Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Tendência

Marketing via download

Para agregar valor à marca, empresas apostam em aplicativos para smartphones que oferecem serviço, informação e entretenimento ao consumidor

  • Cinthia Scheffer
“Sem dúvida, esse mercado está explodindo. Cada vez mais as pessoas vão baixar aplicativos nos seus celulares e, portanto, cada vez mais empresas vão querer investir nisso.”
Marcelo Castelo, diretor de mobile marketing da F.biz, |
“Sem dúvida, esse mercado está explodindo. Cada vez mais as pessoas vão baixar aplicativos nos seus celulares e, portanto, cada vez mais empresas vão querer investir nisso.” Marcelo Castelo, diretor de mobile marketing da F.biz,
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Marketing via download

Um pequeno aparelho, que cabe no seu bolso, pode ajudar a calcular a quantidade de bebidas para uma festa, a escolher entre várias cores de gloss, localizar o bar ou a concessionária mais próximos da sua casa, avisar se é hora de renovar o protetor solar e, se você quiser, é capaz até de fazer ligações. Tudo isso graças aos aplicativos, programas criados especialmente para celulares e que viraram febre entre usuários de smartphones. Percebendo isso, publicitários e marqueteiros têm apostado nessas ferramentas como um novo canal de contato com os consumidores.O iTunes, programa da Apple que comercializa os aplicativos, é um exemplo de como a aposta tem crescido entre as empresas. Há uma lista enorme de opções para download, assinadas por empresas dos mais variados segmentos – de livrarias a construtoras, de marcas de cosméticos a redes de fast food ou time de futebol. É só escolher que tipo de utilidade – ou inutilidade – agrada mais.“Sem dúvida, esse mercado está explodindo. Cada vez mais as pessoas vão baixar aplicativos nos seus celulares e, portanto, cada vez mais empresas vão querer investir nisso”, diz o diretor de mobile marketing da F.biz, Marcelo Castelo. A grande sacada dos programas, segundo Castelo, é que eles ficam gravados no celular – ou seja, a marca está visível sempre no aparelho, que, por sua vez, está as 24 horas do dia nas mãos do consumidor. “Outra vantagem é que muitos recursos podem ser acessados sem internet.”Para o diretor, a ferramenta agrada os mais variados públicos e conquista o precioso “share of heart” (vínculo afetivo entre cliente e marca) de consumidores de alto poder aquisitivo e antenados com inovação e tecnologia. “Você pode apostar em algo de serviços, de entretenimento, ou até unir as duas coisas, e fazer conteúdos que agradam a todas as idades.”

As funções são as mais variadas. A própria F.biz criou um aplicativo para a Trident que “congelava” a tela do iPhone para que o usuário pudesse escrever ou fazer desenhos nela – numa referência à propaganda que estava no ar. A rede de lojas de artigos esportivos Centauro preferiu apostar na oferta de serviços e combinou a onda dos aplicativos com a das corridas de rua. O “Treinador Centauro” foi lançado no ano passado e oferece orientação de treinamento para quem quer correr ou caminhar. Criado com a ajuda de uma assessoria esportiva, o aplicativo oferece treinos semanais e está instalado hoje em cerca de 10 mil aparelhos – 40% deste número em celulares iPhone.

“O lançamento do aplicativo foi motivado pelo objetivo de aproximar a marca do seu cliente, lhe oferecendo um serviço gratuito e de qualidade”, conta a gerente de marketing da Centauro, Francis Amado. O aplicativo, claro, também traz uma espécie de vitrine de produtos, com opções de tênis e outros artigos para a prática do esporte. “Temos 100% de retorno na interação entre a marca e o cliente. O que, sem dúvida, é um ganho de valor para o grupo. Quanto mais conseguirmos oferecer um serviço de qualidade, que incentive o esporte, isso significará um ganho para o cliente e para a rede, pois estamos potencializando o core do nosso segmento, o esporte.”

Festa portátil

Lançado há pouco mais de um ano, o aplicativo da marca de cerveja Heineken ajuda o usuário a localizar bares que oferecem a marca na sua cidade – combinado com o sistema GPS, ele também pode traçar a rota até eles. O aplicativo também colabora na organização de uma festa – o “Party Makers” faz o cálculo da quantidade de bebida necessária. Para isso, basta você informar o tipo de eventos, onde será a festa, em qual horário e qual a quantidade de homens e mulheres presentes. O programa faz o cálculo de quantas latinhas, garrafas ou barris da bebida serão necessários, e ainda mostra a quantidade ideal de gelo para a festa.

Patrocínio

O custo para fazer um aplicativo, diz o diretor da F.biz, varia conforme a complexidade da ferramenta e também do seu uso – quanto mais plataformas, mais caro. A maioria dos projetos, segundo Castelo, varia entre R$ 30 mil e R$ 100 mil. “Não é um investimento alto, se pensarmos no retorno”, diz. “Outro conceito interessante que também vem crescendo muito é o patrocínio de aplicativos. É o caso da Bohemia, por exemplo, que assina o guia de bares e restaurantes da Veja São Paulo.”

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE