Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

 /
nossa língua

O modo caipira de falar

Publicado em 15/07/2009 |
  • Comentários

Algumas palavras ou expressões caipiras se tornaram bem conhecidas depois de aparecerem em livros, músicas, festas populares, novelas e filmes. Embora alguns termos tenham se originado de outros países e também de populações indígenas brasileiras, é com as pessoas do interior dos estados – principalmente na Região Nordeste – que elas ganham uma pronúncia diferente e um significado peculiar. Muitas já foram incorporadas aos dicionários de Língua Portuguesa. Confira algumas e saiba o que elas significam.

Acabar no caritó

Ficar solteirona, ficar para titia. A palavra caritó pode ter dois sentidos. Pode ser uma dependência pequena, escura e suja – semelhante a um depósito – ou pode significar um engradado de vime onde se colocam caranguejos vivos.

Biboca

Casa pobre, escondida, pequena e de palha, mas também pode significar algum tipo de venda, comércio. A palavra se origina do tupi. “Ibi” quer dizer terra e “boka” é fender-se.

Boca-de-siri

Ficar calado, fazer silêncio ou guardar segredo.

Chamego

Pode ser agrado, sedução, flerte, paixão e namoro, mas também significa algazarra, barulho. Essa palavra aparece bastante em canções caipiras e modas de viola.

Chorar o defunto

É o mesmo que ficar no velório, lamentar pela pessoa que faleceu. Esse termo é bastante comum no interior brasileiro, geralmente é uma cerimônia feita por senhoras com algum laço de parentesco com quem faleceu, que se juntam para rezar e fazer pequenos discursos para emocionar a família.

Dar cabo a machado

Significa inventar problema sem ter necessidade, ter algum tipo de aborrecimento à toa, sem causa aparente.

Emendar os bigodes

É conversar sem ter hora para terminar. Quando se diz que fulano emendou o bigode com alguém, significa que ele conversou sem parar, sem se preocupar com o tempo.

Fazer renda

Esperar, tomar chá de cadeira ou ficar sentado o tempo todo em um baile ou festa sem ser tirado por alguém para dançar.

Fuxicar

Costurar ou remendar roupas velhas. A palavra também pode ser empregada no sentido de fofoca ou fuxico.

Na chincha

Acertar na mosca, dar uma resposta exata, rápida e imediata. Conversar com alguém e dizer diretamente o que quer, sem rodeios.

Pichilinga

É usada para designar qualquer coisa que seja bem pequena, minúscula. Na literatura de cordel essa palavra aparece para se referir a algum tipo de doença de pele não identificada.

Pinguço

Essa palavra é conhecida em grande parte do país por se referir à pessoa bêbada. Ela se originou no interior de Minas Gerais como sinônimo de alcoólatra.

Riscar da faca

A expressão se refere ao ato de puxar a faca rapidamente. Ela também aparece como “risca faca” em músicas caipiras para indicar situações de confusão.

Salgar o galo

Costuma-se usar essa expressão para falar da primeira bebida alcoólica tomada no dia. É o mesmo que tomar a abrideira, matar o bicho.

Troncho

Mau elemento, bandido, bobo, mas também pode designar pessoa ou outro ser vivo com algum membro cortado ou algo torto, curvado para algum lado.


Fontes: Novo Dicionário Aurélio, de Holanda Ferreira; Assim Falava Lampião – 2.500 palavras e expressões nordestinas, de Fred Navarro; Curitiba e suas Variantes Toponímicas, de Francisco Filipak.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade