Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida e Cidadania

Fechar
PUBLICIDADE

Segurança Pública

Polícia prende 4 pessoas no primeiro dia da UPS na Vila Osternack

Sétima Unidade Paraná Seguro foi instalada nesta sexta-feira (3) em Curitiba

  • Atualizado em às
Alto índice de homicídios no local levou a Vila Osternack a ser escolhida para a instalção da UPS |
Alto índice de homicídios no local levou a Vila Osternack a ser escolhida para a instalção da UPS
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Polícia prende 4 pessoas no primeiro dia da UPS na Vila Osternack

A Vila Osternack, que integra o bairro Sítio Cercado, de Curitiba, recebeu a sétima Unidade Paraná Seguro (UPS) da capital nesta sexta-feira (3). Quatro pessoas tinham sido presas até as 16h30 do primeiro dia da implantação, segundo a Polícia Militar.

Uma pessoa foi presa com 80 pedras de crack e autuada por tráfico de drogas. Outras duas foram detidas com 10 granas de maconha por porte de entorpecentes. Um homem que estava foragido da Colônia Penal Agrícola, em Piraquara, também foi preso. A polícia ainda apreendeu um carro, porque o condutor do veículo estava sem carteira de habilitação. O motorista foi liberado.

O balanço do primeiro dia foi positivo, segundo o comandante-geral da Polícia Militar, Roberson Luiz Bondaruk. Os números completos serão divulgados apenas na segunda-feira, segundo a Polícia Militar.

Bondaruk também disse que a ocupação foi pacífica e que a polícia não enfrentou resistência. “O que nos deixa satisfeito é que não tivemos nenhum tipo de enfrentamento, de resposta à abordagem da polícia, o que era um dos objetivos do projeto”, afirmou. O comandante também comparou a ocupação com as UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) do Rio de Janeiro, que acontecem de forma mais agressiva, segundo ele. “Só como um exemplo: as UPPs entram de forma brusca e, eventualmente, há confronto com a polícia, o que expõe o cidadão ao risco”.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), participaram da implantação da UPS, na manhã desta sexta-feira, 280 policiais militares, 20 policiais civis, além de guardas municipais. Os policiais ocuparam a Vila Osternack e iniciaram o que as autoridades de segurança pública chamam de “ação de congelamento”: os agentes se posicionaram em pontos estratégicos, abordando veículos e pessoas, identificando-as.

Os 300 policiais devem permanecer na localidade até o domingo (5). A partir de então, com base nesses três dias de ocupação, a Sesp deve definir quantos agentes vão ficar de forma definitiva. Segundo o comandante do 13º Batalhão da PM, coronel Sussumo Ota, o módulo da UPS será inaugurado da segunda-feira (6). A sede ficará à Rua Eduardo Pinto da Rocha, a principal via da Osternack.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César, a Vila Osternack foi escolhida para receber a unidade por causa do alto índice de homicídios da localidade. Levantamentos da Sesp apontam que todo o bairro Sítio Cercado é responsável por 8,5% das mortes violentas registradas neste ano em Curitiba e por 5% dos roubos ocorridos na capital. A UPS deve atender também vilas vizinhas à Osternack. De acordo com a Sesp, juntos, moradores do Sítio Cercado e Ganchinho representam 6% da população de Curitiba. Só a Vila Osternack tem cerca de cinco mil habitantes. De acordo com a Sesp, um conjunto habitacional da Cohab deve ser inaugurado em breve, dobrando a população da localidade.

“Foi uma decisão estratégica pela violência da região do Sítio Cercado e do Ganchinho [bairro vizinho]. Com a presença policial, vamos reduzir os índices de criminalidade nesses locais”, disse o secretário.

A escolha dos locais que recebem as UPSs, de acordo com o comandante-geral, é feita com base em um estudo dos índices de criminalidade na região. “São locais que também funcionam como um epicentro para a geração de problemas, às vezes é um ponto de tráfico, que fornece drogas para outros lugares da cidade”, disse Bondaruk. Segundo ele, a Vila Osternack também apresentava um alto risco de favelização.

Nas semanas anteriores à ocupação, a Polícia Civil realizou uma operação “preparatória” à implantação da UPS. Ao longo da ação, 37 pessoas foram detidas e seis autores de homicídio foram identificados. Dois quilos de crack foram apreendidos.

Almeida César disse que já está definido o cronograma de implantação de outras três UPSs em Curitiba ainda neste ano. A partir do próximo ano, o programa deve ser levado a cidades do interior do Paraná.

Veja as fotos da ocupação:

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais