i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

GazzConecta Colab

Foto de perfil de GazzConecta Colab
Ver perfil
Oportunidades de investimento

O que são nano-IPOs e como eles democratizam investimentos em estágios iniciais

  • PorLeonardo Jianoti*
  • 18/09/2020 14:03
O que são nano-IPOs e como eles democratizam investimentos em estágios iniciais
| Foto: Sophie Backes / Unsplash

Captar recursos é um dos muitos desafios dos empreendedores. Independente do estágio das companhias, existem diferentes formas de capital disponível para acelerar e fortalecer os modelos de negócios. Podemos dizer que existe uma boa disponibilidade de capital, mas ela ainda é muito concentrada. Por ser um mercado que não exige apenas dinheiro mas também ajudas diretas nas companhias investidas, aumentar a base de investidores não é um desafio dos mais simples.

Essa democratização do acesso às oportunidades de investimento é sustentada por dois grandes componentes: educação e digitalização.  No campo da educação, há formas diversas de acessar conhecimento dessa indústria; de textos dedicados ao tema a podcasts e vídeos produzidos por gente de mercado. Materiais e mensagens com linguagem simples e direta, como os oferecidos por Gustavo Cerbasi, Nathalia Arcuri e Thiago Nigro (Primo Rico), formaram uma massa crítica para entendimento e análise de novos produtos financeiros.

Já em digitalização, vejo um paralelo com o que aconteceu no mercado de investimentos financeiros, com XP, Rico e outros players, democratizando o acesso ao mercado financeiro para as pessoas fora da bolha. Isso deve acontecer com o ambiente de capital de risco no Brasil. Ou melhor, no campo dos investimentos alternativos em economia real.

Um dos principais pilares dessa democratização será a digitalização dos investimentos em pequenos negócios, permitindo que os investidores individuais possam participar dos investimentos desde os estágios iniciais, não só nos tão conhecidos IPOs — Initial Public Offering, termo em inglês para Oferta Inicial de Ações. Mesmo no mundo dos IPOs, a Bolsa de Valores já permitiu que empresas buscando volumes menores de captação (R$ 100 milhões) façam seus IPOs, o que ficou conhecido como mini-IPOs.

Pensando em negócios iniciantes e em volumes de captações menores, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentou o mercado de investimentos coletivos, os chamados equity crowdfundings, para captações abaixo de R$ 5 milhões. O mecanismo é todo feito por plataformas registradas e homologadas pela própria CVM, permitindo que pequenas empresas possam acessar os benefícios do mercado de capitais de forma organizada. Cada investidor pode aplicar até R$ 10 mil por ano, ou 10% de sua renda bruta do ano anterior. E mais: se for investidor qualificado, pode investir valores maiores.

As empresas que captam recursos por meio das plataformas não podem ter faturado mais de R$ 10 milhões no ano anterior. Essas restrições funcionam para aumentar o foco sobre os pequenos negócios e proteger os investidores para exposições graduais de risco e retorno. Uma proposta de revisão desses limites deve ser analisada pela CVM ainda este ano.

Para essas captações, adotei a expressão nano-IPOs. Justamente porque permitem a participação dos investidores no princípio de negócios promissores. E por serem promissores, não há motivos para investir apenas em negócios espetaculares no IPO se você pode conhecer e aplicar nesses mesmos negócios em estágios iniciais e, assim, amplificar sua base de rentabilidade. Muito prazer, este é o mundo dos nano-IPOs.

*Leonardo Jianoti é cofundador da Platta, plataforma eletrônica de investimento coletivo. É economista formado pela UFPR, com pós-graduação em gestão de assuntos públicos pela PUCPR. É também investidor-anjo em empresas iniciantes diversas via Curitiba Angels, e sócio-fundador da CWB Capital.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.