Blog / 

    Rodrigo Constantino

    Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

  • Artigos

    Para que servem os ministérios, afinal?

    Por Percival Puggina Tenho certeza de que esta pergunta, feita em qualquer país com instituições estáveis e racionais, pareceria uma infantilidade. Formulada no Brasil, será percebida, de imediato, com um sentido dúbio que salta aos olhos. Afinal, para que servem os ministérios? Você poderia pensar, por exemplo, que o Ministério do Trabalho e Emprego serve…

  • Artigos

    Never! Never!

    Por Percival Puggina  “O Destino de uma Nação” chegou aos cinemas suscitando muitas abordagens na imprensa brasileira. Dois amigos enviaram-me, sobre Churchill e sobre o filme, textos interessantes (1) e (2). Tão logo os postei em meu blog, apareceu alguém para atacar Churchill, lançando sobre ele terríveis anátemas. Só faltou, àquele leitor, afirmar que seria…

  • Artigos

    O paraíso de quem inferniza

    Por Percival Puggina Imagine uma cratera lunar. Há milhões de anos, um meteoro bateu ali. Com o impacto, o solo afundou e, em torno dele, se ergueram as bordas, definindo um acidente topográfico com formato de circo romano. Por vezes, pensando sobre a atualidade nacional, as nossas instituições e a Constituição de 1988, fico com…

  • Artigos

    Por que não existe um Partido Conservador no Brasil?

    Por Percival Puggina Embora registremos um número excessivo de partidos políticos, nenhum se apresenta ou pode ser definido como conservador. O fato surpreende por dois motivos. Primeiro porque o eleitorado que se diz conservador constitui parcela expressiva e crescente da sociedade brasileira. Segundo porque, no Império, tivemos um Partido Conservador cuja contraparte era o Partido…

  • Artigos

    Tesão pelo Estado

    Por Percival Puggina Não creio que adoração do Estado (estatolatria) designe de modo adequado a relação de certas pessoas e partidos políticos com o Estado. Quem adora não se serve do objeto de sua adoração. Um neologismo como estatoafetividade, expressando um sentimento quase carnal, resulta mais fiel para descrever essa relação. É tesão pelo Estado,…

  • Artigos

    Os dobermann: o ódio disfarçado de revolução

    Por Percival Puggina Comportam-se como coquetéis-molotoff ambulantes. Semeiam tempestades para colher catástrofes. Estimulam saques e invasões de propriedade. Pregam desobediência civil. Constroem frases que instigam ao ódio e à agressividade e consideram isso adequado às ações revolucionárias que gostariam de ver em curso. No geral, não acreditam em Deus nem no paraíso, mas creem no…

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito