i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

GazzConecta Colab

Foto de perfil de GazzConecta Colab
Ver perfil
Transformação digital

PIX é o passo definitivo rumo à digitalização dos bancos

  • PorBruno Dreher*
  • 08/10/2020 22:08
PIX é o passo definitivo rumo à digitalização dos bancos
| Foto: rupixen.com/Unsplash

Todos já ouviram falar no PIX, mas poucos sabem o que é e como ele mudará o mercado financeiro brasileiro em um futuro próximo. Resumindo, o PIX é um novo meio de pagamentos para fazer transferências e pagamentos de forma rápida, instantânea, sem esperar dias para que o pagamento entre na conta de destino. Ele foi criado pelo Banco Central com o objetivo de baratear as transações financeiras.

Hoje, transferências interbancárias são feitas através de TED ou DOC. Essas operações são custosas e podem demorar dias, e alguns bancos chegam a cobrar uma tarifa de até R$ 20 para prestar este serviço.

Agora, estas transações serão gratuitas para o usuário final e custarão a pechincha de R$ 0,01 a cada 10 transações para a instituição financeira e serão gratuitas para você, que poderá fazer transferências instantâneas 24 horas por dia, 7 dias por semana. Independente do banco de origem e destino.

Mas muito mais que isso, trata-se de mais um passo importante para a digitalização dos serviços bancários.

Eu costumo dizer que sou parte da última geração que viveu o pré-internet. Naquela época, você sempre precisava ir ao banco pessoalmente para fazer qualquer tipo de transação, pagamento de boleto, consulta de saldo ou qualquer outro serviço bancário.

Imagine que, para que qualquer pessoa do interior tivesse acesso à uma conta bancária, a cidade precisava ter um número mínimo de habitantes para viabilizar a instalação de uma agência física de um banco. E claro, junto com isso, vinha uma pilha de gastos: aluguel, funcionários, luz, telefone, reformas, etc. E esta estrutura justificava a cobrança de uma taxa para manutenção de conta.

Obviamente, o cenário é outro hoje. A internet simplificou muito as empresas financeiras. Primeiro vieram os internet bankings dos bancos tradicionais. Depois, a tecnologia permitiu a criação das fintechs, que oferecem conta sem a necessidade de uma agência física. O Nubank foi o primeiro grande case neste serviço. Mas podemos citar outros: Neon, Mercado Pago, PicPay, C6 Bank, PagBank e outros.

Este aumento exponencial na quantidade de empresas brigando por contas bancárias só beneficiou os consumidores. Hoje, em vez de cobrar de você para que você abra uma conta, as empresas estão pagando para que você tenha uma conta com eles.

Talvez o setor financeiro seja o maior exemplo de que a união entre o acesso à tecnologia e uma livre concorrência beneficia e muito o consumidor final.

Hoje, o PIX se lança como a grande novidade tecnológica do setor. A instituição financeira que não oferecer esta tecnologia irá ficar léguas de distância atrás da concorrência e perderá espaço no mercado.

Como entusiasta da inovação, tecnologia e livre mercado, fico sempre muito animado com este tipo de iniciativa que irá melhorar a vida de milhares de pessoas. Mas também me anima entender que não é o fim. A tecnologia e a inovação sempre estarão a serviço das pessoas.

*Bruno Dreher é consultor, palestrante, especialista em inovação pela Universidade Hebraica de Jerusalém, membro da World Futures Studies Federation (Paris, França) e World Future Society (Chicago, EUA).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.