Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

lava jato

Defesa de Lula protocola 1.º recurso contra sentença de Sergio Moro

Os advogados de Lula protocolaram um recurso pedindo esclarecimento de “contradições, omissões e obscuridades na sentença” do juiz Sergio Moro

  • Folhapress
 | MIGUEL SCHINCARIOL/AFP
MIGUEL SCHINCARIOL/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolaram, na noite desta sexta-feira (14), o primeiro recurso contra a sentença que o condenou na Operação Lava Jato.

Os embargos de declaração pretendem esclarecer “contradições, omissões e obscuridades na sentença”, segundo os defensores Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira, José Roberto Batochio e Valeska Teixeira Martins.

Com o recurso, o prazo para apelar ao Tribunal Regional Federal (TRF4) – que analisa o caso em segunda instância e cuja decisão pode levar à inelegibilidade de Lula – fica suspenso. O juiz Sergio Moro não tem prazo para decidir sobre os embargos.

Saiba mais: Em 1.º discurso após condenação, Lula diz que objetivo de Moro é tirá-lo da eleição

A defesa do petista reclama da “ausência de imparcialidade de Moro” e questiona a desqualificação de testemunhas que corroboram a tese defensiva, assim como acusam o juiz de “desrespeito” ao ex-presidente.

“Denota-se uma análise completamente subvertida sobre os elementos de prova, evidentemente seletivo em favor da tese acusatória”, escrevem.

Delatores

“Qual o critério para se dar total credibilidade a um coacusado buscando redução de pena [o executivo Leo Pinheiro, da OAS] e se descartar a veracidade de um ex-presidente da Petrobras [Sergio Gabrielli, que depôs como testemunha de defesa]?”, questionam os advogados.

Segundo os defensores, Moro cita por 18 vezes o depoimento de Pinheiro, que atribuiu os investimentos feitos pela OAS no tríplex do Guarujá (SP) a um acerto de corrupção.

Saiba mais:Powerpoint e liberdade de imprensa: 6 detalhes para entender a sentença de Moro que condenou Lula

Para eles, isso é “desproporcional”, levando em consideração a credibilidade do empresário, que negocia um acordo de delação premiada.

Os advogados afirmam que a sentença “desprezou” os depoimentos favoráveis a Lula. Voltam a destacar que o petista jamais teve a propriedade do tríplex, pelo qual foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Eles afirmam que a denúncia criou um “caixa imaginário de propinas”, e que esse caixa não poderia ter pago por um apartamento que acabou financiado de forma legítima. Para a defesa, o juiz se “omitiu” ao ignorar provas da defesa de que o apartamento ainda está em nome da OAS.

A defesa ainda questiona o uso de reportagens jornalísticas para fundamentar a sentença, e dizem que não é possível atribuir a elas valor probatório, pois não são consideradas indícios da prática de um crime.

Os embargos serão avaliados pelo próprio Moro, sem prazo determinado. Outras defesas, bem como o Ministério Público Federal, ainda podem propor o mesmo recurso.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE