Vida e Cidadania

Fechar
PUBLICIDADE

Norte do paraná

Prejuízos em Londrina por causa da chuva chegam a R$ 92,9 milhões

Ministro Gilberto Occhi visita a ponte destruída pela chuva na Rodovia Mábio Palhano, em Londrina | Marcus Ayres/Gazeta do Povo
Ministro Gilberto Occhi visita a ponte destruída pela chuva na Rodovia Mábio Palhano, em Londrina Marcus Ayres/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Um relatório preliminar da Prefeitura de Londrina aponta um prejuízo de R$ 92,9 milhões com o temporal da semana passada. O dado foi divulgado nesta terça (19) e atualiza os valores informados anteriormente, quando as perdas eram computadas em R$ 50 milhões. O montante de quase R$ 100 milhões inclui a destruição e as avarias em 34 pontes, danos em 400 quilômetros de estradas rurais, problemas em 78 escolas – sendo que 13 foram interditadas –, prejuízos em 15 unidades de saúde e 507 residências, além da destruição dos parques Arthur Thomas e Daissaku Ikeda.

O documento foi entregue pelo prefeito Alexandre Kireeff (PSD) para o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, que também esteve em Londrina e Maringá nesta terça para se reunir com representantes da região e verificar os estragos. Londrina aguarda o reconhecimento da situação de emergência para que os recursos federais e estaduais sejam liberados.

“Nosso orçamento não prevê esse tipo de circunstância nessa escala de grandeza. Se for necessária a diminuição dos investimentos programados, nós vamos dirigir recursos para a recuperação da nossa infraestrutura dentro de um cronograma de razoabilidade. Se não vierem os recursos dos governos estadual e federal em escala importante, a recuperação se prolongará por mais tempo”, disse Kireeff.

O ministro não revelou os valores que podem ser destinados para Londrina e nem deu uma data para que isso ocorra. Mas garantiu que existe recurso para esse auxílio. Os valores devem ser repassados logo após a homologação da situação de emergência pela Defesa Civil nacional e a elaboração dos planos de resposta e reconstrução.

Fundo

Outra medida anunciada nesta terça-feira (19) foi a criação de um fundo no Paraná para enfrentar os danos causados por desastres naturais.O governador Beto Richa (PSDB) – que também esteve em Maringá, e participou de uma reunião com o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi – revelou a intenção do governo do Paraná. O Executivo, porém, ainda não definiu como será esse fundo e de onde serão realocados os recursos.

O encontro, que contou ainda com prefeitos da região, discutiu o enfrentamento dos danos causados pela forte chuva que caiu neste mês no estado.

Em entrevista para à Agência Estadual de Notícias (AEN), órgão oficial de comunicação do governo do Paraná, Richa informou que, diante da ausência de um fundo específico como esse, é preciso remanejar recursos de outras áreas do Executivo para atender as situações emergenciais.

“Com o fundo, teríamos recursos necessários para atender com mais agilidade situações que possam acometer os municípios paranaenses”, afirmou o governador.

No Paraná, conforme a Defesa Civil, são 56 municípios atingidos com alguma forma de desastre ambiental. Oito já decretaram situação de emergência, dois estão na lista de calamidade pública e outros oito também devem decretar estado de emergência nos próximos dias.

Ministro avalia estragos no PR

Occhi veio ao Paraná acompanhado secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Adriano Pereira Júnior. Em Maringá, eles se reuniram com mais de 20 líderes políticos de municípios vizinhos. O objetivo do encontro, segundo Occhi, foi ouvir os relatos e orientar os prefeitos da forma correta de solicitar recursos federais para reconstruir as cidades prejudicadas.

De acordo com o ministro, mesmo que o município não atinja o índice estabelecido pela Defesa Civil em casos de desastres ambientais, é preciso abastecer o sistema nacional com todas as informações sobre a situação.

“É preciso informar sempre. Só assim tomaremos conhecimento da dimensão do problema. E se um município não se encaixa num primeiro momento, mas na sequência sofre com outro desastre, o prejuízo se acumula e o governo federal reconhece que deve ajudar”, explica o ministro.

deixe sua opinião

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais