i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Constituinte, a ideia que aproxima campanha de Bolsonaro e o PT

  • PorGuido Orgis
  • 14/09/2018 10:33
Constituição do Brasil: campanha do PT e vice de Bolsonaro falam em fazer uma nova Assembleia Constituinte.
Constituição do Brasil: campanha do PT e vice de Bolsonaro falam em fazer uma nova Assembleia Constituinte.| Foto:

A ideia de se fazer uma nova Assembleia Constituinte apareceu na campanha de Jair Bolsonaro (PSL): seu vice, o general Hamilton Mourão, defendeu em entrevista uma nova Constituição, redigida por um grupo de notáveis e depois chancelada em plebiscito. Tema que também aparece no programa de Fernando Haddad (PT), de forma um pouco menos detalhada.

A declaração de Mourão, frise-se, não foi feita no contexto de um programa de governo, como no caso do PT. Mas é uma ideia que circula em um nível elevado da campanha de Bolsonaro, fato que não pode passar despercebido (até porque o próprio candidato já falou sobre isso em entrevistas). Ele revela dois aspectos do modo de pensar do grupo bolsonarista que estão em consonância com o PT: a crença em uma nova Constituição como atalho para a concretização de uma ideia de país, e um incômodo com os resultados do processo democrático.

O programa do PT não deixa claro como funcionaria sua Constituinte. Segundo Marcio Pochmann, economista do partido que vem falando do assunto, ela seria convocada para avançar o pedaço mais polêmico da agenda petista: reformas como a do setor bancário, dos meios de comunicação e tributária. Estão no bolo temas caros à ala mais radical do partido, incomodada com o que avalia ser uma divisão “não democrática” do poder no país. Parece, na prática, uma forma de ampliar o poder do partido no poder, retirando-o de grupos que o PT entende serem antagonistas ao seu projeto e fortalecendo grupos identitários com os quais o partido aprendeu a navegar.

ANÁLISE EM VÍDEO: Mourão propõe Constituição feita por ‘notáveis’, sem povo. Bolsonaro, não

No caso da Constituinte do general Mourão, está mais claro o formato e não a temática. Seriam convocados notáveis, constitucionalistas e afins com capacidade de criar uma Constituição enxuta e funcional. Os temas, portanto, não parecem ser o centro da ideia, e sim a ciência para a redação do texto. É a expressão do tecnicismo que não quer entender as contradições e defeitos que são o custo normal de se viver em uma democracia.

O debate sobre uma Constituinte não é novo. Foi trazido à tona pelo menos uma dezena de vezes nos últimos anos como solução para os problemas complexos do país. Um exemplo foi o compromisso assumido por Dilma Rousseff em 2013 de chamar uma assembleia para colocar fim aos protestos que tomaram conta das ruas. Nada foi feito e quatro anos depois o Congresso aprovou uma reforma que tornou ainda mais difícil a renovação das forças políticas – sem nem precisar mexer na Constituição, é bom dizer.

Em 2016, para trazer um outro exemplo pertinente para as eleições, o economista Eduardo Giannetti da Fonseca, assessor da candidata Marina Silva (Rede), defendeu uma Constituinte restrita à reforma política, com pessoas eleitas apenas para esse fim e que teriam de ficar fora da vida política após a finalização do processo. O mérito da ideia era tentar isolar a reforma política de quem tem mais interesse em manipular as regras do jogo.

A Constituição brasileira tem muitos problemas. Traz regras que não precisariam ser constitucionais e engessam a gestão pública. Ao mesmo tempo, muitas dessas regras têm efeito contrário ao que se esperaria – as normas não garantem serviços públicos melhores ou uma gestão menos corrupta – e tornam a necessidade de reformas uma constante da vida nacional.

Há uma dose de lógica, portanto, em se defender o atalho da Constituinte. O perigo está em se usar essa lógica para remodelar a Constituição ao gosto do partido no poder. O bom funcionamento de uma democracia liberal é sustentado por uma combinação de expressão da vontade popular, pragmatismo dos legisladores que representam essa vontade e evolução das regras ao longo do tempo em torno de consensos. Nada disse está presente nas proposta do PT ou de Mourão.

Não é de hoje que o mundo político vive em torno de dois objetivos: enriquecimento e autopreservação. A Constituição pode até ajudar a quebrar esse vício, mas não é exatamente a maior causa do problema. A baixa eficiência da Justiça, quebrada no caso da Lava Jato, e a perpetuação de caciques em partidos sustentados pelo Estado não foram criados pelo texto constitucional, para ficar em dois exemplos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.