Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

reforma da previdência

“Pegadinha” em cálculo da média salarial reduz até aposentadoria integral

Nova fórmula de cálculo do benefício inclui na conta os salários mais baixos que o trabalhador recebeu

  • Fernando Jasper
Truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os trabalhadores estão descontentes com a idade mínima para a aposentadoria e com o tempo necessário para conseguir o benefício integral. Mas a reforma da Previdência tem uma “pegadinha” que passou despercebida pela maioria.

O truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria.

SAIBA MAIS: Conheça as novas regras para a aposentadoria

O governo propôs uma fórmula que, na prática, reduz até mesmo o valor da aposentadoria integral. E essa regra foi mantida no parecer apresentado nesta quarta-feira (19) pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA), relator da reforma na Câmara, “até que lei venha a disciplinar a matéria”. Ou seja, a não ser que uma lei restaure o cálculo anterior ou institua um novo, o que valerá é a conta que está na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287.

Pelas regras atuais, a média dos salários de contribuição considera as 80% maiores remunerações do trabalhador a partir de julho de 1994. Ou seja, se ele contribuiu por 200 meses de lá para cá, somente os 160 maiores salários entram na conta. Isso favorece o segurado, pois a média não é “contaminada” pelas menores remunerações.

A nova fórmula, por sua vez, leva em conta todo o histórico de salários, incluindo aqueles mais baixos, típicos do início da carreira. Com isso, a média salarial será necessariamente mais baixa.

Um trabalhador que receba aumento salarial real (acima da inflação) de 1% ao ano ao longo de 40 anos de trabalho vai receber quase 4% a menos com a nova fórmula do que receberia se a regra de cálculo em vigor fosse mantida.

Curioso é que, nas últimas semanas, membros do governo vieram a público dizer que havia ocorrido um erro de interpretação e que, na verdade, continuaria valendo a regra dos 80% maiores salários. Isso acaba de ser desmentido pelo relatório de Arthur Maia. Pode ser que o governo tenha voltado atrás como forma de compensar seus recuos em outros pontos da reforma.

Escreva ou cole aqui o seu script HTML

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE