i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Papa Francisco concentra esforços diplomáticos no Extremo Oriente

  • PorFilipe Figueiredo
  • 15/10/2018 20:27
Papa Francisco em visita à Polônia
Papa Francisco em visita à Polônia| Foto:

O Papa é um Chefe de Estado, além de líder espiritual de mais de um bilhão de católicos do mundo inteiro. Em diferentes períodos da História, o Bispo de Roma teve maior ou menor poder temporal, entretanto, nunca deixou de ter relevante papel nas relações internacionais. Para termos um exemplo, a presença portuguesa onde hoje é o Brasil se deve, em parte, ao papel mediador do Papa na disputa entre lusitanos e castelhanos pelas novas descobertas ultramarinas, que resulta na assinatura do Tratado de Tordesilhas, em 1494.

Com a concretização da unificação italiana, em meados do século XIX, é sacramentada a mudança no papel político do Papa, deixando para trás os momentos em que ele liderava exércitos ou conduzia a Itália. O papado de Leão XIII é um marco nesse sentido. A diplomacia, a negociação e a possibilidade de ser visto como um ator sereno e engajado na paz de longo prazo serão o tom da atuação política dos Papas no século XX.

Papa Francisco e a América Latina

Meses após sua eleição, Francisco veio ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que reuniu três milhões e meio de pessoas. Embora uma casualidade, já que o evento foi planejado para a presença de seu antecessor, Bento XVI, serviu de sinal do foco latino-americano das visitas de Francisco. Na América do Sul, o atual pontífice apenas não visitou a Venezuela, devido a crise econômica e a instauração de um governo autoritário; o Uruguai; e sua nativa Argentina, para evitar que sua imagem tenha uso partidário.

Mesmo assim, Francisco coordena esforços da Santa Sé para servir como interlocutor entre o governo Maduro e a oposição venezuelana, que ainda está no país e os exilados políticos. A Igreja Católica busca cumprir o mesmo papel na Nicarágua, que também é conduzida por um governo autoritário que persegue opositores; ainda na América Central, Francisco canonizou o bispo salvadorenho Oscar Romero, executado em 1980 durante a guerra civil de seu país por um atirador do exército, enquanto celebrava a missa. Em 2019, Francisco irá ao Panamá, que receberá a JMJ.  

O Papa também visitou o México, mas foi em relação a dois conflitos herdados da Guerra Fria que ele teve papel decisivo. Em dezembro de 2014, o mundo foi tomado de surpresa pelos anúncios simultâneos feitos por Barack Obama e por Raúl Castro, declarando que EUA e Cuba retomariam suas relações. Ambos agradeceram ao sumo pontífice pelo seu papel em mediar tais conversas, via a troca de cartas entre os líderes; cerca de 60% da população cubana é católica, algo em torno de sete milhões de pessoas.

Francisco também mediou os diálogos secretos entre o governo colombiano e as FARC, contribuindo para acabar uma guerra de cinco décadas com um acordo assinado em novembro de 2016; o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, representou o Papa. A visita de Francisco à Colômbia, em setembro de 2017, ajudou na aproximação entre os diferentes lados do conflito e lançou iniciativas ao amparo dos afetados pela guerra.

Papa Francisco e o Oriente

O Papa também é notável por seus esforços ecumênicos para aproximar Roma de outras igrejas cristãs. Sua inauguração, em 19 de março de 2013, foi a primeira a contar com a presença do Patriarca Bartolomeu de Constantinopla da Igreja Ortodoxa, algo que não ocorria desde o Grande Cisma de 1054. Em 2016, em Havana, Francisco se encontrou com o também ortodoxo Patriarca Cirilo de Moscou, quando emitiram uma declaração conjunta buscando a união das igrejas. Novamente, algo que não ocorria desde 1054.   

Além desses exemplos, Francisco realizou diversas aproximações com líderes protestantes de diferentes igrejas. Também se encontrou com rabinos, imãs e líderes políticos relacionados à disputa entre israelenses e palestinos, como o premiê de Israel Benjamin Netanyahu e o presidente palestino Mahmoud Abbas. Em junho de 2015, a Santa Sé reconheceu oficialmente o Estado da Palestina, e, em janeiro de 2017, foi aberta uma embaixada palestina no Vaticano. Francisco espera que isso contribua para uma paz negociada e uma solução de dois Estados.  

É no Extremo Oriente, entretanto, que está a principal atuação de Francisco em tempos recentes; ao menos, em potencial. A terceira visita do Papa foi à Coreia do Sul, em agosto de 2014; 8% da população é católica, quatro milhões de pessoas. Seis meses depois, Francisco celebrou a maior missa da História, em Manila, nas Filipinas, com a presença de cerca de seis milhões de fiéis, em um país com 80 milhões de católicos. Os números são importantes pois demonstram o alcance e a relevância do Papa como diplomata.

Sua atuação como mediador no Extremo Oriente começa a aparecer ao final de 2017, quando Francisco visita Mianmar e Bangladesh em meio ao genocídio dos rohingya, muçulmanos perseguidos no budista Mianmar e expulsos para o vizinho ao norte. Publicamente, quando em Mianmar, Francisco mediu as palavras, sendo alvo de críticas internacionais; entretanto, em Bangladesh, foi mais vocal em público.

Nessa viagem, Francisco encontrou-se com algumas das principais lideranças de ambos os países, inclusive o comandante do exército mianmarense, (ir)responsável último pelo genocídio. Algo que nenhum outro representante mundial conseguiu, e em dois países em que o catolicismo é minoritário. Se tais diálogos renderão frutos, ainda não sabemos. Podem, inclusive, ocorrer agora, por canais discretos.

Em 2019, Francisco pode retornar à península coreana, agora para visitar as duas repúblicas da Coreia. O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, entregou ao Papa, no Vaticano, um convite do norte-coreano Kim Jong-un, para uma visita à capital Pyongyang. Isso ocorre durante mais uma visita de Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, ao norte, em que foram acordadas inspeções nucleares e novo encontro entre Kim e Trump.

Ou seja, um momento em que a aproximação coreana e, principalmente, a projeção da Coreia do Norte em relação ao mundo serão temas culturais e sociais. Há necessidade de se mostrar aberto ao diálogo e aos símbolos ocidentais, mesmo que pouco presentes na Coreia do Norte. O Papa que serviu de ponte entre Havana e Washington pode também criar uma ligação entre Pyongyang e o mundo.

É na China, entretanto, que Francisco foca seus esforços nos últimos anos. Estimativas colocam o número de católicos na China entre nove e doze milhões de fiéis. Um montante que cresce bastante nos últimos anos, e com enorme potencial, já que, convenhamos, é proporcionalmente ínfimo na imensidão demográfica chinesa. Na China continental, embora exista liberdade de fé, as autoridades religiosas devem estar subordinadas do Estado e não podem sofrer interferência estrangeira.

Ou seja, existem duas igrejas católicas na China, uma oficial, subordinada à Pequim, que nomeia seus bispos, e outra clandestina, perseguida, seguidora de Roma. Um impasse que remete à chamada “questão das investiduras” da Idade Média europeia. Em setembro de 2018, a Santa Sé e a China assinaram um acordo para melhoria das relações; o Papa irá apontar os bispos em concórdia com Pequim, poderá vetar qualquer bispo recomendado pelo governo chinês e reconhece sete bispos já nomeados por Pequim. Dois bispos chineses, inclusive, participarão imediatamente do próximo sínodo no Vaticano.

Nem tudo são flores, entretanto, como mostra o sentimento de “traição” de alguns católicos chineses, relatado por um padre brasileiro. Se, por um lado, o acordo permite o fim da perseguição pelo regime, por outro, ele pode apagar as décadas de perseguição e os mortos martirizados. Além disso, ao menos uma dúzia de clérigos católicos está presa pelo governo chinês.

Dado o gigantismo chinês e o potencial de crescimento do catolicismo no país, é natural que o Papa busque criar condições para que isso ocorra – ao ponto de ter recusado um encontro com o Dalai Lama, para não aborrecer as autoridades chinesas. Além disso, em um momento crucial, de tensões comerciais entre China e EUA e de tensões geopolíticas no Mar do Sul da China, Francisco pode ser necessário para construir mais pontes. Ou, ao menos, manter as que já existem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.