Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Comparativo

Como o Galaxy S8 se sai frente aos rivais iPhone 7 e Moto Z

Novo smartphone da Samsung com tela infinita é mais uma opção de smartphone topo de linha

  • Rodrigo Ghedin com
  • Estadão Conteúdo
Galaxy S8 tem design arrojado e bons recursos para competir com rivais | Karlis Dambrans
Galaxy S8 tem design arrojado e bons recursos para competir com rivais Karlis Dambrans
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Galaxy S8, novo smartphone da Samsung, será lançado no Brasil dia 12 de maio. Com preços a partir de R$ 3.999, o aparelho chega para competir de igual para igual com dois bons nomes da concorrência: o iPhone 7, da Apple, e o Moto Z, da Lenovo. Ambos foram lançados no final do ano passado e se destacaram como grandes aparelhos para o mercado premium.

Samsung anuncia Galaxy S8 no Brasil com preços a partir de R$ 3.999

Siga @gpnovaeco no Twitter

LEIA MAIS notícias de negócios e tecnologia

Anunciado no final de março pela Samsung, o Galaxy S8 é a aposta da empresa para se reerguer após o fracasso com as baterias do Galaxy Note 7, lançado no segundo semestre de 2016. Para superar o trauma, os sul-coreanos trouxeram um design arrojado, com uma tela que ocupa quase toda a frente do aparelho e “escorre” pelas laterais, fazendo com que o aparelho pareça não ter bordas. Além disso, o Galaxy S8 tem novidades como o assistente pessoal Bixby e um sensor de reconhecimento facial. Abaixo, veja como ele sai na briga de especificações com o iPhone 7 e o Moto Z.

Tela

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/33603653791_ee8615bc19_k-k6PI-ID000002-1024x576@GP-Web.jpg
Tela do Galaxy S8 ocupa quase toda a parte frontalKarlis Dambrans/Flickr

Tamanho não é documento. Neste ponto, a avaliação depende do gosto de cada usuário. O Galaxy S8 é o grandalhão do trio, com tela de 5,8 polegadas na versão regular e 6,2 na Plus. No entanto, elas são distribuídas em um corpo com formato mais esticado verticalmente. A primeira impressão é que o crescimento do S8 não significa que o aparelho ficou desconfortável no manuseio.

O Moto Z está bem perto do Galaxy S8, com tela de 5,5 polegadas, enquanto cabe ao iPhone 7 o papel de “pequeno polegar” da turma, com tela de 4,7 polegadas -- embora a versão Plus traga uma tela grande, de 5,5 polegadas.

Galaxy S8 (ambas as versões) e Moto Z têm telas com resoluções altíssimas: 1440x2960 e 1440x2560, respectivamente. A do iPhone tradicional tem 750x1334 pixels e a do Plus, 1080x1920. Todas elas apresentam densidade acima dos 300 de pixels por polegada. Nesse patamar, os pixels individuais passam a ser imperceptíveis ao olho humano, garantindo maior conforto visual. O excedente em densidade do Moto Z e Galaxy S8 se torna útil em aplicações de realidade virtual, com o auxílio de capacetes, quando a tela fica praticamente grudada nos olhos do usuário.

Um detalhe, porém, é que o iPhone conta com a tecnologia 3D Touch, que é capaz de perceber a diferença entre um simples toque ou uma “pressionada” mais forte do usuário na tela do celular.

Design

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/Galaxy S8-2840-k6PI-U201842118682KZH-1024x576@GP-Web.jpg
Galaxy S8 traz design inovadorDivulgação/Samsung

Smartphone premium não vive só de boas especificações, também precisa ser bonito e ergonômico. Além disso, é um caminho garantido para chamar atenção do consumidor mais desconfiado. É no design que está a principal mudança proposta pela Samsung a fim de superar o fiasco do Galaxy Note 7.

O visual do Galaxy S8 se destaca. Com vidro atrás e na frente, ambos com as laterais bastante curvadas, e a tela ocupando quase toda a frente, é um feito de engenharia. Além disso, essa versão manteve a resistência à água, e, ao contrário dos concorrentes, continuam trazendo a entrada para fone de ouvido de 3,5 milímetros. No Brasil, o os dois novos Galaxy estarão disponíveis em três cores: preto, prata e azul.

O único revés é no posicionamento do sensor de impressões digitais, que migrou para próximo da câmera - anteriormente, ele ficava no botão de início na parte frontal, abaixo da tela. Como agora a tela ocupa o lugar onde antes ficavam os botões físicos e esses migraram para o software, restou à Samsung migrar o sensor de digitais para as costas do Galaxy S8. O local escolhido tem sido muito criticado por ficar próximo à câmera, longe do alcance do dedo do usuário e sem distinções táteis que permitam localizá-lo com facilidade e rapidez.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/33341489181_4bb424a824_o-k6PI-U201842118682j3F-1024x576@GP-Web.jpg
Nada de conector para fones de ouvido no iPhone 7Karlis Dambrans/Flickr

O design do Galaxy S8 é uma boa competição para o iPhone 7, que tem um corpo em estrutura única produzida em alumínio e grandes molduras em cima e embaixo da tela. Uma das principais e mais controversas novidades da versão atual, anunciada em setembro de 2016, foi o fim da entrada tradicional para fones de ouvido - tanto o aparelho da Apple como o Moto Z agora usam a entrada de energia (Lighting, no iPhone; USB-C no celular da Lenovo) para saída de som. Se você tem fones de ouvido caros que dependem dessa conexão para funcionarem, é um ponto importante a ser considerado.

Os aparelhos da Apple estão disponíveis no Brasil em seis cores: preto brilhante, preto fosco, prata, dourado, rosa dourado e a nova versão vermelha. Já o Moto Z tem versões bicolores, em preto/cinza, preto/rosa dourado, preto/dourado e branco.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/Moto Z Front_Back Combo-k6PI-U201842118682JIH-1024x576@GP-Web.jpg
Moto Z tem perfil fino e pode receber “Moto Snaps”Divulgação/Motorola

O aparelho da Lenovo impressiona pela espessura: são apenas 5,19 milímetros, com acabamento em metal e vidro. Seu principal diferencial, porém, são os módulos que podem ser acoplados ao aparelho. Há opções de câmera, bateria extra ou projetor, por exemplo. Ao adicionar os módulos, vale citar, o aparelho fica mais grosso e pesado. Tanto iPhone 7 como o Moto Z também têm resistência à prova d’água.

Desempenho

O Samsung Galaxy S8 chega ao Brasil turbinado com o processador Exynos de oito núcleos (nos EUA, a empresa optou por usar o Snapdragon 835, da Qualcomm). Já o Moto Z tem um Snapdragon 820, de quatro núcleos, um pouco inferior, enquanto o iPhone 7 usa o chip A10, de 2,34 GHz com quatro núcleos, desenvolvido pela própria Apple.

O iPhone 7 é o que tem menos RAM, um tipo de memória temporária usada pelo sistema e apps), dos três. São 2 GB na versão regular e 3 GB na Plus contra 4 GB do Moto Z e do Galaxy S8. No entanto, é que por contar com uma integração mais forte entre hardware e software, feitos pela mesma empresa, o iPhone 7 não sente tanto a diferença na competição com os outros aparelhos. Em testes sintéticos feitos por sites especializados, como o norte-americano Phone Arena e testes de velocidade em situações reais (veja o vídeo abaixo), o desempenho do iPhone supera o dos rivais mesmo com números menores na tabela de especificações.

Em termos de armazenamento, a discussão está mais no bolso do usuário do que nas especificações de cada aparelho. O armazenamento é o principal fator de diferenciação entre as versões dos smartphones. O Galaxy S8 chega ao Brasil com 64 GB de armazenamento, mas aceita cartão de memória de até 256 GB. O Moto Z, por sua vez, tem versões com 32 GB e 64 GB de espaço, mas também aceita cartão de memória até 256 GB. Essa possibilidade de expansão não acontece no iPhone. O aparelho da Apple tem três versões disponíveis: 32 GB, 128 GB e 256 GB.

Bateria

Um aspecto em que o Galaxy S8 tem uma boa vantagem, ao menos no papel, é a bateria: o aparelho chega ao mercado com uma carga de 3.000 mAh, contra 1.960 mAh do iPhone 7 e 2.600 mAh do Moto Z. A diferença, porém, não é simplesmente numérica, uma vez que o aparelho da Samsung tem uma tela maior que os rivais e recursos que prometem consumir bastante bateria, assim como o assistente pessoal Bixby.

Uma vantagem do aparelho da Lenovo, porém, é que um de seus módulos extra pode ser uma bateria, aumentando a capacidade de carga do smartphone. O módulo tem 2.220 mAh de carga, mas custa R$ 399 na loja oficial da Lenovo no Brasil.

Câmera

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/33347968920_ed4f6094a5_o-k6PI-U2018421186823dF-1024x576@GP-Web.jpg
Câmera e sensor de digitais do Galaxy S8Karlis Dambrans/Flickr

Um dos atributos mais importantes dos smartphones e motivos mais relevantes para se adquirir um topo de linha, a câmera foi um dos pontos menos inovadores do Galaxy S8. A câmera principal (atrás do aparelho) permaneceu com resolução de 12 megapixels com abertura f/1,7, a mesma do Galaxy S7, mas com alguns ajustes de software para entregar fotos ainda mais bonitas - a câmera do S7 foi uma das melhores de 2016.

A câmera do iPhone tem os mesmos 12 megapixels, mas a abertura da lente é um pouco menor, de f/1,8. A versão Plus traz duas câmeras principais. Além de permitir zoom óptico, o uso delas habilita efeitos como o “bokeh”, que desfoca o plano de fundo destacando melhor o objeto em primeiro plano. Esse conjunto de duas câmeras está se tornando popular. Outros aparelhos, como o G5 da LG e o Zenfone 3 Zoom, da Asus, também empregam o sistema.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/20/Economia/Imagens/Cortadas/iPhone7Plus-JetBlk-34BR-LeanForward_PR-2844-k6PI-U201842118682bT-1024x576@GP-Web.jpg
Detalhe da cãmera dupla do iPhone 7 PlusDivulgação/Apple

Dependendo a quem você pergunta, as opiniões divergem entre qual câmera é a melhor da atualidade - Samsung e Apple se revezam no posto. A única certeza é que ambas entregam fotos soberbas, inclusive em situações difíceis como à noite ou em ambientes pouco iluminados, com foco ágil e um monte de recursos que aprimoram os resultados.

A câmera do Moto Z tem 13 megapixels e abertura f/1,8. Quantidade de megapixels não costuma ser determinante para a qualidade de imagem e, neste comparativo, essa máxima se justifica. Apesar de não ter os atrativos das câmeras do iPhone 7 e Galaxy S8, a que equipa o smartphone da Lenovo não fica muito atrás e entrega bons resultados também.

No que diz respeito a câmeras, porém, o Moto Z ainda tem um truque na manga: um de seus módulos, vendido a R$ 1.499 no Brasil, transforma o aparelho em uma câmera fotográfica Hasselblad, com direito a zoom óptico de até 10 vezes.

Já na frente, a já chamada “câmera de selfies” do Galaxy S8 foi para 8 megapixels, com direito a foco automático inteligente, característica também presente nos outros dois aparelhos. A vantagem fica com a Samsung em termos de resolução: a lente frontal do iPhone tem 7 megapixels, enquanto a do Moto Z tem apenas 5 megapixels.

Software

Enquanto o Galaxy S8 e o Moto Z usam o sistema Android (o aparelho da Samsung vem com a versão 7.0 “Nougat” pré-instalada; enquanto no Moto Z é necessário baixar para a nova versão após a compra), o iPhone 7 está com o iOS 10, exclusivo da plataforma. Se em outros tempos a diferença de sistemas operacionais determinava acesso a aplicativos específicos (como o Instagram, por exemplo), hoje está muito mais relacionada a serviços de cada empresa - caso do iMessage, no iPhone, por exemplo - e preferências de interface.

Outra diferença entre os três aparelhos são os assistentes pessoais: o iPhone 7 tem a Siri, sua assistente de voz, enquanto a Samsung aposta no novato Bixby para o S8 - a versão em inglês estará disponível no Brasil em junho, mas a versão em português ainda não tem data para ficar pronta. Já o Moto Z usa o assistente do Google que, embora não tenha uma “personalidade” como as dos rivais, responde a comandos de voz.

Preço

Talvez o principal fator em disputa para a preferência dos consumidores, o preço é um ponto determinante na competição. Nesse aspecto, o Galaxy S8 fica atrás dos concorrentes por trazer uma cotação mais salgada para o mercado brasileiro: seu preço base é de R$ 3.999. Vendido desde novembro no Brasil, o iPhone 7 tem preço base de R$ 3.499. Caso o usuário queira a versão vermelha, vai ter de pagar um pouco mais: R$ 3.899. O Moto Z, por sua vez, ganha pontos pelo custo-benefício: R$ 2.199 na versão sem módulos, vendida no site da fabricante.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE