Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Meio Ambiente

Caximba, um ano depois

Depois de passar 365 dias sem receber lixo, paisagem em antigo aterro já é outra. Falta, agora, infraestrutura para a população

  • Vinicius Boreki
Hoje, o extinto Aterro do Caximba está coberto por grama |
Hoje, o extinto Aterro do Caximba está coberto por grama
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Caximba, um ano depois

Há um ano, o Caximba entrou em estado de graça. O Aterro Sanitário de Curitiba, que posteriormente ficou conhecido pelo nome do bairro onde estava instalado, deixou de funcionar após 21 anos recebendo o lixo de Curitiba e da região metropolitana. Nos primeiros 365 dias sem absorver os restos da capital, os urubus que faziam parte da paisagem desapareceram e o ar lembra o de outros pontos da cidade, sem o odor característico da mistura entre lixo e gás metano. Agora, a comunidade tem dois novos alvos. O primeiro é melhorar a estrutura da região. O segundo é desconstruir o estigma que acompanha os moradores: o de vizinhos do lixão.

A esperança de que o fim do Caximba se reverteria em melhorias rápidas ao bairro não se concretizou e os moradores aguardam obras reivindicadas há anos. O local conta com certas peculiaridades: falta asfaltamento na rua, parte da população não tem saneamento e a região, ainda, concentra loteamentos irregulares.

A prefeitura diz que a situação vai mudar em breve. “A lei complementar 82/11 vai beneficiar 6,8 mil famílias que mo­­ram em 83 áreas na condição de clandestinos, porque foram loteadas sem aprovação da planta na prefeitura”, diz a nota enviada à Gazeta do Povo.

Novas soluções devem ser discutidas também na nova Regional do Tatuquara, subprefeitura da qual o Caximba é membro. O aterro, porém, deixou desconfianças e parte da comunidade não crê em mu­­danças enquanto elas não estiverem efetivamente concluídas.

“A situação não vai mudar, porque a subprefeitura de um local não supre as necessidades das outras regiões. Pode até ajudar o Tatuquara, mas não vai nos ajudar”, diz o presidente da Aliança para o Desenvolvimento Comu­­nitário da Caximba (Adecom), Jadir Silva de Lima, um dos principais responsáveis pelo fe­­chamento do aterro.

A prefeitura, por outro lado, argumenta que a nova regional facilita a definição de ações prioritárias. “Procuramos dentro do orçamento da cidade eleger as prioridades”, argumenta a secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Montanha de lixo

A montanha de lixo criada em função do aterro requer acompanhamento. Conforme a prefeitura, ações na manutenção são realizadas com frequência, inclusive com o controle da estabilidade e as tentativas de adequação do chorume aos índices ambientais recomendáveis. “Várias ações foram executadas, especialmente na parte de manutenção, para garantir o encerramento adequado, dentro das condições ambientais”, afirma Marilza. Prova da melhoria do am­­biente foi o aumento de mamíferos da região: de 8 para 23, segundo a secretaria.

O próximo passo deve ser a criação de um sistema de geração de energia a partir do gás metano produzido pelo aterro – hoje, ele é queimado, deixando uma característica chama azul no topo do morro. O edital elaborado pela prefeitura está pronto, mas depende de uma evolução do mercado de crédito de carbono. “Nesse momento, a viabilidade financeira do crédito de carbono não está boa, em razão das discussões sobre a renovação do protocolo de Kyoto”, explica Marilza.

Sem prazo definido e dependendo de obras, a outra promessa é transformar a Caximba em um parque. “O próprio monitora­­mento vai indicar quando haverá a possibilidade. Enquan­­to isso, as obras de manutenção são realizadas”, diz. Para os mo­­radores, essa é a esperança de deixar de vez para trás um passado envolto em lixo.

O interior fica aqui

Ir ao Caximba é como estar em uma cidade do interior. Na paisagem de pequenas chácaras e olarias, veem-se pessoas que usam cavalos como meio de transporte, observa-se a criação de carneiros, bate-se na porta de uma casa sem muros e deixa-se a mente relaxar acompanhando os pescadores nas cavas do Rio Iguaçu. A 23 quilômetros do Marco Zero, o bairro é o mais distante do Centro de Curitiba. O relógio não mente: se for visitar o local, prepare-se para uma boa hora no assento do carro ou duas horas no vaivém do ônibus.

Vizinho de localidades relativamente novas e bem povoadas, como o Tatuquara e o Campo do Santana, o Caximba é mais tradicional. Recheado de famílias italianas e polonesas, o local concentra grandes lotes divididos entre elas. As olarias são a principal atividade e os tijolos são usados na construção civil de toda a capital, orgulham-se os moradores. A tranquilidade, en­­tre­­tanto, ainda não se reverteu em aumento populacional da região: de 2000 a 2010, o bairro teve crescimento demográfico irrisório.

A explicação para a manutenção populacional está na ponta da língua: o lixão e a falta de estrutura. Se você pretende se mudar para lá, saiba que os Correios não chegam a alguns endereços, em razão das áreas serem consideradas irregulares. “Estamos abandonados. O carteiro não vem até aqui. Recebo minha correspondência nos comércios”, conta o aposentado Odair Rocha, de 58 anos. Saneamento? Não consta. “Temos água, mas o esgoto não chegou”, diz o aposentado Pedro Michele, de 64 anos.

As crianças do Caximba não têm parques, canchas municipais ou praças. Resultado: a escola da comunidade precisa arrumar passatempos educativos para os jovens. “Os alunos passam o dia inteiro na escola. Eles não têm lazer nenhum”, afirma a diretora do Colégio Estadual Maria Gai Grendel, Sonia Hinça. No contraturno, os estudantes aprendem a cuidar da horta, jogam futsal, cantam em corais e dançam no salão. “Nossa realidade é a da falta de estrutura. Nem mesmo internet ou banda larga funcionam aqui.”

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE