i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Legado da escravidão

Abraham Lincoln, Tocqueville e os protestos pela morte de George Floyd

  • Filipe FigueiredoPor Filipe Figueiredo
  • 05/06/2020 00:04
Pessoas erguem os punhos e se ajoelham em protesto pela morte de George Floyd em Minneapolis, 2 de junho de 2020
Pessoas erguem os punhos e se ajoelham em protesto pela morte de George Floyd em Minneapolis, 2 de junho de 2020| Foto: CHANDAN KHANNA / AFP

Já passam de dez dias de protestos por causa do assassinato de George Floyd por um policial de Minneapolis. Quando essa coluna vai ao ar, praticamente todos os leitores e leitoras já sabem do que aconteceu e do que acontece, e cada um terá diferentes reações e opiniões em relação aos eventos. Que os protestos são necessários, ou que são desproporcionais, ou que seriam até atos terroristas, ou que a violência decorre de pessoas infiltradas para deslegitimar. São discussões válidas, mas que não são, neste momento, o foco da coluna. Ao buscar um panorama mais amplo, o fato é que os países americanos, Brasil incluso, precisam lidar com o legado da escravidão no continente, a origem de diversas, da maioria, das mazelas dos países que usufruíram desse crime.

Uma frase foi o catalisador desse texto, embora seja uma reflexão presente em diversas obras e em diversas outras ocasiões do meu trabalho. Peço adiantada licença para o uso da primeira pessoa neste texto, algo que não costumo fazer. Comentando os protestos, o ator Solomon Georgio postou em uma de suas redes sociais: "Pessoas negras têm todo o direito de queimar um país que construíram de graça". Pode parecer, na primeira vista, uma ideia extrema, ou polemista. Alguns vão criticar por atentar contra a propriedade de outras pessoas. Pode-se entrar em debates sobre questões pontuais, de que um determinado estabelecimento não possui nenhuma relação com a escravidão. Ninguém disse que seria um assunto fácil de abordar em apenas uma coluna.

O ponto é que uma das principais figuras históricas da História contemporânea talvez concordasse com essa frase. Abraham Lincoln foi eleito presidente dos EUA em 1860, assumindo o cargo em março de 1861. Sua eleição foi o catalisador da secessão dos sete estados do chamado Deep South, estados escravistas. Sua posse causou a separação de outros quatro estados. Novamente, Lincoln foi o catalisador da secessão e da guerra civil, a origem dela estava na própria fundação do país, com dois modelos distintos tentando conviver, um baseado na mão de obra livre e assalariada, outro na mão de obra da pessoa negra escravizada. As contradições dos dois sistemas se aprofundam com a expansão ao oeste, ao ponto da ruptura.

Cada gota de sangue arrancada pelo açoite

Lincoln convoca tropas para a guerra civil, primeiro, para preservar a União. Ele não era um abolicionista no início, desejava apenas deter a expansão do escravismo para os novos territórios. Ao fim da guerra, entretanto, e isso talvez tenha sido seu momento de maior destaque, ele percebe que não bastava preservar a União. Era necessário um novo país, extirpado de seu pecado original, em suas palavras. A declaração de Emancipação, seguida do direito de soldados negros servirem ao exército, concluída com a abolição da escravidão. Tudo isso acompanhado e exigido, bom frisar, por um ativo movimento abolicionista com protagonistas como Frederick Douglass e Harriet Tubman; recomendo ao leitor que leia sobre a vida de ambos, ambos nascidos escravizados.

Lincoln foi reeleito em 1864 e, em seu discurso de posse em quatro de março de 1865, fez um curto e poderoso discurso. Nele, disse que, se necessário, a guerra deveria seguir "até que todas as riquezas acumuladas por duzentos e cinquenta anos de trabalho forçado do escravo desapareçam e que cada gota de sangue arrancada pelo açoite seja paga por outra gota arrancada pela espada". Essa necessidade seria expressa pela vontade divina da "desgraça" aos "promotores da ofensa" da escravidão. A tradução é de Denise Bottmann, numa compilação de discursos de Lincoln publicada como livro em português. Para quem desejar, o texto original e na íntegra é facilmente acessado online. Para colocarmos as palavras em todo seu contexto, segue a íntegra do trecho:

"Se supusermos que a Escravidão Americana é uma dessas ofensas que, de acordo com providência divina, inevitavelmente vêm, mas que, tendo prosseguido pelo tempo por Ele designado, agora deseja Ele removê-la e envia, tanto ao Norte quanto ao Sul, esta guerra terrível como a desgraça que cabe a esses promotores da ofensa, veremos aí algum desvio daqueles atributos divinos que os crentes num Deus Vivo sempre Lhe atribuíram? Esperamos sinceramente — rogamos com fervor — que este poderoso flagelo da guerra possa logo passar. Mas, se Deus quiser que ele prossiga, até que todas as riquezas acumuladas por duzentos e cinquenta anos de trabalho forçado do escravo desapareçam e que cada gota de sangue arrancada pelo açoite seja paga por outra gota arrancada pela espada, como foi dito três mil anos atrás, ainda assim deve-se dizer que "verdadeiros e justos são os juízos do Senhor".

Em palavras de mais de 160 anos atrás, Lincoln foi preciso em diagnosticar a escravidão racial pelo Atlântico como a origem dos desequilíbrios que afetam os países americanos até hoje. Note como ele coloca a "riqueza acumulada" pelo "trabalho forçado" no mesmo patamar das "gotas de sangue arrancadas pelo açoite". É muito comum uma pessoa não vincular as duas coisas. Filmes como Doze anos de escravidão chocam por explicitar que a pessoa escravizada era usurpada, ou ao menos tentavam, de tudo: sua liberdade, seus direitos como ser humano, sua integridade física, sua integridade sexual, sua identidade cultural original. Esquece-se, de forma espontânea ou intencional, de que também estamos falando de riqueza material, não apenas de violência física e ética.

Trabalho dos antepassados

Todo leitor desse texto se beneficiou do trabalho de seus antepassados. Seus pais colocaram comida na sua mesa, uma avó que lhe deu um mimo num aniversário, um tio que o levou num passeio no carro dele, pagando pelo seu ingresso, uma madrinha que ajudou no custeio de seus estudos. Nossos antepassados fizeram as bases fundamentais onde nos assentamos, na imensa maioria dos casos. Não precisa ser com luxo e esplendor material. O próprio fato de você, criança, ver seus pais usufruindo do trabalho deles mesmos já é um desses pilares. E quando um trabalho forçado, exaustivo, até a morte, com jornadas de até dezoito horas por dia, é usurpado, dia após dia, todo dia? Por gerações, por séculos? Qual será o legado disso para os descendentes dessas pessoas e para sua sociedade?

Mais ainda, o desequilíbrio que isso causa. Enquanto uns trabalham, os outros se beneficiam do trabalho alheio, disfarçado como frutos das "minhas propriedades", já que sequer humanos eram considerados. As "riquezas acumuladas por duzentos e cinquenta anos de trabalho forçado" foram acumuladas por um setor específico daquelas sociedades, uma fração, que não trabalhou por isso. E, se nos EUA a escravidão acabou em 1865, no Brasil ela acabou apenas em 1888, o último país americano que aboliu esse crime. No primeiro caso, tivemos a segregação e o racismo institucionalizado na lei, no segundo caso tivemos uma tentativa de esquecimento, como se daquele momento em diante fosse tudo diferente, a ideia de que é possível um botão de restart na História.

Alguns dos leitores devem pensar que isso é discurso "politicamente correto", que é um exagero, que a "escravidão foi muito tempo atrás". Ok, vamos discutir isso. O caso dos EUA é interessante pois, como na prática dois países diferentes por décadas, ele permite contrastar diversos índices e questões sociais entre os estados escravistas e os não-escravistas. Primeiro, os estados escravistas são, hoje, os de menor Índice de Desenvolvimento Humano Americano, uma forma de medida utilizada internamente pelos EUA. Enquanto Massachusetts lidera o ranking com 6.18, o Mississippi está no fundo do índice, com 3.81. Os antigos estados escravistas possuem menor renda familiar e menor expectativa de vida, são mais rurais. Em essência, mais pobres, já que a riqueza construída pelas pessoas escravizadas ficou concentrada nas mãos dos poucos escravizadores.

"Oras Filipe, mas isso é desculpa esfarrapada, se a pessoa trabalhar duro ela vai chegar onde quiser, vide o exemplo de". E aí cita-se alguém. A ideia da pessoa ser reconhecida e julgada pelos seus méritos é um dos pilares do Iluminismo, só que o discurso meritocrático esbarra na realidade de que o legado escravista foi o de pessoas serem julgadas pela sua posição social e pela cor de sua pele. Um estudo de 2014, linkado para que você possa consultar ou verificar, analisou todos os distritos dos EUA pela mobilidade social e pelo quanto as pessoas tinham uma vida materialmente mais rica do que seus antepassados. Adivinhe onde a mobilidade social é menor e onde um jovem tem menos chances de ir do "poço ao topo"? Nos antigos estados escravistas.

A escravidão racial pelo Atlântico foi um crime e um desastre, cujo legado pode ser percebido em diversas frentes. O do racismo é o mais óbvio, já que o componente étnico que o tráfico atlântico de pessoas adiciona à escravidão cria uma estrutura racial: existe uma população que, por causa da cor de sua pele, é escravo, e isso é herdado pelos filhos perpetuamente. E é isso que acontece no continente americano, na nossa realidade. Outra frente é a do desequilíbrio, da concentração de riquezas e de oportunidades que permanece por gerações, não vai desaparecer como um milagre, por um estalar de dedos. Novamente, você nada seria sem seus antepassados, e milhões de pessoas tiveram seus antepassados usurpados de absolutamente tudo para benefício dos outros.

Meritocracia e trabalho

Finalmente, cria a contradição de que vivemos em uma sociedade material, que apregoa bandeiras como a citada meritocracia ou a valorização do trabalho individual, ignorando o fato de que vivemos em uma sociedade americana construída no total oposto desses valores. Viajando pelos EUA, o escritor e filósofo Alexis de Tocqueville foi cirúrgico ao notar essa contradição, fornecida pelo já mencionado contraste da sociedade americana, dividida entre um parcela escravista e a outra parcela livre:

"Na margem direita do Ohio, tudo é atividade, indústria; o trabalho é dignificado; não há escravidão. Passe para a margem esquerda e a cena muda tão repentinamente que você se pensa do outro lado do mundo; o espírito empreendedor se foi. Lá, o trabalho não é apenas doloroso: é vergonhoso e você se degrada ao se submeter a ele. Cavalgar, caçar, fumar como um turco ao sol: esse é o destino dos brancos. Fazer qualquer outro tipo de trabalho manual é agir como um escravo."

Regiões escravistas se basearam na liberdade, na integridade e na riqueza usurpada do trabalho alheio. Quando se olha para o Brasil, o diagnóstico de Tocqueville poderia ter sido escrito ontem. Não é coincidência que um brasileiro que trabalhe manualmente tenha uma remuneração muito maior em outros países do que aqui, e não apenas pela questão cambial. No Brasil é "só" um pedreiro, um pintor. E essa é uma mentalidade que, novamente, não desaparece com um estalar de dedos. Passa de avô para o pai e para o filho. Demora para dissipar, especialmente quando não se faz nada. Outro exemplo de toda essa discussão com o Brasil: a questão do valor do dinheiro.

Historicamente o Brasil sempre teve problemas cambiais. Um país exportador que já passou por vários episódios de dívida, de inflação. Menos em um momento, durante o reinado de Pedro II. Muitos sites e defensores de uma monarquia brasileira, inclusive, citam esse fenômeno como um argumento favorável, um suposto exemplo da "glória do Brasil imperial". Nunca explicam o motivo disso ter acontecido. O dinheiro do Brasil de Pedro II era forte, com valor similar à libra esterlina, pois era praticamente inexistente, já que a maioria da mão-de-obra não necessitava de salário. Dinheiro pouco circulava no Brasil, apenas no Rio de Janeiro, São Paulo e parte de Minas Gerais. O comércio interno era muitas vezes realizado via escambo. A república é acompanhada da inflação pois precisou-se emitir moeda para dar conta de uma economia capitalizada e assalariada.

O intuito dessa coluna não é revolucionar o mundo, nem esgotar um assunto de suma importância. Também não é justificar ou glorificar alguma coisa. É explicar. Explicar que a triste verdade é que vivemos em sociedades construídas sobre um sistema violento e cruel, que esse diagnóstico não pode ser ignorado, e que existem remédios para isso, que podemos tratar em ocasiões futuras. Não, o leitor não escravizou alguém, tampouco seus pais, e não é um apontar de dedos. Não há necessidade de defensiva, "não escravizei ninguém", como disse o atual presidente em uma entrevista antes das eleições. Só que o mundo não gira em torno da experiência individual, nem começou quando eu ou você nascemos. Vivemos numa sociedade com condições herdadas que independem de nós, e falar dos protestos é falar dos sintomas. O diagnóstico é outro, e os fatos estão aí, apresentados por Douglass, por Lincoln, por Tocqueville, por Martin Luther King e uma miríade de outros. Principalmente, existem maneiras das gerações futuras, os descendentes de George Floyd, herdarem uma sociedade diferente.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 20 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Plínio

    ± 0 minutos

    Assunto controverso. Tão controverso quanto perguntar ao Sr. Salomon se ele destruiu a mídia que usou para fazer a postagem, afinal também é fruto do mesmo sangue derramado que justifica a destruição do país. Mas sabemos que é tudo retórica. Julgar tempos passados pela ótica dos tempos presentes é esquecer o processo evolutivo da sociedade. Deveríamos pedir a destruição da Europa? As maiores potências europeias cresceram explorando e dividindo a África, Oriente Médio e Ásia. Esta usurpação indevida não era uma forma de escravidão? A própria civilização ocidental tem fortes vínculos com o Império Romano, que usava da escravidão. Revisar o passado é a idiotice dos progressistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Andrey Blumtritt

      ± 46 dias

      Interessante o texto, porém se formos ver pelo caso da escravidão, como diria meu grande professor de história " Não Há povo, população ou etnia que um dia não escravizou nem foi escravo, pegue a história do mundo e em todas as partes veremos isso ", e a segunda frase que me fez ficar mais curioso e espantado com o meu professor de história "O Brasil é um país diferente de todos, até a sua escravidão era democrática, o escravo que deixava de ser escravo queria adquirir escravos, veja o caso de Chica da Silva que foi romantizada mas a realidade era totalmente diferente", temos de pensar em um futuro e presente onde todos são iguais, criar pseudas dividas é criar mais preconceito

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        denise de sene

        ± 46 dias

        se perseguição, racismo e escravidão explicam a situação dos negros hj, como se explica a situação dos judeus, que sofreram, e as vezes ainda sofrem, tudo isso desde que o mundo é mundo? Não existe etnia mais perseguida que a dos judeus. Não obstante isso, nunca vi ninguém defender judeu, ou um deles justificar sua pobreza pelo racismo ou pedir "reparação histórica".

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          José Leopoldo Nedel

          ± 62 dias

          Que dizer do Haiti primeiro a abolir a escravidao hoje numa pobreza franciscana? Era a perola das colonias francesas... Tambem sobre o tema da escravidao voltemos pouco na historia e vemos Roma com milhares de escravos brancos e negros num periodo de mil anos? Como os romanos hoje conseguem viver com este fardo historico? Abracos

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • F

            FPC

            ± 63 dias

            O problema não é o diagnóstico. É a proposta de cura. No "Democracia na America" essa chaga da escravidão é exposta de forma contundente como um dos mais graves problemas dos EUA. Mas o próprio Tocqueville dificilmente apoiaria os remédios que são propostos com base em visões opostas e muito mais simplistas que a dele.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • D

              Destemido

              ± 63 dias

              Comece pelos negros que escravizaram seus próprios irmãos e os venderam. Chega de forçar a barra para a n lado do problema. Existem pobres brancos também. Chega de tratar negro como coitado, de dar cota, bolsa disso ou daquilo. Isso só agrava a discriminação. Pardos, pretos, brancos, amarelos, índios, todos fazem parte do humano. Chega de se ancorar na mimação de “minorias”.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • L

                Lucas Lyra

                ± 64 dias

                Excelente! Texto criterioso que adiciona inteligência ao debate.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • A

                  Alexandre Araujo Fontainha

                  ± 64 dias

                  Quanto à morte de George Floyd, terrível como foi, censurável como é, não deveríamos, no entanto, desconhecer os dados trazidos pelo Senhor Paul Craig Roberts em seu artigo "On Racism", quais sejam: "You think police don’t use violence against white people? How uninformed you are! In 2017 police shot to death more than twice as many white people as black people. In 2018 police shot to death almost twice as many white people as black people. In 2019 57% more white people than black people were shot to death. So far in 2020, 35% more white people than black people have been shot to death by police."

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • A

                    Alexandre Araujo Fontainha

                    ± 64 dias

                    E o referido discurso de Lincoln é louco porque quem mais lucrou com a escravidão foram os traficantes "americanos" de africanos escravizados, que estavam, ora vejam!, no Norte dos EUA. Demais disso, a guerra devastou os pequenos proprietários (brancos) sem nenhuma ligação com a exploração da escravidão (Plantations), e, aliás, os exércitos nortistas saquearam e roubaram todos em seus caminhos, inclusive as economias dos escravos. Fizeram do Sul uma terra arrasada. Levou mais de cem anos para começarem a superar a devastação...

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • A

                      Alan S

                      ± 64 dias

                      Excelente texto, mas vai aqui meus 2 cents: a escravatura não surgiu há 250 ou 500 anos atrás e quase nunca foi baseada em cor.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • A

                        Alexandre Araujo Fontainha

                        ± 64 dias

                        Filipe, sou seu leitor assíduo e entusiasmado, mas, neste texto, cabem alguns reparos. O referido discurso de Lincoln é louco, como louca foi sua presidência. Lincoln atuou para impedir o legítimo exercício ao direito de secessão. Fez de tudo para convencer os secessionistas a retornarem à União, ou a não a deixarem (conforme o caso). Inclusive, atenção!, propôs uma Emenda à Constituição, que seria a 13.ª, a fim de tornar a ESCRAVIDÃO (onde ela já existia) uma matéria que não poderia ser legislada no Congresso, de forma a que pudesse ser perpetuada. Pois é... Os secessionistas, no entanto, não se interessaram em retornar à União. E o motivo foi... a questão aduaneira / fiscal.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        • L

                          Larissa Cabral de Menezes Papaiz

                          ± 64 dias

                          Bom texto!

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                          • N

                            Nico Gavelick

                            ± 64 dias

                            A citação do início do texto, desse tal Solomon Georgio, é de uma desonestidade ímpar. Os negros que hoje estão vivos na América não foram escravizados, portanto não construíram nada "de graça". Aliás, se é possível herdar a dor da vítima também seria possível herdar a culpa do algoz. E a ideia de culpa coletiva é algo perigosíssimo, vide séc. XX. PS.: Isso sem falar na quantidade de pequenos negócios de propriedade de negros, que também acabam destruídos nesses protestos.

                            Denunciar abuso

                            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                            Qual é o problema nesse comentário?

                            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                            Confira os Termos de Uso

                            • E

                              EDITH HERARTH

                              ± 64 dias

                              Educação e Respeito, os dois pilares de sustentação de uma sociedade onde a única raça é a humana.

                              Denunciar abuso

                              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                              Qual é o problema nesse comentário?

                              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                              Confira os Termos de Uso

                              • E

                                EDITH HERARTH

                                ± 64 dias

                                Educação e Respeito, os dois pilares de sustentação de uma sociedade onde a única raça é a humana.

                                Denunciar abuso

                                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                Qual é o problema nesse comentário?

                                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                Confira os Termos de Uso

                                • D

                                  d'Amortan

                                  ± 64 dias

                                  CONTINUANDO. Além disso, outra coisa a ser apontada é que há uma alta relação de mortalidade de negros por próprios negros, além de envolvimento maior em crimes por parte de negros. Deve-se muito à estrutura familiar precária (a maioria das famílias de negros, nos EUA, não têm pais, ou quando os têm, estão presos ou não são boas influências). É preciso quebrar este elo de aprisionamento e não mantê-lo, endeusá-lo (a cultura do rap, por exemplo, tem muito disso). Enfim, é um assunto complexo e cheio de argumentos e apontamentos por todos os lados. Infelizmente é tratado com muito emocionalismo e ideologia, o que quebra qualquer tentativa de adoção de medidas possivelmente boas.

                                  Denunciar abuso

                                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                  Qual é o problema nesse comentário?

                                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                  Confira os Termos de Uso

                                  • D

                                    d'Amortan

                                    ± 64 dias

                                    CONTINUANDO. Muitos acham que educação de qualidade é, simplesmente, doutrinar as crianças. Ora, é justamente este o caminho da ruína! A ascensão de indivíduos de classes mais pobres se dá quando os tais conseguem ser engenheiros, empresários, cientistas, profissionais liberais, ou mesmo quando têm "empregos comuns" (no sentido de não precisar ter uma formação acadêmica completa), mas mantêm-se independentes financeiramente. Portanto, deve-se dar educação formal para que os indivíduos apontados consigam ascender e andar com as próprias pernas, sem depender de auxílios ou empregos bem mal remunerados que já é um outro assunto, de problema essencialmente econômico, coisa que o nosso país peca)

                                    Denunciar abuso

                                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                    Qual é o problema nesse comentário?

                                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                    Confira os Termos de Uso

                                    • D

                                      d'Amortan

                                      ± 64 dias

                                      É um assunto complicado porque é eivado de ideologia por todos os lados, poucos se debruçam a estudá-lo sem, primeiramente, entorpecer-se. Já li vários argumentos e textos de diversos lados neste tipo de discussão, o mais difícil é apontar soluções, geralmente estas são feitas de maneira totalmente descabidas, apenas para validar um lado ideológico. Racismo, a meu ver, se combate não com as medidas propostas por ideólogos de esquerda (cotas, humilhação e ódio/repúdio à cultura europeia), mas, como feito na Holanda, com respeito ao próximo (neste item cabe todos os lados, ao branco, índio, negro, asiático, enfim) e educação de qualidade. O item da educação é o mais interessante. CONTINUA

                                      Denunciar abuso

                                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                      Qual é o problema nesse comentário?

                                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                      Confira os Termos de Uso

                                      • D

                                        Dissenha

                                        ± 64 dias

                                        Os textos do Senhor Filipe via de regra, são uma aula, muito bons. Após a leitura do texto fica a ideia de como é difícil quantificar o impacto que resulta hoje no crime que foi a escravidão. Mas também me ocorre (e aqui não há a intenção de uma descabida comparação) e tão somente a lembrança de um fator que ajudou a construir o país: Os imigrantes. Muitos deles aportaram no Brasil, a maioria : depois de 1.888 e como se diz : " com uma mão na frente e outra atrás". Seus filhos herdaram o que seus pais construíram em uma vida de trabalho árduo e vida frugal e estudando em escola pública.

                                        Denunciar abuso

                                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                        Qual é o problema nesse comentário?

                                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                        Confira os Termos de Uso

                                        • R

                                          Rodrigo Barbosa da Silva

                                          ± 64 dias

                                          Ótimo texto, cirúgico e preciso. Difícil de encontrar enquilibrio em um assunto taõ complexo, onde os narradores puxam sardinha para sua ideologia...

                                          Denunciar abuso

                                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                          Qual é o problema nesse comentário?

                                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                          Confira os Termos de Uso

                                          Fim dos comentários.