Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

imagem arranhada

Caixa investe em gestão para deixar de ser fonte de escândalos. Conseguirá?

Banco público se esforça para cortar gastos e melhorar eficiência. Lucro líquido passou de R$ 4,1 bilhões para R$ 12,5 bilhões em 2017. Mas não consegue escapar das garras dos políticos

  • Brasília
  • Flávia Pierry
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Foco de uso político e centro de escândalos como os que envolveram o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a Caixa Econômica Federal tem tentado melhorar sua gestão, com definição de regras de administração de fundos, fechamento de agências e redução de quadro de pessoal. A tarefa não é fácil: o grupo Caixa detém ativos que totalizam R$ 1,2 bilhão, 27% dos bens e recursos somados de todas as empresas estatais no país, o segundo maior entre as estatais do país, na frente de gigantes como Petrobras, BNDES e Eletrobras.

O banco passou por problemas para se adequar às regras internacionais de solvência de bancos e foi alvo de operações de investigação, que o obrigaram a passar por uma moralização em sua gestão, adotando padrões de governança. Mesmo assim, escorregadas ainda acontecem, como a realização de um megaevento para 6 mil funcionários nesta quarta-feira (16), no estádio Mané Garrincha, em Brasília. 

A recuperação do resultado financeiro da Caixa entre 2016 e 2017 reflete isso. O lucro líquido do grupo Caixa (que inclui o braço de seguros da empresa) cresceu 202%, passando de R$ 4,1 bilhões para R$ 12,5 bilhões. Para alcançar isso, uma das medidas foi a alteração na política de plano de saúde para os mais de 87 mil funcionários e seus dependentes. Foi estipulado um teto nos gastos do banco com benefícios de assistência à saúde e definição de contrapartida por parte dos funcionários, o que causou protestos e polêmicas entre os representantes dos funcionários. Com a mudança, o banco reduziu sua projeção de gastos atuariais em R$ 5,3 bilhões. 

A demissão de funcionários em planos voluntários também está no rol de medidas de corte de custo da entidade. O banco chegou a ter 100,6 mil funcionários em 2014. Em 2017, eram 87.654 (queda de 7,71% ante 2016). Nos cortes de cargos e PDVs, foram reduzidos 7.324 pessoas, o segundo maior corte entre as estatais e quase o dobro do que a Petrobras ou o Banco do Brasil conseguiram reduzir de seu quadro de funcionários. 

Novas regras de governança corporativa foram implantadas, o que colocou o banco no Nível 1 do Índice de Governança da Secretaria de Empresas Estatais do Ministério do Planejamento. A melhora do índice da Caixa foi de 70% entre a medição feita em 2017 e a nova avaliação, divulgada na semana passada. A nota de governança da estatal passou de 7,64 para 9,69. 

Para 2018, o banco quer reduzir seus custos em R$ 2,6 bilhões, boa parte disso com o fechamento de cem agências, segundo reportagem do Estado de S.Paulo. 

Para isso, terá de vencer resistências entre entidades de funcionários e também pressões políticas internas e externas. A presidência da Caixa é feudo do PP, partido que esteve no centro de escândalos como o revelado pela Operação Lava Jato.

Com grande capilaridade perante a população, administrando programas como o Bolsa Família, e uma carteira de crédito de R$ 706 bilhões em 2017, o banco concentra grande influência política. 

Plano de pensão de R$ 60 bilhões não tem transparência e acumula déficit

A modernização da gestão do Fundo de Previdência dos funcionários da Caixa, a Funcef, ainda é um ponto que precisa ser abordado. Com uma carteira de R$ 60 bilhões, é o segundo maior fundo complementar de grupos estatais, atrás apenas do Previ (Banco do Brasil). 

Mas há sérios problemas na gestão desse fundo, utilizado politicamente nas gestões do PT para fomentar a expansão de obras de infraestrutura. O déficit acumulado do fundo soma R$ 12,9 bilhões e já foram feitas três chamadas para que os participantes do Funcef depositem recursos para cobrir parte do buraco. Este mês ocorreu o terceiro equacionamento, com os participantes pagando 20% de contribuição extraordinária. 

Fabiana Matheus, diretora de Previdência e Saúde da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), explica que há pouca informação por parte dos gestores do fundo sobre a política de investimentos. Outro problema descrito pela Fenae é a falta de gestão diferenciada entre os perfis de participantes, o que acarreta em perdas no rendimento ou risco acima do necessário. 

Questões sobre a política de investimentos do fundo são escassas segundo a entidade que representa os participantes. A Funcef não publica as informações em seus canais e há questionamentos sobre alguns dos investimentos, que estão sem resposta. Segundo Fabiana, há informações de que a entidade quer reduzir seu investimento na usina hidrelétrica de Belo Monte, mas faltam comunicações da administração do fundo para seus participantes. 

“Fomos pegos de surpresa na semana passada, quando o Funcef começou a discutir mudanças no seu estatuto, vigente desde 2007. Pedimos para criar um grupo de trabalho e a Funcef vai apresentar a proposta para nós, mas é completa a falta de transparência e exclusão do participante do debate”, afirmou Fabiana. 

A entidade também afirma que a Caixa tem repassado a conta de passivos trabalhistas para a Funcef, aumentando o déficit. O rombo é de R$ 1,5 bilhão, que não está provisionado para essas causas. “Não existe ação da Funcef para cobrar a Caixa, ela não está pagando nada e está confortável, pois terceirizou a conta para nós, participantes do fundo. Esse é um grande problema que dificulta a Funcef a reverter seus déficits”, afirmou.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE