Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Desenvolvimento

Um guia para atrair o investidor estrangeiro

Segundo a Amcham, investimento de multinacionais no Paraná aumentou 25% em 12 meses. Publicação busca intensificar esse movimento

Construção da fábrica da Paccar em Ponta Grossa, nos Campos Gerais: investimento da empresa, de US$ 200 milhões, é um dos maiores anunciados no estado nos últimos anos |
Construção da fábrica da Paccar em Ponta Grossa, nos Campos Gerais: investimento da empresa, de US$ 200 milhões, é um dos maiores anunciados no estado nos últimos anos
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Câmara Americana de Comércio (Amcham) divulga nos próximos dias a segunda edição de um guia completo sobre como investir no Paraná. O “How to Invest in Paraná”, impresso em inglês e agora também em espanhol, é um pequeno retrato do estado e uma arma para atrair novos investidores.

INFOGRÁFICO: Chegada de empresas multinacionais se intensificou nos últimos anos. Vejas os principas investimentos

De abril do ano passado até abril deste ano, os investimentos estrangeiros no estado cresceram 25%, segundo a Amcham. “As visitas e consultas à Câmara Americana de Comércio aumentaram 30%. O que a gente vê é um aumento do interesse pelo Brasil por parte dos investidores estrangeiros”, explica o presidente do conselho regional da Amcham-Curitiba, Eduardo Guy de Manuel.

O guia destaca, entre outros assuntos, a posição geográfica estratégica do Paraná no país, próxima do núcleo dos países que compõem o Mercosul e muito perto do maior mercado consumidor da América Latina, São Paulo. Para os próximos anos, a equipe estuda produzir versões em alemão e até mandarim. Os 10 mil exemplares impressos são distribuídos em embaixadas, consulados e órgãos de governo.

Empresas

O governo do estado não oferece um levantamento oficial sobre o número de empresas com sede em outros países que operam hoje no Paraná. Mas só no ano passado os investimentos estrangeiros passaram de R$ 1 bilhão, segundo a Secretaria de Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul. O montante é atribuído aos incentivos fiscais do Paraná Competitivo.

Criado em 2011, o programa oferece isenção de 10% a 90% do ICMS, dependendo da estimativa de arrecadação da empresa. Também propõe dilatação de prazos para recolhimento do imposto, desburocratização e capacitação profissional.

Avaliação

O que os estrangeiros acham do Paraná

Duas empresas vieram para cá nos últimos anos – a Wipro e a Caterpillar – reconhecem que enfrentam dificuldades no Paraná, mas defendem as vantagens competitivas do estado.

A Wipro, empresa indiana da área de informática, está há sete anos em Curitiba, onde emprega mais de quinhentas pessoas. A posição estratégica do estado com relação aos países do Mercosul, a proximidade dos portos e a qualidade de vida na capital foram apontadas como vantagens pelo diretor da empresa na América Latina, Fernando Estrazulas. Ele elogia a infraestrutura do estado e o apoio dos governos municipal e estadual. Mas a empresa também enfrenta algumas dificuldades, entre elas encontrar profissionais com fluência no inglês e disputar mão de obra qualificada.

A Caterpillar, que desde 2011 produz máquinas para a construção civil em Campo Largo (Região Metropolitana de Curitiba), também sofreu para recrutar e treinar pessoas. “Mas essa dificuldade seria enfrentada em qualquer lugar”, diz o diretor industrial, Otto Breitschwerdt. Segundo ele, a empresa teve pedidos atendidos pelo governo. “Pedimos a duplicação da rua de acesso a nossa fábrica e a transposição da rodovia na altura da entrada de Campo Largo, para evitar que os caminhões passem pela cidade”, diz.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE