Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Homem olhando para tela que aponta cerscimento.
O planejamento é muito importante para melhorar o negócio.| Foto: Frank Busch/Unsplash

Uma pergunta frequente que recebo de empreendedores é sobre o melhor momento para levantar capital para os seus negócios. No Brasil, em particular, onde o acesso a capital não é tão abundante como em mercados de tecnologia mais desenvolvidos, o planejamento é ainda mais importante e pode significar a sobrevivência do negócio.

O desafio dos fundadores é equilibrar a necessidade de recursos no curto prazo para acelerar (e em muitos casos viabilizar) o crescimento da operação, evitando uma venda significativa de participação na companhia, quando ela ainda não capturou todo o seu valor potencial.  Há vários casos de empresas de sucesso em que o empreendedor acabou não colhendo os frutos dessa valorização devido à diluição muito grande da sua participação.

Do ponto de vista financeiro, o conselho mais comum é sempre o de postergar ao máximo a diluição da participação acionária para permitir que a empresa possa crescer e obter uma avaliação mais alta no futuro. Apesar de matematicamente correto, esse raciocínio não leva em consideração potenciais impactos positivos que um investimento possa trazer, tais como:

Necessidade de liquidez

Muitas vezes postergar não é uma opção. Startups com grande frequência têm necessidade de capital para financiar o investimento em tecnologia, conquistar clientes, atrair talentos e executar o plano de negócio. Neste caso, postergar pode significar ter 100% de uma empresa que vale R$0.

Timing de mercado

No setor de tecnologia, frequentemente a velocidade de implementação de uma inovação é tão importante quanto a inovação em si. A capacidade de “ocupar” um potencial segmento e tornar-se referência pode abrir novas avenidas de crescimento e de valorização. Um exemplo clássico são os aplicativos de comunicação (como o WhatsApp).

Quando uma empresa consegue uma larga penetração de seu produto, ela passa a ser referência e com isso mais pessoas passam a usá-lo, mesmo que a solução tecnológica ainda possa ser aprimorada. Neste caso, crescimento exponencial e penetração são fundamentais para o sucesso de longo prazo da empresa, e uma diluição maior pode ser compensada pela valorização do negócio.

Credibilidade

Uma das dificuldades enfrentadas por startups é conquistar a confiança dos seus clientes na sua capacidade de entregar oferta de valor. A entrada de um novo sócio, trazendo também liquidez adicional, pode ser a diferença para que o cliente finalmente compre os produtos/serviços, principalmente naqueles casos em que haja necessidade de manutenção da solução por um longo tempo (ex: softwares e plataformas de serviços).

Expertise

Além de recursos financeiros, investidores de tecnologia podem contribuir com sua expertise no segmento específico da startup, com sua rede de relacionamentos para abrir portas de potenciais parceiros/clientes, na atração de talentos, e com experiência em gerenciar empresas com alto crescimento - que requerem capacidades gerenciais bem diferentes das empresas tradicionais.

Assumindo que a empresa não precise de recursos para sobreviver, o empreendedor deve avaliar o impacto da diluição frente à geração de valor que pode ser criada com o capital adicional. É um modelo similar à uma análise de retorno de investimento, onde o empreendedor “investe” uma parte da empresa e recebe no futuro uma valorização adicional na sua participação, sempre em comparação ao valor que ele teria sem esse capital adicional.

Apesar de não ser preciso, esse conceito permite estimar os benefícios trazidos pelo novo capital (incluindo os citados acima), e compará-los ao risco adicional de execução que uma rodada de investimentos possa trazer. Se o valor adicional gerado for muito maior do que o risco percebido de execução, este é um bom indicador de que faz sentido levantar o capital.

Além da análise de retorno, o fundador deve ter cuidado na implementação da estratégia de captação. Mesmo que o plano inclua um grande aporte para acelerar o crescimento, o empreendedor deve sempre ter a disciplina de levantar o mínimo necessário para um curto período de tempo (em geral de 18 a 24 meses). Ao fazer isso, ele consegue capturar os efeitos dos investimentos iniciais, diminuindo o impacto da diluição. A estratégia de fasear a entrada de novo(s) sócios(s) também reduz o risco de execução, o que geralmente se reflete em regras de governança mais flexíveis, tão necessárias para empresas em fase de crescimento exponencial.

Por último, é fundamental que os empreendedores tenham em mente que levantar dinheiro não é a métrica definitiva de sucesso. Empresas que captam volumes relevantes de capital no início de suas vidas nem sempre são as vencedoras. Como comentei, investidores ajudam a trazer credibilidade e capital, mas para as empresas de sucesso, a “validação” sempre vem dos clientes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]