Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

COPA DO BRASIL

Terceira eliminação em 2016 aumenta a pressão sobre Gilson Kleina no Coritiba

Criticado, o treinador adotou discurso político sobre os protestos contra ele e a equipe

  • Robson Martins e Maria Luiza Iubel Especial para a Gazeta do Povo
Gilson Kleina e o auxiliar Pachequinho no jogo com o Juventude. Empate derrubou o Coxa na Copa do Brasil. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Gilson Kleina e o auxiliar Pachequinho no jogo com o Juventude. Empate derrubou o Coxa na Copa do Brasil. Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Eliminação em campo, pressão no treinador. A lógica, típica do futebol brasileiro, surgiu no Couto Pereira antes mesmo do apito final que decretou a queda do Coritiba na Copa do Brasil. O empate por 2 a 2 com o Juventude transformou as arquibancadas em foco de protesto contra o técnico Gilson Kleina e contra a equipe, que não teve forças para reverter o 1 a 0 sofrido fora de casa.

Além de evitar reclamação por causa das críticas dos coxas-brancas, Kleina até concordou com a insatisfação generalizada. “A cobrança o torcedor tem de fazer. O que a torcida já demonstrou para nós, não podemos esquecer. Claro que uma eliminação precoce é triste e doida”, lamentou o comandante, que já não era uma unanimidade no Alviverde desde a sua contratação, no final do ano passado, mas que ganhou um período de paz com a boa fase vivida do meio para o fim do Estadual.

Para piorar, essa não é a primeira eliminação do Coritiba sob o comando do técnico em 2016. Na Primeira Liga e na final do Paranaense o time já tinha fracassado.

Diante disso, o treinador relativizou as eliminações, lembrando que até o Corinthians, atual campeão brasileiro, já caiu em duas competições nesse ano, na Libertadores e no Paulista. Diz ainda que no Timão se fala em reformulação e que o mesmo tem de valer para o Coxa. Além disso, o treinador valorizou a equipe adversária ao ser questionado sobre a queda diante de um time da Terceira Divisão nacional.

“Eu não vejo um time de Série C, eu vejo o vice-campeão gaúcho, que é um campeonato dificílimo”, falou Kleina.

“Agora é passar para os atletas que eles têm condições, focar definitivamente no Brasileiro e reunir o maior número de jogadores para montar um time contra o Santos [às 11 horas de domingo, fora de casa]”, resumiu o treinador.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE