PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Agricultura
  3. Soja
  4. Plantio de soja está proibido no Paraná
sem exceção

Plantio de soja está proibido no Paraná

Proibição faz parte do vazio sanitário, medida adotada no Brasil e no Paraguai para impedir a proliferação da ferrugem asiática

André Rodrigues/Gazeta do Povo O vazio sanitário soja é uma das principais estratégias para o controle da ferrugem-asiática , a pior doença que ataca a soja. | André Rodrigues/Gazeta do Povo

O vazio sanitário soja é uma das principais estratégias para o controle da ferrugem-asiática , a pior doença que ataca a soja.

Começa nesta quinta-feira (15) o vazio sanitário da soja no Paraná e em mais quatro estados brasileiros: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia. Com isso, está proibido plantar ou manter vivos pés de soja nestas regiões até o dia 15 de setembro.

No Brasil, 11 estados e o Distrito Federal adotam essa medida, estabelecida por meio de normativas estaduais e com diferentes calendários, conforme as épocas de semeadura. O Paraguai também estabeleceu o período de vazio sanitário.

De acordo com a pesquisadora Claudine Seixas, da Embrapa Soja, o objetivo do vazio sanitário é reduzir a sobrevivência do fungo causador da ferrugem-asiática durante a entressafra e assim atrasar a ocorrência da doença. “O vazio sanitário soja é uma das principais estratégias para o manejo da ferrugem-asiática , que é a mais severa doença da cultura da soja”, diz Claudine.

A pesquisadora explica que o fungo que causa a ferrugem-asiática é biotrófico, ou seja, precisa de hospedeiro vivo para se desenvolver e multiplicar. “Ao eliminarmos as plantas de soja na entressafra ‘quebramos’ o ciclo do fungo, reduzindo assim a quantidade de esporos presentes no ambiente”, diz Claudine.

Ferrugem da soja

A ferrugem asiática da soja foi identificada pela primeira vez no Brasil em 2001, sendo que, hoje, possui um custo médio de US$ 2 bilhões por safra. Apesar da contribuição dos fungicidas, uma redução da eficiência desses produtos vem sendo observada desde a safra 2007/08 em função da adaptação do fungo.

Segundo os pesquisadores da Embrapa, os fungicidas utilizados no controle da ferrugem pertencem a três grupos distintos: os Inibidores de desmetilação (IDM, “triazóis”), os Inibidores da Quinona externa (IQe, “estrobilurinas”) e os Inibidores da Succinato Desidrogenase (ISDH, “carboxamidas”).

Ao ser identificada no Brasil, em 2001, a ferrugem-asiática foi controlada com a aplicação de fungicidas triazóis isolados e misturas de triazóis e estrobilurinas. Desde 2008, produtos isolados não são recomendados em decorrência da menor eficiência, sendo recomendadas somente misturas comerciais de produtos com diferentes mecanismos de ação.

“A partir da safra 2013/14, uma redução de eficiência foi observada para a estrobilurina isolada nos ensaios cooperativos”, explica a pesquisadora Claudia Godoy. Nessa mesma safra foram registradas as primeiras misturas de fungicidas estrobilurinas e carboxamidas para a cultura da soja.

Na safra 2016/17, a pesquisadora explica que alguns fungicidas com carboxamidas apresentaram redução de eficiência nos ensaios cooperativos, em relação aos resultados da safra anterior, em regiões específicas. “Dessa forma, o rigor na adoção do vazio sanitário é extremamente importante para redução do inóculo entre as safras, auxiliando assim no manejo da ferrugem-asiática”, relata a pesquisadora.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA