i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Ir e Vir de Bike

Ver perfil

Aumento de impostos para bicicletas no Paraná já impacta preço ao consumidor

  • PorAlexandre Costa Nascimento
  • 08/04/2014 15:56
Carga tributária sobre bicicletas no Paraná fica mais pesada por conta da fórmula de cálculo do ICMS.
Carga tributária sobre bicicletas no Paraná fica mais pesada por conta da fórmula de cálculo do ICMS.| Foto:
Pedala Richa

Governador Beto Richa (PSDB) vai pagar 40% mais caro nas câmaras e pneus após decreto que aumentou carga do ICMS sobre bicicletas, peças e equipamentos. (Foto: Reprodução/Arquivo)

A aplicação do regime de substituição tributária na cadeia de bicicletas, decretada pelo governo do Paraná, chegou ao balcão das bicicletarias na forma de um aumento de até 40% no preço final de algumas peças e equipamentos.

A medida, em vigor desde o dia 1.º de março, visa combater a sonegação e para isso concentra na indústria a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), antes realizada ao longo da cadeia.

O cálculo do imposto tem como base uma estimativa de margem de lucro. Mas, segundo os comerciantes, esses índices são irreais e acabam aumentando a carga tributária, onerando as pequenas empresas enquadradas no Simples Nacional.

Carga tributária sobre bicicletas no Paraná fica mais pesada por conta da fórmula de cálculo do ICMS.

Carga tributária sobre bicicletas no Paraná fica mais pesada por conta da fórmula de cálculo do ICMS.

No caso de câmaras de ar e pneus, a margem de valor agregado (MVA) definida no decreto é de 105% sobre o valor para produtos produzidos no Paraná e chega a 140% para itens trazidos de outros estados. Em peças e equipamentos, a alíquota paranaense é de 87% e chega a 118% nos itens produzidos fora do estado. Já nas bicicletas montadas a margem é de 51% e 76%. O aumento no custo, é claro, acaba sendo repassado ao consumidor.

“O problema é o valor agregado que o governo acha que nós temos. Isso não existe, não cobramos essa margem. Cobramos um valor real do produto e pagamos imposto sobre um valor irreal, o que aumenta a carga tributária”, aponta o comerciante Reinaldo Hain, proprietário da Agência da Bicicleta.

Carga tributária sobre as bicicletas é de 70% no Brasil.

Carga tributária sobre as bicicletas é de 70% no Brasil.

Segundo ele, o reajuste no preço final chegou a 40% nas câmaras e pneus e em 25% na média para a maioria das peças e equipamentos. “O preço da mercadoria não subiu, o que subiu foi o imposto, mas temos que fazer esse reajuste. O consumidor, claro, percebe e começa a reclamar”, relata.

As alíquotas diferenciadas dão certo benefício às empresas instaladas no Paraná. Porém, o segmento é muito fraco no estado e praticamente tudo o que é vendido é importado ou trazido de outros estados. Segundo a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), existem no estado 29 indústrias ligadas a cadeia da bicicleta. Juntas, elas representam apenas 0,02% do faturamento da indústria de transformação no estado.

Mobilização

Lojistas que atuam no segmento de bicicletas criaram uma câmara temática na Associação Comercial do Paraná (ACP) na tentativa de reunir forças e pressionar o governo estadual a rever o aumento da carga tributária.

Paralelamente, a Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu (CicloIguaçu) solicitou uma agenda direta com o governador Beto Richa sobre a substituição tributária. O governador se comprometeu em receber os interessados para tratar do assunto “em breve”, sem, no entanto, definir uma data.

Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) não atendeu a reportagem para se posicionar sobre a questão. Além da cadeia da bicicleta, a substituição tributária também afeta os segmentos de combustíveis, cimento, pneus, sorvete, celular, água mineral, cerveja, refrigerante, eletrônicos, eletrodomésticos, cigarro, veículos, material de construção, tintas, filme fotográfico, ração para animais domésticos, colchoaria, cosméticos e perfumaria, autopeças, produtos farmacêuticos, baterias elétricas, lâmpadas, bebidas quentes, materiais elétricos e ferramentas.

Conheça os termos de uso do conteúdo do blog Ir e Vir de Bike

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.