Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Caso Don Peponi

Suspeito de matar dono de restaurante teve surto psicótico no momento do crime

A informação é da Polícia Civil, que diz que Uziel Cloris Occhi, de 52 anos, sofre de esquizofrenia. Ele foi preso na tarde segunda-feira, em Mundo Novo (MS)

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O motoboy suspeito de assassinar Altair Morelli Borghi, 64 anos, proprietário do restaurante Don Peponi, em Maringá, teria sofrido um surto psicótico no momento do crime, afirmou o delegado de Homicídios da 9ª Subdivisão Policial (SDP), Paulo César da Silva. Uziel Cloris Occhi, de 52 anos foi preso na tarde de segunda-feira (16), em Mundo Novo, no Mato Grosso.

Segundo o delegado, o suspeito é esquizofrênico e não planejou o assassinato do empresário. Em depoimento, Occhi contou que em 2000, um homem de sobrenome Ribeiro havia assediado sua mulher. Em função disso, ele disse acreditar que todas as pessoas que sorriam ou riam para ele, sabiam da história e estariam, na verdade, zombando da situação.

Na quinta-feira (12), Occhi foi ao restaurante Don Peponi, na Rua Luiz Gama, na Zona 4, e pediu emprego a Altair Morelli Borghi. No sábado (14), o dono do restaurante entregou ao motoboy o papel com o primeiro pedido de entrega. O cliente tinha o sobrenome Ribeiro e, segundo o delegado de Homicídios, isso teria desencadeado um surto psicótico.

“Ao ler o nome, ele surtou. A primeira pessoa avistada foi o dono do restaurante, que estava sentado com a família, almoçando e rindo. Ele disse que pensou que o senhor estava rindo dele. Pegou a arma e atirou.”

Conforme o delegado, Uziel Cloris Occhi passará por uma bateria de exames que testarão sua sanidade mental. “Só assim a Justiça decidirá se ele será julgado como doente mental ou não.”

O dono do restaurante foi morto com três tiros de revólver calibre 38 – arma comprada pelo suspeito há nove meses. A vítima chegou a ser encaminhada por familiares a um hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu pouco tempo depois.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE