PUBLICIDADE
artigo

Sem televisão, o MMA acaba

Texto publicado na edição impressa de 08 de janeiro de 2014

“Senhoras e senhores espectadores e admiradores do MMA.” Quando usamos essa frase, estamos nos referindo a crianças, jovens e adultos de várias idades e de ambos os sexos. Hoje, o MMA é um dos esportes mais assistidos e acompanhados no mundo todo. Estamos no país que será sede dos dois maiores eventos esportivos do planeta, a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos; mesmo assim, ainda temos políticos com uma opinião retrógrada como o deputado José Mentor, que, em vez de estar preocupado com a evolução e estruturação do nosso país, está preocupado em prejudicar o mais novo esporte criado e difundido por nós mesmos, brasileiros.

Para transformar o MMA em esporte e fazer com que ele tivesse a aceitação em um dos maiores canais televisivos do mundo, saiba o leitor que foram 20 anos de trabalho, com implantação de regras, comissões atléticas e de arbitragem; academias e profissionais se especializaram no mundo todo; são atletas que, além de treinar, dão aulas de artes marciais ou trabalham em outra profissão para poder viver seu sonho. O ponto aonde quero chegar é que, além de transformar o MMA em esporte, teremos de transformá-lo em uma profissão regulamentada, porque indiretamente, para muitos atletas e professores, esse esporte já é uma profissão e um meio de vida.

A televisão é simplesmente a maneira como as grandes marcas que apoiam o esporte aparecem, investindo seu nome em atletas que estão difundindo sua marca para o mundo. Sem televisão, acaba o investimento e, indiretamente, tenta-se acabar com o esporte.

O deputado Mentor, ao comentar a lesão de Anderson Silva, disse que acha a imagem forte demais. Mas quantos jogadores de futebol já tiveram morte súbita ao vivo? E quantos pilotos se acidentaram com seus carros e vieram a óbito, ao vivo, no mesmo canal de televisão que transmite o MMA? Logicamente são imagens fortes e chocantes, mas para quem vive e vivencia este esporte no dia a dia não passa de um acidente de trabalho.

Não podemos fazer outra coisa a não ser protestar contra esse projeto de lei. Espero que este deputado que está preocupado em acabar com a transmissão do nosso esporte saiba que milhões de bocas estão sendo alimentadas por meio do MMA; milhões de jovens deixam as ruas para praticar esse esporte maravilhoso que cresce dia a dia. Se ele não acha atrativo assistir aos eventos que trazem as maiores audiências do mundo, que simplesmente troque de canal e deixe-nos trabalhar.

Felipe Combate é professor e coordenador de Arbitragem da Federação Paranaense de Boxe Tailandês e MMA.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • \"esporte maravilhoso\"; quando um esporte que mostra cenas bárbaras de luta, com direito a sangue explodindo em nossas telas é tratado como meio de vida, dá pra ter uma ideia da mentalidade das pessoas. Quem leu o livro \"Esporte Mata!\", do Dr. Roiz, sabe que todo e qualquer esporte faz mal ao coração e mata, o próprio Roiz dizia que tirar crianças da rua para colocá-las no esporte era errado: deveria-se gastar esse dinheiro na alimentação e educação delas e não para praticarem algo que faz mal. Tudo que o Sr. Felipe disse é irrelevante; pra mim MMA é violência pura e simples. - MAUR͍CIO ANTUNES ARIEDE - 08/01/2014 08:20:13
    • AO VIVO? Na Globo? Só se o Anderson Silva tivesse colado a canela com SuperBonder... A Globo esconde imagens fortes de violência, de traumas esportivos e de cenas de nudez pregando a \"qualidade\" de sua transmissões, tentando mostrar que lutador de MMA tem, fora dos ringues, aquela vidinha sem sal que as novelas passam. Mas, na realidade, ninguém questiona a qualidade do conteúdo desta emissora! O lixo cultural que ela coloca todos os dias nos lares dos brasileiros é muito pior que uma canela quebrada \"ao vivo\" após uma hora! - Mauricio - 08/01/2014 10:12:29
    • MMA / UFC trata-se de um retrocesso da humanidade aos tempos medievais. Quando Felipe Combate fala que fraturas podem ocorrer no futebol, entenda-se que o atleta tenha acertar a bola e não o corpo do adversário. Se existe morte na F1, entenda-se que o atleta não está tentando acertar o carro no queixo do adversário. Considerar esporte algo que usa pontapés e socos para vencer o adversário é ignorância pura. Plateias que aplaudem cenas de barbárie, sangue e dor, não são dignas da Arte de Ser Humano! - Márcio Bulgarelli - 08/01/2014 10:57:15
    • Já viram um jogo de rugby? - Luciano Cesar Fernandes - 08/01/2014 12:22:21
    • Esporte??? Se for esporte, então, briga de torcidas é somente um modo de se confraternizarem. - Márcio Anacleto - 08/01/2014 12:51:33
    • Texto infeliz e limitado, bem típico dos seguidores deste \"esporte\" chamado MMA. - Ana_R - 08/01/2014 18:26:02
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO