerdista zurrando, não é seu Schelp!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ALVARO JOSE JUNQUEIRA NUNES

    26/10/2020 22:18:16

    Mais confusão ainda em cima da baderna já existente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LSB

    26/10/2020 19:55:51

    Artigo muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    CRAMOS

    26/10/2020 18:23:05

    A não vacinação será muito mais prejudicial para a retomada da economia (e matará CNPJ) do que simplesmente "a sobrevivência individual (que mata CPF)... Com a possibilidade continuada de infectar os trabalhadores as empresas não poderão planejar a médio e longo prazo e o "medo de se infectar em atendimentos presenciais" afastará pessoas de restaurantes, bares, estádios, festas, turismo e similares matando empresas de serviços e entretenimento ....... Para a economia, a não "colaboração do Governo Federal" será muito danosa... e isto vai desidratar a popularidade do presidente. .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Regina Célia Baldin

    26/10/2020 15:01:19

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    IvoHM

    26/10/2020 11:58:36

    Quem pronunciou a frase: "Datena, comprar (a vacina) é uma coisa, aplicar é outra." Isto é $iên$ia!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    José

    26/10/2020 11:28:30

    Seria mais honesto com seu público dizer: Bolsonaro acertou todas. Quem desde o início disse que devíamos preocupar com o Coronavirus e com a economia? Quem pregou o tratamento precose? Quem socorreu milhões de brasileiros vilipendiados no direito de ir e vir e castigados na sua atividade econômica? Quem está defendendo o direito de escolha individual em tomar ou não a vacina? Acertou todas e vai continuar acertando. É o único que usa o senso comum para falar. A ciência diz que o tratamento precose aumenta a chance do paciente. A história mostra que a atividade econômica é crucial para a vida das pessoas. Simples assim. Difícil aceitar?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz

    26/10/2020 10:17:49

    Blablablá de isentão. A gente sabe, prezado, que é o vilão, quem é o palanqueiro, quem quer tirar vantagem politica nessa história da vacina. Quer que o diga o nome dele Shelp? Bolosanro não é contra vacina. Simplesmente porque não há ainda vacina nenhuma suficientemente testada e aprovada. Crise da vacina? Crise criada pela imprensa calhorda que vê em tudo motivos para criminosamente tentar enfraquecer o governo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]