Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

Cotidiano

Precisa-se de diarista. Paga-se bem

Para driblar a falta de profissionais no mercado, agências lançam mão de equipes que fazem uma espécie de mutirão da limpeza em residências e espaços comerciais

Sobre o trabalho de diarista, Maria Neuci diz ter mais liberdade e oportunidade de ganhar mais |
Sobre o trabalho de diarista, Maria Neuci diz ter mais liberdade e oportunidade de ganhar mais
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Precisa-se de diarista. Paga-se bem

Até pouco tempo atrás, pa­­ra encontrar uma diarista bastava o tradicional boca a boca entre amigos. Mas a economia do país melhorou, abrindo novas oportunidades de trabalho e qualificação e fazendo com que essas profissionais ficassem cada vez mais caras e disputadas.

Em Curitiba, o reajuste dos empregados domésticos em abril foi de 1,77%, apresentando variação de 12,90% no acumulado de 12 meses, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A comparação do IPCA das outras dez capitais mostra que o aumento do preço dos serviços domésticos em Curitiba não é um caso isolado, mas uma tendência nacional. No Rio de Janeiro, o reajuste chegou 7,37% em abril, a maior alta do mês no país.

Beneficiadas pela lei da oferta e da procura, as diaristas estão aproveitando o momento para ganhar mais. Enquanto em Curitiba o preço médio da diária é R$ 80 mais o vale transporte, que varia de R$ 5,20 a R$ 10, no interior do estado os preços ainda são menores. Em Foz do Iguaçu a diária varia de R$ 55 a R$ 70 e em Ponta Grossa, de R$ 50 a R$ 70.

Diante da escassez de mão de obra doméstica, a solução para os empregadores tem sido colocar a mão na massa e encarar a limpeza ou recorrer aos serviços especializados que recrutam essas profissionais. No caso da segunda opção, além do preço da diária, o interessado também precisará desembolsar o custo do agenciamento, que pode deixar a conta ainda mais salgada.

Há um ano e meio no mercado, a agência Santa Marta faz agenciamento de diaristas e mensalistas em Curitiba e região. O custo dessa comodidade não é barato, mas leva em conta a dificuldade de encontrar e treinar essas profissionais. Para mensalistas é comum que a taxa de agenciamento seja do mesmo valor do salário proposto ao candidato. “Na Santa Marta, no entanto, a taxa é de R$ 900 e não está vinculada ao salário pago. O agenciamento é válido por dois meses e dá direito a até duas trocas de profissionais”, explica a proprietária Josilene Conrado Valcanaia. Para o agenciamento de diaristas, o custo é de R$ 350 para uma vez por semana e R$ 450 para duas vezes. A taxa também é válida por dois meses e permite até três trocas.

Limpeza coletiva

Incentivada por uma amiga que trabalhou como doméstica nos Estados Unidos, Josilene criou a Equipe Tur­­bo, um serviço de limpeza coletiva para residências, espaços comerciais e finalização de obras bastante utilizado no exterior. Uma equipe vai até o local e faz a limpeza geral desses espaços. O custo é por metro quadrado, mas antes de fechar o contrato é feita uma avaliação. Em residências com moradores, os cuidados com móveis e pertences pessoais são levados em conta na formação do preço. Por exemplo, a limpeza de uma residência de 300 metros quadrados que estava em processo de finalização da obra custou R$ 1.300, demandando seis pessoas e mais uma chefe de equipe. “Lembrando que a equipe faz toda a limpeza de paredes, rodapés, caixilhos das portas, luminárias e móveis. Para organização interna de closets e cozinhas é enviada uma equipe adicional”, explica Josilene.

Domésticas dão espaço às diaristas

Elas já foram figuras onipresentes na vida de muitas famílias, mas hoje as empregadas domésticas estão desaparecendo e podem se tornar artigo de luxo nos próximos anos, segundo um estudo do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), que aponta para o fim do emprego doméstico nos moldes convencionais no Brasil, a exemplo do que já ocorreu em países da Europa e nos Estados Unidos. Embora hoje os novos imóveis não contemplem mais a dependência de doméstica, a demanda por uma empregada fixa continua grande. Na agência Dudy Mariah Empregos Domésticos há mais de 50 vagas em aberto para empregadas que queiram dormir no emprego. Há 48 anos no mercado, a agência acompanhou a mudança de perfil das profissionais do lar. “Antigamente o recrutamento era mais fácil. As pessoas vinham do interior em busca de uma oportunidade e, como não tinham onde morar, aceitavam trabalhar e viver em casas de famílias. Hoje elas têm outras pretensões”, diz Maria de Lourdes Vargas, a dona Dudy. Apesar de o Paraná ter o maior piso da categoria (R$ 811,80), Dudy conta que a maioria das profissionais não está disposta a trabalhar oito horas diárias, seis dias por semana por esse valor, mesmo com os direitos trabalhistas assegurados. “Elas têm pretensões entre R$ 1.000 e R$ 1.200, fora os encargos. Se não conseguem, vão trabalhar como diaristas, pois a flexibilidade e a rentabilidade são maiores”, diz. Em Curitiba, o preço médio de uma diária é R$ 80. Trabalhando nas mesmas condições de uma mensalista – seis dias por semana – uma diarista consegue faturar até R$ 1.840 por mês.

Interatividade

E você? Que dificuldades tem ou teve para encontrar uma ou um bom profissional da limpeza?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais