PUBLICIDADE
Mistério

Cabeça encontrada na Praça da Sé, em São Paulo, é de corpo esquartejado

Polícia tenta descobrir a identidade do homem. Partes do corpo da vítima foram encontrados em vários lugares da capital paulista

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, confirmou neste sábado que a cabeça humana encontrada na quinta-feira (27) na Praça da Sé, no centro da capital paulista, pertence ao corpo encontrado em ruas de Higienópolis há uma semana.

"[A cabeça] É da vítima, já está confirmado. Agora vamos tentar identificar a vítima, que é parte importante da investigação", afirmou, em evento no litoral paulista.

Grella disse ainda ter pedido todo o empenho da Polícia Civil para esclarecer esse homicídio que, segundo ele, é um tipo de crime que choca a sociedade.

A Polícia Técnico-Científica comparou tecidos da área do corte do pescoço para confirmar que as partes eram da mesma vítima. Desde que a cabeça foi encontrada na Sé já existia essa suspeita.

A polícia continua sem pistas de quem é o assassino, a vítima e qual a motivação.

A cabeça foi encontrada em decomposição, o que dificulta seu reconhecimento. Técnicos estão trabalhando para reconstituir, por meio de computação gráfica, a face do morto, um homem branco que aparentava ter entre 30 e 40 anos de idade.

Uma questão que intriga investigadores é onde teria ficado guardada a cabeça entre domingo e quinta-feira.

Faltam ainda ser encontradas a bacia, com os órgãos genitais, e as pontas dos dedos, que foram cortadas provavelmente para impedir a identificação pelas digitais.

Exames nas mãos encontradas mostram que o homem tentou se defender de seu agressor antes de morrer.

A polícia procura familiares de homens que tenham desaparecido para tentar identificar o morto.

O caso

No último domingo (23), um morador de rua que revirava o lixo achou uma perna inteira, o pedaço de outra e dois braços em um saco preto, na esquina das ruas Sabará e Sergipe, por volta das 8h. Assustado, o homem foi até um mercado e pediu para que a polícia fosse chamada.

A cerca de 450 metros dali, na rua Coronel José Eusébio, uma mulher que fazia o serviço de limpeza da rua achou outra parte do corpo, em um carrinho de feira de tecido azul, por volta das 12h.

O tronco da vítima, sem parte da pele, estava enrolado em um vestido vermelho.

O terceiro pedaço do cadáver, uma coxa, estava em uma floreira da rua da Consolação, a 200 metros de onde estava o carrinho de feira.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Assine a Gazeta do Povo
      • A Cobertura Mais Completa
        Gazeta do Povo

        A Cobertura Mais Completa

        Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

        Tudo isso por apenas

        6x de
        R$58,20

        Assine agora!
      • Experimente o Digital de Graça
        Gazeta do Povo

        Experimente o Digital de Graça!

        Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

        Plano Digital com
        Primeiro Mês Grátis

        5x de
        R$29,90

        Quero Experimentar
      VOLTAR AO TOPO