Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

direito à saúde

Família que bancou cirurgia por conta própria será ressarcida pelo Estado

Justiça concluiu que a negativa de atendimento hospitalar se configura como uma quebra grave ao direito fundamental à saúde por parte do Poder Público

  • Da Redação
Imagem ilustrativa. | Reprodução/Pixabay
Imagem ilustrativa. Reprodução/Pixabay
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O estado de Santa Catarina vai ter que ressarcir cerca de R$ 27 mil à família de uma paciente com tumor cerebral que precisou bancar por conta própria a realização de uma neurocirurgia emergencial. O tratamento da mulher era custeado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas não havia vagas na UTI local conveniada ao sistema público, impossibilitando a operação. A decisão foi da 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça catarinense (TJ-SC).

Leia também: Médico ofende paciente durante consulta e terá que pagar indenização

Na época dos fatos, o Ministério Público ajuizou ação civil pública em nome da paciente, que necessitava, com urgência, de cirurgia para descompressão cerebral. A Justiça definiu que o estado de Santa Catarina deveria fornecer o procedimento, tratamento e medicamentos necessários, mas a liminar não foi cumprida. Como não podia esperar pela resolução dos entraves burocráticos, a família da mulher acabou custeando de forma integral a operação.

Posteriormente, o Poder Público foi condenado ao fornecimento dos remédios necessários à paciente, bem como ao ressarcimento dos gastos da cirurgia. A mulher acabou falecendo em março de 2016, e a família foi habilitada a receber a quantia.

O TJ-SC concluiu que a negativa de atendimento hospitalar a pessoas com urgência comprovada se configura como uma quebra grave ao direito fundamental à saúde, previsto na Constituição Federal. Para o relator, o desembargador Júlio César Knoll, ficou comprovado que “a família realizou por sua conta o que era dever do Estado, pois estava clara a urgência do procedimento”.

Colaborou: Mariana Balan.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

  1. Grande parte dos servidores públicos ativos e inativas está pendurada em consignados. | Rafael Neddermeyer/USP Imagens/Fotos Públicas

    Opinião

    Governo Richa lança edital para nova empresa gerenciar sistema de empréstimos a servidores

  2. Na nova proposta para normas trabalhistas , será necessário pelo menos duas semanas corridas de férias. | Henry Milleo/Gazeta

    Direito do Trabalho

    Entenda as mudanças sobre férias na reforma trabalhista

  3. artigo

    A multa de 10% do FGTS é indevida na dispensa sem justa causa

PUBLICIDADE