i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação e Mídia

Foto de perfil de Educação e Mídia
Ver perfil

FaceApp e novas linguagens na escola

  • Por Educação e Mídia
  • [30/06/2020] [15:09]
FaceApp e novas linguagens na escola
| Foto: Freepik

As redes sociais foram inundadas, há algumas semanas, por fotos em que mulheres se viam com características de homens e vice-versa. A transformação foi proporcionada por um aplicativo que já havia feito sucesso no Brasil no ano passado: o FaceApp.

Em 2019 a moda era alterar fotografias para ficar com a aparência mais velha — e também vimos uma enxurrada de exemplos pela internet.

Aplicativos como esse são cada vez mais comuns e mesmo crianças e jovens acabam embarcando nas brincadeiras, muitas vezes sem refletir.

E o que tudo isso tem a ver com o universo escolar? Por que falar desse assunto neste espaço de reflexão sobre educação midiática?

Assim como diversos outros aplicativos que acabam sendo usados por crianças e adolescentes, o FaceApp acessa dados de seus usuários. As explicações sobre o que é acessado e onde mais essas informações podem parar fazem parte de um documento chamado Política de Privacidade.

Sabemos que os jovens, cada vez mais, acessam e utilizam aplicativos com os mais diferentes propósitos: conectar-se com os amigos, ouvir músicas, assistir filmes e séries, jogar… Por que não entender como funcionam, como ganham dinheiro e que tipo de relação constroem com os usuários?

Ter contato com o tipo de linguagem presente nas políticas de privacidade faz parte de um conceito ampliado de alfabetização, necessário frente a tantos formatos de mídias e mensagens presentes no nosso dia a dia. Por isso, é uma missão que pode (e deve) ser abraçada pela escola.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) já se preocupa em conectar os alunos às linguagens da “vida real”. Está previsto, por exemplo, o desenvolvimento de habilidades para entender, analisar e mesmo criar textos normativos, jurídicos e de divulgação científica, entre outros.

Nosso convite é para que a escola também pense em oportunidades para que as crianças e os jovens construam uma atitude mais crítica e questionadora em relação ao uso de nossos dados pessoais.

No caso do FaceApp, por exemplo, especialistas chamam a atenção para o fato de a política de privacidade deixar dúvidas sobre o paradeiro das informações pessoais que são acessadas. O aplicativo cita que elas podem ser divididas com parceiros de publicidade, redes sociais de terceiros e mesmo consultores profissionais, como advogados e agentes bancários) “quando necessário no curso dos serviços profissionais que eles nos prestam”.

Refletir sobre essas linguagens, aprimorar a leitura das entrelinhas e mesmo inferir o que não está presente no texto de uma política de privacidade abre espaço para um uso mais seguro, responsável e ético do que a tecnologia tem a nos oferecer.

Texto escrito por Daniela Machado, coordenadora do EducaMídia, programa de educação midiática do Instituto Palavra Aberta. O Instituto Palavra Aberta colabora voluntariamente com o Instituo GRPCOM no Blog Educação e Mídia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.