Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Patrimônio

Para o ensino não virar pó de giz

Sem proteção, memória escolar conta com heroísmo e boa vontade de professores, zeladores e simpatizantes. Projeto do governo se propõe a reverter esse quadro negro. Instituições centenárias comemoram com eufórico culto ao passado

Vista do Colégio Estadual do Paraná, inaugurado em 1950: Centro de Memória é modelo para outras instituições |
Vista do Colégio Estadual do Paraná, inaugurado em 1950: Centro de Memória é modelo para outras instituições
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

“Matei cada cupim desta mesa”, brinca a professora Ruthi Mara Trentin Moraes, diretora do Colégio Estadual D. Pedro II, no Batel. Ela bate a mão com força no móvel torneado, uma legítima peça de antiquário, tendo ao fundo, por testemunha, dona Gelvina Correio Pacheco, primeira diretora da instituição, em 1928. “Resgatei-a no porão da escola”, acrescenta, sobre o belíssimo retrato oval em branco e preto que ornamenta a sala.

FOTOS: Confira os bastidores das escolas tombadas

VÍDEO: Instituto de Educação: onde Kolody ensinava Biologia

O inventário de Ruthi se prolonga pelos corredores e salas da instituição – uma das cinco erguidas no país, todas idênticas, em honra do imperador Pedro II, no centenário de seu nascimento. A diretora mal sabe, mas faz parte de uma confraria informal de profissionais da escola que, assim como ela, têm garantido, ao longo de mais de um século, a preservação de objetos educativos, livros-ata, boletins, fotografias, mobiliário e, claro, edifícios inteiros sujeitos diariamente a piás e gurias dotados da força de Toddy.

Não fossem professores, zeladoras e até pais de aluno que salvaram documentos em suas casas, restariam farrapos à memória do ensino. Museus escolares e afins são uma novidade em formação no Brasil, com ênfase nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Antes que começassem a existir, um diretor em fúria ou a tia da limpeza cega pela ignorância poderiam, sem vigilância ou punição, atear fogo a décadas inteiras de informação educacional ou tomar para si cadeiras e estantes art déco. E muitos de fato o fizeram, como é possível confirmar em visita às instituições mais antigas ou em consulta a seus arquivos, não raro desdentados.

Garantir um mínimo de segurança a esses acervos é uma reivindicação antiga dos educadores – em particular os que trabalham em escolas já declaradas patrimônio histórico. “Nós nos sentimos muito vulneráveis”, reconhece José Frederico de Mello, 60 anos, há 20 na direção do Instituto de Educação Erasmo Pilotto, fundado em 1876 e desde 1922 na sede da Rua Emiliano Perneta. Na sala em que trabalha, há telas de De Bona e Alfredo Andersen, sem falar no mobiliário que deixaria Ruthi – a do D. Pedro II – com os olhos rasos d’água. “Nos tornamos um tipo de especialista que não estava previsto”, avisa Frederico enquanto conduz a reportagem pelas escadarias solenes por onde passaram milhares de professorinhas, entre elas a poeta Helena Kolody e a mestra Eny Caldeira.

O motivo do tour – que permite ver o fausto, mas também as avarias da construção – é conhecido. Há pouco mais de um mês, o governo do estado lançou um ambicioso programa de restauro, conservação e memória das escolas públicas históricas do Paraná. Em princípio, estão cobertas pelo projeto 13 instituições tombadas pelo Patrimônio (veja lista), mas, caso se torne uma política permanente, como se anuncia, outros colégios se somarão. Com sorte, globos, palmatórias, laboratórios de química e as incríveis saias plissadas sairão dos armários onde estão.

De acordo com o professor Francisco França, um dos 15 técnicos destacados diretamente para o programa, 562 das 2.139 escolas estaduais foram fundadas há mais de 50 anos, logo precisam de uma informação mínima sobre como cuidar do passado. Como será feito esse mutirão é que são elas. O projeto prevê a captação de uma verba inicial de R$ 7 milhões, dos quais nenhum tostão será gasto com tinta. “Esse é o custo apenas dos projetos de restauro. É muito caro”, calcula a assessora de governo Sandra Teresa da Silva, 48 anos, entusiasta da proposta.

Como se diz, vai ser preciso trocar pneu com o carro andando. “Estamos na fase preliminar”, admite Sandra, diante da lista de interrogações que lhe são apresentadas. Além de telhados caindo e vitrais se espatifando – ainda que não via de regra – vai ser preciso fazer muita articulação política para garantir profissionais de museologia no seio das escolas. Outra questão é se os acervos devem ficar nas instituições ou se serão centralizados num futuro “Museu da Escola”, cuja sede, deseja-se, poderia ser o antigo Grupo Escolar Cruz Machado, hoje tristemente convertido na Delegacia Antitóxicos, na Meia Pracinha do Batel.

Dá gosto acompanhar a discussão que tomou conta das escolas integradas ao projeto, nas quais virou onda olhar antigos boletins, preenchidos com elegantes caligrafias. Há certa ansiedade. Trabalhar numa instituição centenária é um orgulho, mas tem seu preço. O pé-direito pode ultrapassar 7 metros e, tomara, uma teia de aranha não se instale por lá. Um vidro quebrado chega a custar R$ 250. Não bastasse, resta a sensação de que a sociedade não enxerga mais os colégios de outrora. São poucos os egressos e menos ainda os filantropos, que devolvem ao ensino um pouco do que receberam.

Uma das esperanças é que o arrastão da memória promovido pelo Estado faça essa gente ultrapassar os portões, afinal, para quem vive debaixo de colunas e capitéis, os que ali estudaram são lembrados todos os dias. No Instituto, as secretárias aceitam até abrir arquivos para exibir boletins de 1937 ou 1946, basta pedir. Esse sentimento explica a emoção que o arquiteto e pesquisador da UFPR Key Imaguire provocou no Colégio Estadual do Paraná, onde estudou de 1961 a 1966. Levado pela reportagem, ele trajava o casaco do uniforme de sua adolescência, intacto, com emblema e tudo. Virou estrela.

“Estávamos esperando por você”, disse uma emocionada professora Malu Rocha, assessora da direção. O CEP, como é chamado, já tem um centro de memória, uma profissional à frente, Ana Lygia Czap, e namora uma sede – a casa do guardião da escola. Seu acervo é um desacato, pois as origens do colégio, inaugurado em 1950, remontam a 1846. Dá para imaginar? Pois se vista de gala para visitá-lo.

Bastidores das escolas tombadas

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#appId=254792324559375&xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
]]>Tweet

Vida e Cidadania | 3:57

Instituto de Educação: onde Kolody ensinava Biologia

Com 136 anos de funcionamento, o Instituto de Educação do Paraná – um dos 13 beneficiários do programa de conservação de escolas tombadas do estado – abrigou principais fases do ensino no Paraná. Conheça o prédio por dentro e saiba um pouco de sua história.

VER MAIS VÍDEOS

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE