O presidente norte-americano, Donald Trump.
O presidente norte-americano, Donald Trump.| Foto: Timothy A. Clary/AFP

Nas vésperas de Joe Biden tomar posse como 46.º presidente dos Estados Unidos, uma conversa conhecida voltou às primeiras páginas depois do assalto ao Capitólio: será Donald Trump um fascista?

Não vou perder tempo com a vulgar noção de “fascista”. Usado como mero insulto por militantes de esquerda, fascista é qualquer pessoa que não pensa como eles. Aliás, esse uso e abuso da palavra – essa banalização do mal, digamos – acabou por desgastá-la e desfigurá-la. De tal forma que fascismo já não provoca calafrios na espinha de muitos democratas. Se todo mundo é fascista, ninguém é fascista. Nem mesmo aqueles que mais se aproximam do rótulo. Eis como a história de Pedro e do lobo tem uma aplicação literal na discussão política do momento.

Por outro lado, sempre concordei com o historiador Emilio Gentile: a ideia de que o fascismo não foi derrotado em 1945 confere ao fenômeno uma natureza glamorosa e imortal que, perversamente, serve de propaganda para arregimentar novos fascistas. Mas será que, dessa vez, a besta renasceu mesmo?

Meias-vitórias, ou meias-derrotas, são uma espécie de veneno para as democracias – e um bálsamo para os ressentidos

Dois historiadores que são especialistas no assunto apresentaram argumentos contrários nos últimos dias. Richard Evans, biógrafo de Hitler, afirma na New Statesman que Trump não é um novo Hitler. Robert Paxton, que sempre recusou o título de fascista para Trump, mudou de ideia na Newsweek depois do Capitólio: aquele momento selvático pode ser a semente de um fascismo no horizonte, tal como aconteceu com a invasão falhada do parlamento francês pela extrema-direita em 1934. Quem tem razão?

Pessoalmente, ambos têm razão porque ambos se concentram no presente e no futuro, não nas expressões mais ou menos autoritárias do Donald no passado (que, concordo, não faziam dele um novo Hitler ou Mussolini). E, nesse quesito, saber se o trumpismo será um novo fascismo vai depender da forma como os republicanos, ou uma parte substancial deles, encararem a derrota a partir de agora. Vão aceitá-la ou negá-la até as últimas consequências?

As analogias históricas são relevantes e eu sempre me perguntei o que teria sido do mundo se a Alemanha tivesse sido destruída depois da Primeira Guerra Mundial. Materialmente destruída, entenda-se, como aconteceu na Segunda. Será que Hitler e os seus peões poderiam dizer, com cara séria, que a Alemanha até estava a vencer a guerra em 1918? Será que poderiam afirmar, nos seus encontros de cervejaria, que a pátria havia sido atraiçoada pelos “criminosos de novembro” (referência aos que assinaram o armistício de Compiègne)? Os alemães não experimentaram a destruição dentro de portas – e foi assim que a mentira encontrou solo fértil (e intacto) para prosperar.

Há aqui uma lição: meias-vitórias, ou meias-derrotas, são uma espécie de veneno para as democracias – e um bálsamo para os ressentidos. Razão pela qual o destino da democracia americana depende de uma derrota clara do trumpismo. Isso significa, em primeiro lugar, que o impeachment seja aprovado pelo Senado, com uma expressiva votação dos republicanos. Ninguém sabe se isso vai acontecer. É até duvidoso que aconteça.

Mas, se não acontecer, a história do conservadorismo também aqui oferece lições: a democracia só sobreviveu e floresceu quando os conservadores foram capazes de aplacar a fúria dos seus renegados. Para cada Joseph de Maistre, houve um Edmund Burke disposto a acomodar a modernidade. Para cada Bonald, houve um Disraeli aberto aos desafios da democracia. Para cada Pétain, houve um Churchill apostando em esmagar o fascismo. As vergonhas da família são tratadas em família.

Em segundo lugar, a derrota do trumpismo será maior se Joe Biden mostrar magnanimidade na hora da vitória. Que o mesmo é dizer: repelindo “listas negras” de republicanos que colaboraram com a administração Trump (há sempre essa tentação revanchista) e optando, antes, pelas causas estruturais que o tornaram possível. Entre elas, está a evidência de que uma parte da América não se beneficiou da globalização. Como aconteceu por todo o Ocidente, a inovação tecnológica, mais até do que a deslocalização de postos de trabalho para as economias emergentes, permitiu produzir mais com menos trabalhadores. Saber o que fazer a essa multidão sem eira nem beira, que existia antes de Trump e continuará existindo depois dele, será o verdadeiro teste do novo presidente.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
15 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]