i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Missão China

Foto de perfil de Missão China
Ver perfil

A nova China explicada a partir da China. Por Felipe Zmoginski

Cenário pós-pandemia

China comprova: após pandemia, sobreviver sem digital será impossível

  • Por Felipe Zmoginski
  • [01/07/2020] [08:00]
Carro da empresa JD faz entrega autônoma em Pequim: consumidor não abrirá mão de comodidades.
Carro da empresa JD faz entrega autônoma em Pequim: consumidor não abrirá mão de comodidades.| Foto: Divulgação

Apesar das muitas teorias sobre como será a vida no “novo normal”, até o momento a experiência chinesa é a única realizada em uma grande economia no mundo, em que a população vive há mais de dois meses o período “pós-quarentena”, com o retorno das crianças às aulas, reabertura de shoppings, restaurantes e espaços para eventos.

Um estudo conduzido pela consultoria Inovasia na China analisou o comportamento dos consumidores locais ao longo dos meses de abril e maio, período em que o país retomou suas atividades econômicas. A retomada veio depois de 60 dias de quarentena, em fevereiro e março.

O estudo confirmou, por exemplo, a expectativa de muitos analistas de que o pós-pandemia registrará alta excepcional no consumo em função das “demandas reprimidas” e do “comportamento de indulgência”. 

Lojas de luxo em Beijing e Xangai, registraram vendas recordes nos primeiros dias pós-reabertura. Planos de longo prazo, no entanto, foram suspensos. Mais de 60% dos contratos de financiamento imobiliário no país foram cancelados ou renegociados no período, mostrando que, mesmo após o final da crise, o temor com o futuro limita a definição de projetos de longo prazo.

Mesmo com o retorno à normalidade e após muitas semanas sem um único novo caso de infecção nas cidades chinesas - com exceção de Beijing, que viveu um surto no bairro em torno do mercado de Xifang - comportamentos adquiridos na quarentena foram mantidos, como a aversão a pagamentos com dinheiro em espécie ou qualquer meio que exija contato físico com máquinas e botões e o uso intensivo de serviços de delivery.

Até mesmo “late adopters”, usuários que só aderiram aos apps de compra e entregas em momentos de lockdown, agora não desejam abrir mão desta comodidade. Mais de 60% destes usuários disseram que seguiram comprando por apps, agora que viram que eles “funcionam de verdade”.

O documento, conduzido por especialistas na China e redigido no Brasil, elencou as 10 mudanças principais que afetarão o funcionamento do e-commerce, as empresas de logística, o mercado de saúde, alimentação e de notícias, por exemplo, já que a crise sanitária despertou maior consciência sobre os efeitos negativos da circulação de fake news.

Os depoimentos e pesquisas apresentados mostram que os consumidores não abrirão mais mão de serviços de entrega (delivery) e vão preferir comércios que ofereçam opções de consumo “contactless”, o que vale desde a oferta de um meio de pagamento que não demande digitar senha em um dispositivo compartilhado até pagar as compras em caixas automáticos, sem interação.

Apesar das diferenças geográficas, culturais e de maturidade tecnológica entre a China e diversos países do Ocidente, várias das tendências registradas no país asiático, que saiu antes da crise, servem de insights para decisões estratégicas de gestores e líderes em países como o Brasil, em que mudanças de comportamento de consumo serão inevitáveis no pós-pandemia.

O sentimento geral captado pelo relatório confirma a percepção de que a pandemia “acelerou” a transformação digital de muitas empresas e, mesmo quando o isolamento social for superado, por exemplo, por meio de uma vacina eficaz, os hábitos agora adquiridos continuarão. Pode ser um lugar comum (e, efetivamente, é), mas sobreviver sem investimentos em plataformas digitais será missão impossível para quaisquer setores de nossa economia. Para o bem ou para o mal, este é um legado inevitável da pandemia. O estudo completo pode ser baixado gratuitamente.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • O

    Oliveira

    ± 35 dias

    Não dá pra entender a Gazeta publicando esse cara. Eu leio a chamada da coluna dele, depois rolo só mais um pouquinho a página do site e vejo 2 ou 3 manchetes falando sobre a perda de autonomia de Hong Kong com a nova Lei de Segurança Nacional. Isso beira a esquizofrenia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 35 dias

    Meu querido colunista, aqui, no pós pandemia, vai demorar, não haverá nenhuma corrida para compra dos tais artigos de luxo, de marcas caréssimas, simplesmente porque a renda média no Brasil é , ainda, de terceiro mundo. Haverá sim corrida para comprar salsicha, leite tipo B de caixinha, bujão de gás e outros símbolos de ostentação do pujante capitalismo tupiniquim. O resto é sonho de quem puxou uma carreirinha

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    gilson r c de oliveira

    ± 35 dias

    Em vez de "ex-head" ele deveria colocar "ex mas ainda apaixonado pela CHINA". O país é uma ditadura governada como mão de ferro pelo Partido comunista e mesmo assim o cara fica babando e aplaudindo qualquer medida (verdadeira ou não)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Teixeira Pires

    ± 35 dias

    Tenho sérias restrições a pesquisas e informações vindas da China. A única certeza é a de que não sabemos exatamente o que se passa por lá, dado o regime comunista vigente. Além da dúvida quanto aos resultados, chegar a considerar a possibilidade destes resultados se reproduzirem em outros países e contextos, me parece pouco crível. Quanto à pandemia, sabe-se sim que se originou na China. Caberia à esse país algo a mais do que vem fazendo para minimizar o terrível impacto causado em quase todo o mundo pela COVID-19, cujos efeitos ainda se farão sentir por alguns anos, infelizmente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.