i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Razzo

Foto de perfil de Francisco Razzo
Ver perfil

Ad Christi

  • Francisco RazzoPor Francisco Razzo
  • 24/12/2019 13:12
“Adoración de los Reyes Magos”, de El Greco.
“Adoración de los Reyes Magos”, de El Greco.| Foto: Wikimedia Commons

Há muitos Cristos, mas apenas um viveu há mais dois mil anos. O que faz do cristianismo uma religião, acima de tudo, teológica-histórica muito mais do que uma religião mítica. Como homem, Jesus nasceu, brincou, amou, chorou, sorriu, pregou, comoveu, ensinou e apanhou. Além disso foi traído, julgado, humilhado, açoitado e crucificado. Como Salvador do mundo, ressuscitou. É o próprio Deus encarnado na história, o modelo moral absoluto de bondade, misericórdia e amor. Em sentido teológico, Jesus é “Filho” de um ser que também é “Pai” e “Espírito Santo”. Porque Deus não escondeu a sua face...

Deixemos de lado as exigentes questões teológicas. Neste Natal, gostaria de chamar atenção para o seguinte: parece que muita gente pretende tomar a figura de Cristo para si. Fazer dele o símbolo máximo de uma causa particular. Pois a dignidade de uma causa específica tem, no amparo de Cristo, seu significado mais humano, a legitimidade suprema do que deve ser realmente feito. O coroamento não de espinhos, mas de tudo o que é revestido de glória e bondade. Afinal, Cristo é, em sua glória universal, o contrário da maldade, da ganância e do ódio. Quem não desejaria esta companhia e apoio?

Assim como fazem de Hitler o representante máximo de tudo o que não devemos ser e fazer. O ditador alemão se tornou, literalmente, o anticristo. Nada como associar os nossos inimigos a essa figura torpe e diabólica responsável pela morte de milhões de pessoas. Hitler é a trapaça na história. Ódio feito carne em pessoa. O vazio supremo. O esgotamento de todas as esperanças. Ora, como havia batizado o filósofo Leo Strauss de “argumento ad hitlerum”, ouso utilizar uma nova categoria para identificar certa falácia informal com alto grau de apelo retórico: argumentum ad Christi.

Se você tem dúvidas quanto à legitimidade de sua causa, divulgue Cristo como o maior representante dela. Seu principal apoiador. Aos inimigos, já sabe: suástica. Embora você não tenha feito qualquer esforço de carregá-la, o peso da cruz batiza os seus interesses ideológicos. Eis a diferença básica entre ser o algoz e a vítima.

A fórmula do ad hitlerum pode ser assim resumida: “Se Hitler foi contra X, X é desejável”; “Se Hitler apoiou X, X é a expressão puro do maligno e do inaceitável”. Por outro lado, o argumentum ad Christi pode ser apresentado com a seguinte estrutura: “Se Cristo foi contra X, X é altamente indesejável”, “Se Cristo foi X, X é a expressão pura da bondade e do que é desejável”. Não se trata de uma mera coincidência que muitos críticos de Papa Bento XVI, no auge sem vergonha da construção de um estereótipo, tentavam associá-lo ao nazismo. Isso para não falar de Pio XII, cuja polêmica já enche algumas prateleiras de bibliotecas (particularmente, gosto do livro do Mark Riebling, O papa contra Hitler, Leya, 2018; e do Andrea Tornelli, Pio XII: o Papa dos Judeus, Editora Civilização).

Porque todos querem um Cristo para chamar de seu. Comunistas imaginam Cristo como comunista, o primeiro e o mais importante de todos — seguido dos apóstolos São Marx e São Lênin; para homossexuais, Cristo Jesus não poderia representar melhor os seus dramas da sexualidade como sendo, claro, um homossexual; no caso dos liberais, Cristo foi um empreendedor liberal, o modelo de autonomia, sagacidade e individualidade; feministas constroem um Cristo libertador das mulheres, um Cristo “feministo”, simpático à causa que foi deformada por apóstolos machistas; revolucionários e reacionários fazem a mesma coisa e modelam Cristo a suas pretensões, para os primeiros representa a apoteose da revolução e do novo mundo; para os segundos, o baluarte da tradição.

Recentemente, em artigo, um certo psicanalista, num impudico delírio sodomita, projetou no Cristo os seus próprios desejos: “Eu realmente gostaria que Jesus fosse homossexual, ou seja, que fosse um exemplo da liberdade de quem se permite gozar pelo prazer, sem desculpas. Talvez um Jesus gay bastasse para desmentir os carrancudos que, em nome dele, promoveram a repressão sexual como ideal”.

Para ele, a verdadeira liberdade do homem é poder “gozar pelo prazer”. Esse sonho de libertação sexual foi destruído pelo “grupinho de padres neuróticos” — referindo-se aos teólogos e filósofos da Patrística como os responsáveis por edificar um cristianismo supostamente triste e contra prazeres hedonistas. Enquanto os verdadeiros cristãos — os que foram imaginados por ele — só queriam alegria e prazer. Mas mal sabe o psiquiatra que os Pais da Igreja, e todos os mártires, prezavam a verdadeira alegria, aquela que nos liberta da escravidão, da idolatria do prazer fugaz e da deformação do pecado.

O fato é que muitos querem um Cristo que se adeque à sua própria imagem e semelhança. Raros são aqueles que buscam imitá-Lo, mas exigem que Cristo imite a todos eles: comunista, revolucionário, liberal, feminista, gay, empresário, conservador, político de esquerda, de direita... enfim, um Cristo que é todos na medida em que já não é mais ninguém. O Alfa e o Ômega de um humanismo pretensioso e vazio.

Espero que neste Natal, façamos um esforço para reverter isso, e, assim como diz São Francisco de Assis, possamos pedir, com humilde simplicidade: “Senhor, fazei de mim um instrumento da Vossa paz”.

Um Feliz Natal do Senhor a todos!

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Carlos Eduardo

    ± 0 minutos

    Um texto que estabelece de forma clara o senhorio e deidade de Jesus é excelente. Realmente tocou meu coração.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adriel Farias

    ± 16 horas

    Excelente texto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André

    ± 20 horas

    Excelente!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Ivan S Ruppell Jr

    ± 21 horas

    Ótimo texto e bastante necessário ao momento atual...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Milone Silva

    ± 21 horas

    Razzo, por favor inclua Cristo nos seus textos o mais que puder. É a tradução da Beleza. Abraços

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gabriel Brandão de Abreu

    ± 21 horas

    Muito bom ver textos como esse! Parabéns ao Fernando! Parabéns à Gazeta do Povo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    carlos alberto chaves pessoa junior

    ± 21 horas

    Excelente artigo tanto na forma como no conteúdo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rita Lina

    ± 21 horas

    Bom artigo! Boa reflexão! Feliz Natal!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adenilson

    ± 21 horas

    Embora pecadores, não devemos desdizer o Senhor! Acredito no Natal, por isso no Deus que quis se encarnar para se revelar e nos ensinar a renunciar a impiedade e as paixões mundanas, a viver sobria, justa e piedosamente! Acontece, porém, que normalmente se pensa o que se vive; de modo que o autor foi muito feliz em seu artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WILSON ZETI

    ± 24 horas

    Perfeito, todos se julgam igual ao Cristo mas nenhum é capaz de oferecer a outra face, ou perdoar, ou distribuir o que tem.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]