i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
reforma da previdência

“Pegadinha” em cálculo da média salarial reduz até aposentadoria integral

Nova fórmula de cálculo do benefício inclui na conta os salários mais baixos que o trabalhador recebeu

  • PorFernando Jasper
  • 19/04/2017 20:47
Truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Os trabalhadores estão descontentes com a idade mínima para a aposentadoria e com o tempo necessário para conseguir o benefício integral. Mas a reforma da Previdência tem uma “pegadinha” que passou despercebida pela maioria.

O truque está no cálculo da média dos salários que o trabalhador recebeu ao longo da vida, cálculo esse que servirá de base para o valor de sua aposentadoria.

SAIBA MAIS: Conheça as novas regras para a aposentadoria

O governo propôs uma fórmula que, na prática, reduz até mesmo o valor da aposentadoria integral. E essa regra foi mantida no parecer apresentado nesta quarta-feira (19) pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA), relator da reforma na Câmara, “até que lei venha a disciplinar a matéria”. Ou seja, a não ser que uma lei restaure o cálculo anterior ou institua um novo, o que valerá é a conta que está na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287.

“Deforma” da Previdência amplia sistema de castas das aposentadorias

Leia a matéria completa

Pelas regras atuais, a média dos salários de contribuição considera as 80% maiores remunerações do trabalhador a partir de julho de 1994. Ou seja, se ele contribuiu por 200 meses de lá para cá, somente os 160 maiores salários entram na conta. Isso favorece o segurado, pois a média não é “contaminada” pelas menores remunerações.

A nova fórmula, por sua vez, leva em conta todo o histórico de salários, incluindo aqueles mais baixos, típicos do início da carreira. Com isso, a média salarial será necessariamente mais baixa.

Um trabalhador que receba aumento salarial real (acima da inflação) de 1% ao ano ao longo de 40 anos de trabalho vai receber quase 4% a menos com a nova fórmula do que receberia se a regra de cálculo em vigor fosse mantida.

Curioso é que, nas últimas semanas, membros do governo vieram a público dizer que havia ocorrido um erro de interpretação e que, na verdade, continuaria valendo a regra dos 80% maiores salários. Isso acaba de ser desmentido pelo relatório de Arthur Maia. Pode ser que o governo tenha voltado atrás como forma de compensar seus recuos em outros pontos da reforma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.