i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Hora de gastar

A pandemia nos ensina que nem todo gasto público é antiliberal

  • Por Pedro Menezes
  • 24/03/2020 19:59
Chanceler alemã Angela Merke promete combater a covid-19 com a maior expansão de gastos públicos do país desde a Segunda Guerra Mundial.
Chanceler alemã Angela Merke promete combater a covid-19 com a maior expansão de gastos públicos do país desde a Segunda Guerra Mundial.| Foto: Michael Kappeler/ AFP

Rodrigo Constantino, colega de Gazeta do Povo, tem mais convergências do que divergências comigo quando o assunto é economia. O rótulo que preferimos para descrever nossa visão política é o mesmo: somos liberais. Isto não significa que concordamos em tudo. O liberalismo é repleto de tribos e divisões internas. Nas grandes questões históricas, os liberais costumam se dividir.

Um episódio famoso, que ilustra essas cisões, ocorreu numa reunião da Sociedade Mont Pèlerin: enquanto conversava com Milton Friedman e F. A. Hayek, o economista Ludwig von Mises levantou-se revoltado e gritou: “vocês são um bando de socialistas!”. Evidentemente, Friedman e Hayek nunca foram socialistas. Nos olhos de um camarada mais radical, como Mises, este era o retrato que aparecia.

Constantino trata como falsos liberais aqueles que defendem uma forte expansão de gastos públicos para combater a pandemia. “Eu era do tempo em que liberal condenava o New Deal do Roosevelt”, tuítou, referindo-se ao plano de Franklin Delano Roosevelt para combater a crise de 1929.

Milton Friedman – o economista liberal mais influente da história dos EUA, profundo estudioso da Grande Depressão americana – não se encaixa na definição de liberalismo proposta por Rodrigo Constantino. É verdade que Friedman discordava de aspectos regulatórios do New Deal, como controles de preços e salários. Foram políticas desastrosas que atrapalharam o crescimento da economia americana por décadas. Mas o Chicago Boss também apoiava outra parte do New Deal, voltada a aliviar o desemprego e promover a recuperação da economia.

“Aliviar a situação dos desempregados, prover emprego a eles, estimular o crescimento da economia e uma política monetária expansionista... Estas foram as partes do New Deal que eu apoiei.”, disse Friedman em entrevista à PBS.

O entrevistador, sabendo que dialogava com o economista liberal que identificou as principais falhas da teoria keynesiana, perguntou por que Friedman apoiava aquelas políticas. E a resposta nos ensina muito sobre o que fazer nos dias atuais:

“Porque foi uma circunstância excepcional. Nós estávamos numa situação muito difícil, sem precedentes na história americana. Milhões de pessoas ficaram sem trabalho. Algo precisava ser feito; era intolerável. Naquele período, ao contrário do que costuma acontecer, o curto prazo era dominante [em relação ao longo prazo].”

Neste momento sensível da história, é importante aprender com as lições de Milton Friedman sobre o que ocorreu 90 anos atrás. Afinal, estamos passando por outra circunstância excepcional, sem precedentes na história. Com a pandemia, milhões ficaram sem trabalho. Algo precisa ser feito; é intolerável. Nas atuais circunstâncias, ao contrário do que costuma acontecer, o curto prazo é dominante.

A ação estatal faz sentido neste momento, inclusive numa perspectiva liberal

Numa perspectiva liberal, a ação estatal é ainda mais justificável agora, durante o combate à pandemia. A produção industrial americana caiu pela metade nos primeiros três anos da Grande Depressão. Em 2020, a produção industrial deve desabar de um trimestre para o outro, repentinamente.

A Grande Depressão americana não foi intencional. Agora, por outro lado, o Estado está causando uma recessão propositalmente. A esmagadora maioria dos economistas e epidemiologistas acredita que o melhor a fazer é aguentar uma crise para evitar milhões de mortes.

Não entro no debate epidemiológico, pois não é a minha área. Não sei por quanto tempo a economia precisa parar ou qual a melhor forma de salvar vidas neste momento. Minha posição aqui é simples e objetiva: ao contrário de Constantino, acredito que uma expansão dos gastos públicos é necessária, inclusive para quem – como nós – acredita que a política econômica deve se guiar por princípios liberais.

Há dois motivos principais que justificam a minha posição.

Motivo nº 1: numa pandemia, déficits maiores podem aumentar o investimento privado

Primeiramente, gastos públicos podem evitar a paralisação da economia. Em muitos casos, aumentar o déficit público prejudica o investimento privado, num fenômeno conhecido pelos economistas como “crowding-out”. No combate à pandemia, o oposto acontece.

A Coreia do Sul, por exemplo, está gastando massivamente em testes de covid-19 para evitar que a economia do país pare. Assim, é possível monitorar infectados e manter o comércio aberto, produzindo riqueza. A despesa estatal impede que o vírus intervenha no setor privado. A saúde pública pode ajudar na operação do capitalismo.

O mesmo raciocínio vale para a produção de respiradores, expansão dos leitos de tratamento intensivo e outros equipamentos de saúde pública. Quanto maior for a capacidade de tratar os infectados, menor a necessidade de paralisação do setor privado.

Caso um sul-coreano queira saber se está infectado, ele vai a um estacionamento, coleta uma amostra de saliva e, em poucas horas, recebe um SMS com o resultado do exame. É o Estado quem banca toda a operação, sem que o cidadão tire nada do bolso no momento inicial.

É claro que o cidadão acaba pagando ao fim das contas. Afinal, a produção privada sustenta o Estado através de impostos. Por outro lado, toda a sociedade se beneficia da aparente gratuidade. Se aqueles com suspeita de infecção ignorassem o exame para gastar menos, os não-infectados teriam que ficar em casa, sem trabalhar. Vivemos em comunidade.

Motivo nº 2: mesmo para os liberais, o Estado existe para situações como a atual


E aí entra o segundo motivo pelo qual defendo uma expansão dos gastos públicos para combater a pandemia: os liberais historicamente justificam a existência do Estado através de momentos como este, nos quais toda a sociedade se beneficia com a existência de um ente responsável pela coordenação de esforços coletivos.

Quem deve arcar com os custos da pandemia? Nenhum agente econômico do setor privado é culpado pelo que está acontecendo. Trabalhadores temem pelos seus empregos e empresários podem ver os sonhos de uma vida destroçados pela mutação de um vírus, um evento aleatório.

Neste momento, a única forma de minimizar o impacto econômico da pandemia é através do crédito, que nos permite receber hoje recursos que serão pagos amanhã. Num cenário de risco generalizado como o atual, o setor privado é incapaz de prover o crédito necessário para aliviar a situação de trabalhadores e empresários. Restam os bancos públicos e a dívida pública. O Estado nos permite diluir o custo e alongar o financiamento do combate à covid-19.

Apesar de cético com relação à intervenção estatal, não sou libertário ou anarquista. É essencial que os trabalhadores e empresários recebam alguma ajuda para atravessar a tempestade, financiando os gastos de curto prazo com o que será produzido a longo prazo. Lembram do que Friedman disse sobre a Grande Depressão? Em alguns casos raros, é justo que o curto prazo seja priorizado.

A austeridade continua sendo importante

Num cenário em que mais gastos públicos são razoáveis, naturalmente já aparecem suspeitos habituais advogando pela volta da irresponsabilidade fiscal. O fim do teto de gastos está na pauta de muita gente. Até por isto, é importante lembrar que não existe almoço grátis. Após a pandemia, infelizmente, passaremos alguns anos pagando impostos para compensar os gastos de 2020. É uma opção melhor do que a falência generalizada, que dificultaria ainda mais a retomada da economia depois que a pandemia passar.

A conjuntura atual nos ensina, inclusive, sobre a importância da austeridade e dos ajustes fiscais. Rodrigo Constantino critica o plano fiscal de Angela Merkel, que promete combater a covid-19 com a maior expansão de gastos públicos desde a Segunda Guerra Mundial. Prefiro exaltar a austeridade de Merkel, tão criticada pela esquerda nos últimos anos. Na década passada, a Alemanha reduziu sua dívida pública em mais de 20 pontos percentuais do PIB. O ajuste fiscal nos bons momentos permite que, durante uma pandemia, o Estado cumpra seu papel.

O Brasil, por outro lado, passou a década passada gastando o que não tinha. Nossa dívida pública cresceu quase 30 pontos percentuais do PIB nos últimos 10 anos. Como resultado, temos menor poder de fogo contra a covid-19. Este não é um bom ano para praticar a austeridade, mas é o momento ideal para entendermos a importância dela.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 91 dias

    Está pandemia foi a grande oportunidade que a esquerda aguardava para derrubar a tentativa de modernização do Brasil. E infelizmente a imprensa está contribuindo . E o presidente Bolsonaro respondeu com irritação a uma provocação que ele deveria ter respondido de forma mais adequada, sem provocar maiores atritos. Assim perdemos a oportunidade de um Brasil mais eficiente. Mesmo com a melhor equipe de ministros que o país já teve . Acabou nossa esperança de um país moderno. E o colunista comprova pela sua opção que perdemos a oportunidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Beto

    ± 92 dias

    Não sei se é pessimismo ou há sentido em minha preocupação. Vivemos no fio de uma navalha. O COVID - 19, colocou de cócoras o mundo dos homens.O pior, os cérebros dos cientistas estão cobertos, por enquanto, por uma massa cinzenta. A impressão que só vemos chutes a gol ,sem convicção. Chutes a esmos. O gol está fechado. A aflição faz o tempo passar numa velocidade que perdemos a noção do presente.Minutos parecem hora.Semanas, meses. Desejamos logo, uma vacina, remédios para combater a doença. Estamos em prisão domiciliar, com vantagem da ordem de usar tornozeleira eletrônica. Quando será que veremos a aurora chegar? E o after day?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Amaral

    ± 93 dias

    Em minha modestíssima opinião, o maior problema dessa epidemia é o avanço da intervenção estatal na vida do cidadão. Todo liberal sabe disso, e mesmo pessoas que não sejam, mas tenham juízo, sabem que onde o estado brasileiro entra, não sai mais, E do jeito que as pessoas compraram a ideia do isolamento, tratando como inimigo da pátria qualquer um que discorde, o coronavírus não está ceifando só preciosas vidas;Ceifou a última grande oportunidade de reduzir o estado brasileiro a um tamanho que não esfole o cidadão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 94 dias

    O único liberal que tem meu respeito (lembrando que sou um conservador e no ponto ético não concordo com muita coisa) é Paulo Kogos....O cara é liberal raiz, tem Síndrome de Asperger e uma lógica impressionante.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 94 dias

    Liberal que defende fechamento da economia compulsória, não é liberal é um babaka metido a besta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Josphin

    ± 94 dias

    Um dos poucos textos coerentes de um jornalismo brasileiro esquerdopata que não se importa em colocar fogo no Brasil contanto que tirem o Bolsonaro do poder. Começo a achar que brasileiro gosta de viver na *****. Quando aparece alguém tentando colocar ordem esse alguém é detonado pela mídia, congresso, stf e o escambau. Povo com mentalidade comunista acaba mesmo se ferrando enquanto não crescer e parar de se vitimaizar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    Oliveira

    ± 94 dias

    Será q o setor privado não tem crédito suficiente pra enfrentar a crise pelo simples fato de q não dá pra competir com juros estipulados na canetada? Juros estes q em alguns países são negativos, inclusive.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre

    ± 94 dias

    Parabéns pela análise. Nas atuais circunstâncias, agir para resolver o curto prazo também é pensar no longo prazo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    eneida

    ± 94 dias

    Parece coerente

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando Cavalcante

    ± 94 dias

    Texto bost@.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.