i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Notas Báquicas

Foto de perfil de Notas Báquicas
Ver perfil

Viaje pelo encantador mundo dos vinhos.

Borbulhas

Saiba como identificar um bom champagne ou espumante

  • Guilherme RodriguesPor Guilherme Rodrigues
  • 26/10/2020 17:12
champagne-espumante
Champagne e espumantes são tema de curso da Aliança Francesa.| Foto: Laura4075/Pixabay

“Venham, corram: estou a beber estrelas!” Inspiradíssima exclamação, atribuída ao famoso monge beneditino Dom Pérignon, o pai do champagne, cerca de 350 anos atrás. Revela com toda plenitude a magia desta fascinante bebida, como que estrelas engarrafadas, com o céu ao alcance da mão – ou do copo. A espuma lembra as nuvens fugazes, enquanto as borbulhas são a imagem do brilho dos astros. Mas não fica na aparência. Ao beber, entra pelos sentidos a sensação do firmamento cintilante, com estímulos de vivacidade, energia, frescor, movimento, encanto e beleza.

O champagne e os bons espumantes são os vinhos certos para os momentos de triunfo, celebração e elevação do espírito. Mas não só. Com tantos atributos, ficam ao nosso lado em qualquer momento da vida, como na famosa sabedoria de Mme. Lily Bollinger: “Bebo champagne quando estou alegre e quando estou triste. Bebo quando estou só. Quando tenho companhia, considero obrigatório. Beberico quando não estou com fome e bebo quando estou faminta. Jamais toco no champagne – a menos que esteja com sede.”

A grande técnica para colocar o céu na garrafa começa com a elaboração do vinho inicial, dito de base, que não é espumante. Em seguida, é engarrafado juntamente com um licor, causador de uma segunda fermentação, agora em garrafa, que aporta borbulhas e pressão, enaltecendo o vinho-base. As garrafas repousarão em adega, sendo paulatinamente giradas e apontadas de cabeça para baixo (remmuage). Durante esse tempo, o vinho afina e recebe o aporte das borras que se precipitaram.

Ao final, a garrafa estará de ponta-cabeça, borras junto à tampa. A extremidade é a seguir congelada e a tampa sacada. A pressão expele o pequeno bloco de gelo, que leva junto os sedimentos. Completa-se o volume perdido com o licor de expedição, formado com vinhos selecionados de reserva, segredo de cada casa, e o espumante está pronto. Esse é o método chamado clássico, tradicional ou “champenoise” – obrigatório na região da Champagne e para espumantes mais refinados. Há também o método charmat, quando a segunda fermentação é obtida em grandes recipientes, que também produz belos espumantes.

No Brasil, os espumantes são os melhores vinhos que saem de nossa terra. Vale a pena explorar esse universo. Um brinde aos leitores e muito sucesso à Pinó, que se inicia.

Dicas

Alguns espumantes famosos: Champagne e os Crémants da Alsácia, da Borgonha ou do Loire (França), Cava (Espanha), Franciacorta e Prosecco (Itália), Espumante da Bairrada (Portugal), Sekt (Alemanha), Sparkling wines (países de língua inglesa e outros), espumante do Brasil.
Borbulhas: nos melhores espumantes são finas e persistentes. Dependendo do copo ou outros fatores, podem não aparecer muito ao visual. Não tem problema. O que vale é a sensação em boca, que deve ser fina e cristalina. Sobretudo a mousse, espuma que se forma em boca, deve ser cremosa, cheia, evanescente, viva, fina e persistente.
Rolha e guarda: rolha que expande após retirada, revela espumante engarrafado há pouco tempo. Quando sai apertada e fina, bebida engarrafada há mais tempo. Espumantes podem ser longevos, mas a maioria é melhor apreciado nos primeiros cerca de seis anos de vida.
Abrir sem explodir: ao abrir, tenha a garrafa inclinada a cerca de 45°. A pressão sai por cima e evita a explosão de espuma, perda do líquido e das borbulhas. Evite sacudir a garrafa, pois faz perder grande parte das borbulhas.
Temperatura: sempre refrescado, nunca gelado. Entre 6°C e 14°C. Menos frio para os grandes espumantes e os mais secos. Mais fresco para os mais casuais e os mais adocicados. Um grande champagne com idade vai bem entre 12°C e 14°C. Um bom espumante moscatel brasileiro, por volta dos 6°C a 8°C. Um espumante seco (brut) normal, entre 8°C e 10°C.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.