i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Pereira Coutinho

Foto de perfil de João Pereira Coutinho
Ver perfil

Boris e Fidel

  • João Pereira CoutinhoPor João Pereira Coutinho
  • 17/12/2019 00:01
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, diante da residência oficial
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, diante da residência oficial após a vitória de seu partido nas eleições de dezembro de 2019.| Foto: Ben Stansall/AFP

1. Como vencer Donald Trump em 2020? A pergunta inquieta os espíritos progressistas, que vão perdendo a fé no processo de impeachment. Além disso, olhando para os candidatos à indicação democrata, o cenário é desolador (para dizer o mínimo). Será que a ciência pode ajudar?

Talvez. No New York Times, os cientistas políticos Christopher Ellis e James Stimson partilharam os resultados de uma experiência ideológica. Basicamente, criaram um candidato fictício – Scott Miller – e depois confrontaram os inquiridos com duas versões desse mesmo candidato.

Na versão mais moderada, o nosso Scott defendia posições economicamente progressistas (aumento do salário mínimo, seguro de saúde mais abrangente para a população etc.) e valores tipicamente “liberais” (justiça social, solidariedade, tolerância etc.). Na versão mais extremada, Scott Miller era ainda mais progressista em matéria econômica – mas, em termos de valores, defendia posições mais “conservadoras” (patriotismo, família, o sonho americano etc.). Moral da história? Um candidato democrata que seja progressista em economia e conservador em valores é aquele que tem mais sucesso junto dos eleitores. Mas onde está esse candidato?

A combinação de tradicionalismo com progressismo é a maior ameaça eleitoral que a esquerda contemporânea enfrenta

A minha resposta aos autores é simples: do outro lado do Atlântico. No Reino Unido, para sermos precisos, e com uma vitória fresca para mostrar. O nome é Boris Johnson e, nas análises sobre o bicho, tudo é resumido à questão do Brexit: ao batalhar por ele, Boris foi premiado pelos britânicos que já estavam cansados dessa interminável novela.

Existe uma parte de verdade nisso. Mas não é toda a verdade. Olhando para Boris e para o seu programa eleitoral, ele quase encarna as qualidades fundamentais do imaginário Scott Miller. Sim, os valores conservadores estão lá. Mas Boris também abandonou, pelo menos na retórica, os últimos resquícios neoliberais do Partido Conservador, prometendo um ponto final nas políticas de austeridade, maior atenção às classes trabalhadoras e um investimento generoso nos serviços públicos.

Não é de espantar que bastiões tradicionalmente trabalhistas no norte do país tenham comprado o “conservadorismo social” de Boris Johnson, decidindo a eleição a seu favor.
Saber se Boris vai cumprir o que promete, eis a dúvida que fica para o futuro. Mas, no presente, esta combinação de tradicionalismo com progressismo é a maior ameaça eleitoral que a esquerda contemporânea enfrenta.

2. Passei anos procurando o filme Cuba e o Cameraman. A literatura crítica era elogiosa e a minha curiosidade crescia com os aplausos. Felizmente, a Netflix escutou as minhas preces. É um documento soberbo – e documento é a palavra. Durante cinco décadas, o jornalista Jon Alpert foi visitando e filmando a ilha de Fidel, traçando a sua evolução pela vida do povo cubano.

No início, tudo é promessa – e Jon Alpert, ele próprio um idealista da revolução, vê em Cuba tudo aquilo que deseja para o seu estado de Nova York. Educação grátis, saúde para todos, habitação idem. O paraíso na Terra. É essa identificação ideológica que o leva a conhecer Fidel, a viajar com ele em 1979 para os Estados Unidos quando o ditador discursou na ONU e até a conhecer os seus hábitos mais cotidianos.

Fidel, por quem tenho simpatia nula, revela nas conversas e nos gestos um sentido de humor bastante atípico entre ditadores.

Em 1989, o Muro de Berlim cai e a União Soviética segue ladeira abaixo. E o paraíso cubano, que nunca verdadeiramente existiu, mostra as suas garras

Mas depois chega 1989. O Muro de Berlim cai. A União Soviética segue ladeira abaixo. E o paraíso, que nunca verdadeiramente existiu, mostra as suas garras. As prateleiras dos supermercados enchem-se de pó. As famílias amontoam-se em cubículos imundos. Os hospitais são açougues, com instrumentos médicos medievais e fármacos inexistentes. Só o mercado negro permite aos cubanos uma vida ligeiramente acima da sobrevivência. Aos cubanos que não conseguem fugir, entenda-se. Mais: quando o dinheiro soviético desaparece, o estado de natureza se instala. Fome, pilhagem, destruição – a natureza humana como ela é em plena selva. A tudo isso, os cubanos respondem com um estoicismo que chega a ser cômico – e o filme é, primeiro que tudo, uma homenagem a esse povo admirável.

Se existe algum defeito no documentário, ele só chega no final, quando Jon Alpert consegue uma última conversa com o nonagenário Fidel. Não sabemos do que falam, a câmera fica à porta. Mas a admiração que Jon Alpert ainda sente pelo “símbolo” da revolução é indisfarçável. Há doenças que não têm cura.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Admar Luiz

    ± 72 dias

    É, prezado João, esquerdista que se prese, não sabe de nada, não aprende nada. A história, os fatos, a verdade, nada disso interessa. Veja lá a admiração que o documentarista tem pelo ditador sanguinário Fidel , né? Pelo jeito essa "doença" que aprisionou, matou e empobreceu os cubanos ainda não foi erradicada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Reis

    ± 72 dias

    Meus parabéns pelo texto. Muito bem escrito e uma abordagem de leitura muito bem construído. A crítica acima de tudo, exacerba o excremento que é o mundo de utopia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]