i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Pereira Coutinho

Foto de perfil de João Pereira Coutinho
Ver perfil

O ódio racial nasce sempre da insegurança e da inferioridade

  • João Pereira CoutinhoPor João Pereira Coutinho
  • 11/08/2020 09:38
Cena do filme "Mississippi em Chamas"
Cena do filme “Mississippi em Chamas”, de Alan Parker: ressentimento e derrota| Foto: Divulgação

Na morte de Alan Parker, pressenti algum esnobismo no ar. O diretor não merece lugar no panteão do cinema?

Talvez não. Mas é preciso fazer uma distinção entre os grandes autores que deixaram obra consistente e aqueles, como Parker, que deixaram um grande filme capaz de justificar toda uma carreira.

Esse filme, esse verdadeiro milagre, aconteceu em 1988. O título é "Mississippi em Chamas".

Revi a obra depois da notícia da morte. Primeira conclusão: hoje, o filme seria impensável. O tema é atual, atualíssimo, talvez mais atual do que nunca –o racismo, sempre esse pecado original da república americana.

Mas os personagens centrais são dois brancos, dois policiais, que se revelam os heróis da história na luta contra a Ku Klux Klan.

Pior ainda: os dois são agentes do FBI. Em 1964, ano em que decorre a história do filme, o FBI era liderado por J. Edgar Hoover, um consumado racista e um inimigo declarado de Martin Luther King.

Como aceitar que a instituição liderada por Hoover tenha sido a guardiã da justiça naquele sul profundo e imundo onde a segregação fazia as suas vítimas?

E, no entanto, qualquer pessoa interessada em entender a natureza do racismo não pode esquecer esse filme.

Para ser mais preciso, não pode esquecer os dois policiais brancos que viajam até o Mississippi para descobrir o destino de três ativistas dos direitos civis que ali desapareceram ("desapareceram" é eufemismo; sabemos desde o início que foram mortos).

De um lado, temos o jovem Alan Ward (o ainda imberbe Willem Dafoe), um idealista de coração puro que deseja seguir os "procedimentos habituais".

Do outro lado, uma velha raposa: Rupert Anderson (magistral Gene Hackman), nascido e criado no sul, e que prefere seguir métodos menos ortodoxos.

Ele conta piadas (de mau gosto); ele aconselha Alan a não espantar demasiado os cavalos na investigação; ele nem sequer tem grande apreço pelos ativistas dos direitos civis que arriscam a vida para registrar eleitores negros. "Há pessoas que ainda lutam por uma causa", diz Alan, exasperado com o cinismo do parceiro. "E há pessoas que matam por uma", responde Rupert, impassível.

Alan segue os códigos; Rupert segue a experiência. E a experiência lhe diz duas coisas, aparentemente contraditórias.

Para começar, o racismo não é um mistério metafísico. Ele nasce do ressentimento. Um dos momentos mais brutais do filme acontece quando Rupert recorda o seu próprio pai, que envenenou o jumento do vizinho por não tolerar que um negro pudesse ter semelhante exibição de prosperidade.

O jovem Alan, confrontado com a história, dispara ao lado: "Isso serve como desculpa para os atos dele?".

Não, não serve, responde Rupert. Porque o ponto é outro: mostrar como o ódio racial nasce sempre de um sentimento de insegurança e até de inferioridade. O pai era "um velho cheio de ódio" que, incapaz de lidar com o seu próprio fracasso, procurava no outro, no diferente, no vizinho negro, o bode expiatório da sua própria ruína.

O racismo é a filosofia dos perdedores, dos fracos, dos fracassados. Mas Rupert também sabe que, por vezes, mesmo o mais fétido dos pântanos pode produzir uma centelha de consciência.

Essa consciência está presente em Mrs. Pell (Frances McDormand, em início de carreira). Ela também foi educada no ódio e, como a própria confessa, até casou com ele.

Mas esse veneno se torna irrespirável, sobretudo quando conhece Rupert, um produto do sul tal como ela. Rupert é a evidência de que, apesar das origens, é possível ter uma vida melhor, uma vida decente.

Como afirmara Alan, o teórico por excelência, o crime só seria desvendado "por dentro", quando as peças daquele sistema iníquo começassem a cair uma por uma.

O que Alan desconhecia é que o início dessa queda não seria provocado pelos "procedimentos habituais", mas pela empatia que Rupert estabelece com aquela mulher. É o princípio do fim.

"Mississippi em Chamas" é um documento visual poderoso sobre a violência dos supremacistas brancos sobre a população negra. Mas é também um retrato intemporal sobre a miséria moral e espiritual dos supremacistas brancos.

Sim, quando eles discursam contra os negros, contra os judeus, contra os latinos, as palavras soam vigorosas.

Alan Parker teve o mérito de nos mostrar o que existe por detrás dessa retórica: um mundo de fraqueza e barbárie que só orgulha quem não tem mais nada de que se orgulhar.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Felipe Martinelli

    ± 20 dias

    Parece que os racistas mudaram de lado, agora que queima tudo são o BLM.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Ricardo Amaral

      ± 20 dias

      É um filme tão poderoso que eu, cinéfilo contumaz, só assisto de tempos em tempos de tão exasperado que fico. E o artigo, como sempre, magistral.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Meg Litton

        ± 20 dias

        Perfeito!!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • T

          Thelma Bahia de Carvalho

          ± 20 dias

          Olá, João! Em que plataforma você assistiu a “Mississipi em Chamas”? Gostaria muito de rever o filme, mas não o encontro. Obrigada, Thelma

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.