Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O plano de um mundo dominado pelo Partido Comunista Chinês até 2049
| Foto: BigStock

Se você chegou aqui com apetite para uma deliciosa teoria da conspiração, infelizmente não tenho nada a oferecer. Não existe nenhum plano secreto e obscuro engendrado pela China para dominar o mundo, trata-se de um plano claro, pragmático, centrado em interesses econômicos e que se aproveita de oportunidades geradas pela pandemia de coronavírus. A análise não é minha, é da Deutsche Gesellschaft für Auswärtige Politik, Sociedade Alemã de Relações Exteriores, entidade fundada em 1945 e responsável pelas principais publicações na área no país. (O artigo completo, em inglês, está aqui.)

A história da humanidade é marcada por disputas sobre a liderança mundial e, nesse momento, devido a uma série de configurações políticas, mas sobretudo econômicas, o Partido Comunista Chinês acredita ter condições de avançar em um objetivo tradicional, a substituição das relações competitivas entre países por um modelo "harmonioso", desenhado e gerenciado pela China. Esse é uma política oficial, que tem nome: 中国特色大国外交理论 ou "Teoria da Diplomacia de Grande Potência com Características Chinesas".

A principal vantagem atual do Partido Comunista Chinês sobre os governos democráticos é o domínio que ele tem sobre as práticas de desinformação e propaganda, utilizadas para manipular mais de um bilhão de pessoas há décadas. Atualmente, essas técnicas são a maior força econômica mundial, motor das "Big Techs", as indústrias mais ricas da história da humanidade. Pela falta de experiência, governos democráticos sequer levam a sério algo que pode mudar a vida de toda a população.

Enquanto a comunicação dos governos democráticos tem a tradição de ser centrada em fatos e transparência, o Partido Comunista Chinês especializou-se em narrativas, sutilezas, versões e omissões estratégicas. Em abril, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, escreveu um artigo na revista ideológica Qiushi (Buscando a Verdade) com o seguinte título: " Tomando o pensamento de política externa de Xi Jinping como um guia - impulsione e construa a ‘Comunidade do Destino Humano’ por meio da Cooperação Global no Combate ao Vírus".

Muito provavelmente os inteligentinhos de plantão dos países democráticos não levarão nada disso a sério. A Teoria da Comunidade do Destino Humano, em chinês 人类命运共同体, foi apresentada publicamente em 2013 pelo próprio Xi Jinping, presidente da China e Secretário-Geral do Partido Comunista Chinês, num discurso público no Instituto de Relações Internacionais de Moscou. Trata-se da ideia de substituir a ordem mundial que se consagrou com a ONU e a Declaração Universal dos Direitos Humanos após 1945 por algo que seja mais benéfico para a China.

O plano tem três fases, a primeira até 2025, a segunda até 2035 e a final até 2049. Na primeira, a intenção é conseguir liderança em diversos setores econômicos, com destaque para o das novas informações, análise de dados e inteligência artificial. Caso a China consiga consolidar o que deseja, terá duas formas de pressão muito fortes sobre todas as democracias: econômica e do controle da opinião popular. Aqui, pouco importa o que as pessoas pensem sobre a China ou o Partido Comunista Chinês, a questão é economia. Os chineses já são investidores da "Big Techs" e conseguem manipular a opinião pública a favor dos interesses dos setores econômicos que querem dominar.

A partir do domínio efetivo nessas áreas, 2035 seria um marco para outros vôos, segundo o plano original, dito publicamente em discurso por Xi Jinping no Congresso do Partido Comunista Chinês de 2017: "Novos patamares ... em todas as dimensões do avanço material, político, cultural e ético, social e ecológico". Nesse mesmo discurso, o líder chinês previu que o país se tornaria capaz de vencer qualquer guerra, já que elas passariam a um novo patamar totalmente dependente de tecnologia, uma área já dominada pelo país tanto na produção quanto no uso eficiente.

Por que 2049? O marco está inclusive na Constituição da China, com o nome de "Rejuvenescimento Chinês", parte do "Sonho Chinês", marcando o centenário do Partido Comunista Chinês.
“O caminho do avanço político socialista com características chinesas é um requisito para manter a própria natureza do Partido e cumprir seu propósito fundamental”, explica Xi Jinping.

Anteontem, numa reunião que condecorou heróis do combate ao coronavírus, o presidente da China voltou a falar no conceito de "Rejuvenescimento Chinês". Pediu que o espírito de luta contra o vírus seja convertido em força para construir um socialismo moderno e finalmente chegar ao "Rejuvenescimento Chinês". As declarações foram registradas no site oficial do governo da China exatamente com as seguintes palavras:

"A batalha contra o COVID-19 também demonstrou o poder dos valores socialistas centrais e da refinada cultura tradicional chinesa, que fornecem grande motivação e ajudam a construir consenso e reunir recursos, disse Xi Jinping. Ele disse que o amplo apelo de construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade é o caminho certo para a humanidade superar os desafios comuns e construir um mundo mais próspero e melhor", diz o comunicado oficial sobre a reunião.

O Partido Comunista Chinês tem uma imensa vantagem sobre nós, ocidentais, em perseguir objetivos coletivos e compreender a moral alheia. Entendem que, para nós, ocidentais, os refúgios naturais contra um domínio socialista são liberdade de expressão e ideologias de direita. Por isso é tão importante dominar a coleta de dados pessoais e a Inteligência Artificial, para poder maquiar a realidade e simular esses conceitos em países ou empresas dominadas por capital chinês.

Vamos a um exemplo prático? Você acha que Polônia e Hungria, tidas como extrema-direita na mídia, são aliadas ou inimigas da China? Polônia é inimiga e Hungria é aliada. Para nós, ocidentais, o debate ideológico é franco, aberto, realmente acreditamos naqueles conceitos. O Partido Comunista Chinês é mais pragmático: interessa ganhar, não ter razão. Enquanto nos focamos no discurso e no que parece ser, o projeto chinês é todo centrado em ação - até porque tem prazo e metas claras.

O professor Yan Xuetong, um dos maiores especialistas em Relações Internacionais do mundo, decano da Universidade de Tsinghua, defende há muitos anos que a única chance da China de sobrepor o domínio dos Estados Unidos é dividir as opiniões na Europa e rachar o bloco da União Europeia. Isso não é segredo, está no livro dele, publicado em 2013, "A Inércia da História: O Mundo e a China em 2023". "Nos próximos 10 anos, os desacordos internos na União Europeia aumentarão e sua capacidade de falar com uma voz unificada sobre assuntos externos assumirá uma tendência de queda, então será impossível para a UE implementar uma política consistente com relação à China", previu em 2013 o intelectual Chinês.

Ele defende que o país passe a fazer o máximo possível de acordos e relações bilaterais com países europeus para evitar que a Europa, em bloco, se posicione a favor dos Estados Unidos e dos valores defendidos por essa liderança, como competitividade e democracia. A abordagem deveria ser dividida em três grupos específicios: Amigos, Inimigos e IniAmigos.

Amigos seriam aqueles capazes de impedir votos anti-China na União Europeia, como Grécia, Espanha, Sérvia e Hungria, além de outros países do sul e sudoeste da Europa, que tenham relações estratégicas, cooperativas ou de amizade.

Inimigos são aqueles que devem ser apontados como tendo um "preconceito" com relação à China. São países como Suécia, Noruega, Polônia e praticamente toda a parte norte da Europa. O tratamento sugerido é acirrar a polarização na opinião pública mas declarar oficialmente que a China não tem nada contra esses países. Para não serem engolidos pela polarização, seriam forçados a não agir contra as políticas chinesas.

IniAmigos são os países que até querem colocar um pé na porta da China para proteger suas liberdades, mas têm interesses econômicos tão fortes que preferem não ter de fazer isso, como França, Alemanha e Reino Unido. A orientação é a aproximação bilateral com interesses econômicos para que não se oponham à China.

O trabalho do DGAP traz 10 sugestões para que a Europa promova segurança democrática, tendo em vista que o governo chinês está utilizando todas as oportunidades possíveis para avançar economicamente e em influência durante a pandemia. A principal lembrança é que os Europeus levam regras e tratados muito a sério enquanto a China simplesmente testa limites, como fez em Hong Kong recentemente. Deixo aqui as sugestões, que creio serem boa reflexão para nós:

1. Fortalecer a resiliência democrática - O modelo é a Agência Sueca de Defesa Psicológica, destinada a identificar, combater e informar os cidadãos sobre processos de coleta de dados, rastreamento, manipulação psicológica e desinformação.

2. Auditar cadeias de fornecimento - Verificar em que indústrias os países se tornaram absolutamente dependentes da China e avaliar a necessidade de reverter.

3. Limitar oportunidades de desinformação - Fazer um pente fino da presença e influência chinesas sobre as empresas de tecnologia presentes na Europa e seu poder de promover desinformação, à semelhança do que já foi feito com a Rússia recentemente.

4. Diversificar cadeias de fornecimento - Os governos devem dar suporte aos empresários para encontrar alternativas de fornecedores fora da China nos setores onde o domínio é crítico.

5. Construir alianças confiáveis - Expandir relações comerciais com países que tenham valores democráticos e de liberdade individual.

6. Pente fino nos investimentos estrangeiros - Detectar e impedir investimentos estrangeiros que ameacem a soberania dos países europeus.

7. Rotular fontes de propaganda - Acompanhar as medidas já tomadas pelo governo dos Estados Unidos com relação a diversas agências de notícias do Partido Comunista Chinês que desinformaram durante a pandemia, transmitindo até confissões resultantes de tortura. Em vez de "imprensa", passariam a ser "missões estrangeiras".

8. Investigar a atividade da "Frente Unida" 统一战线 - À semelhança dos Estados Unidos e Austrália, criar regras para restringir a atuação do grupo que utiliza subterfúgios para internacionalizar, na sociedade civil, interesses do Partido Comunista Chinês.

9. Proibir tecnologia chinesa - Recentemente, as Forças Armadas da Alemanha baniram o uso do Tik Tok entre todos os seus membros. Decisão semelhante deve ser tomada com toda tecnologia que tenha instrumento de vigilância no âmbito dos servidores públicos e pessoas ligadas a governos.

10. Levar a segurança digital a sério - Enquanto Europa e Estados Unidos vêem a internet e suas regras como garantia dos próprios cidadãos, a China expande para diversos países sua tecnologia e suas regras de coleta e controle de dados. É preciso organização para dar suporte tecnológico com valores democráticos a países em desenvolvimento, sobretudo na África.

Não há democracia e liberdade sem proteção e segurança. "Pessoas nas nações democráticas precisam entrender que a democracia requer segurança ou proteção e não vai necessariamente triunfar - ou nem mesmo sobreviver - simplesmente pela virtude de ser um sistema mais humano", diz a análise do DGAP. Antigamente, poder militar era suficiente para defender um país, hoje não mais.

A tecnologia nos trouxe duas novas lutas. A primeira é a complexidade do sistema financeiro internacional, que pode deixar um país totalmente de joelhos diante de um tirano aos poucos, com investimentos estratégicos. A outra é a desinformação, que ninguém leva tão a sério quanto deveria no mundo democrático, mas é mais eficiente que a força bruta nas mãos dos tiranos. A prisão mais segura é a ilusão da liberdade.

45 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]