Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Congresso

Sistema de governo só pode ser alterado com novo plebiscito, dizem juristas

STF irá julgar esta semana se Congresso tem poder para adotar o chamado “semipresidencialismo”

  • Joana Neitsch
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Em meio ao calor das manifestações pró-impeachment, o debate sobre a mudança do sistema de governo no Brasil entrou em questão com a pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) desta semana. Deve ser julgada uma ação sobre a constitucionalidade de o Congresso Nacional aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabeleça essa mudança.

Juristas entrevistados pelo Justiça &Direito consideram que essa alternativa pode ser válida para modificar a concentração de poder no Executivo, mas não pode ser feita a toque de caixa. Além disso, há todo um rito democrático que precisaria ser respeitado.

O Artigo 2º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), na Constituição Federal de 1988, previa que plebiscito realizado em 1993 iria definir a forma (monarquia ou república) e o sistema de governo (parlamentarismo ou presidencialismo).

O plebiscito foi realizado e definiu que o sistema seria o presidencialismo. Por isso, a interpretação dos juristas entrevistados é de que apenas uma nova consulta popular poderia levar à alteração. “Há o entendimento de que, se um plebiscito disser que ‘sim’, poderia haver [mudança no sistema]”, explica Zulmar Fachin, doutor em direito pela UFPR.

Paulo Schier, professor de direito constitucional do Unibrasil, explica que uma eventual carta branca do STF para o Congresso discutir uma PEC sobre o assunto não significa que a alteração será aprovada, e alerta: “O plebiscito que definiu o presidencialismo é uma decisão muito forte, que vem diretamente da soberania popular. Tramitar PEC sem ouvir o povo novamente não tem legitimidade”.

Cláusula pétrea

Schier aponta que há uma corrente minoritária de juristas que considera o sistema de governo uma cláusula pétrea e não seria possível alterá-lo nem mesmo por meio de um novo plebiscito, pois estaria sendo deliberado o pacto da separação dos Poderes. Segundo o artigo 60 da Constituição, esse tópico só poderia ser alterado por uma nova constituinte.

Conjuntura X estrutura

Para o constitucionalista Clèmerson Clève, é preciso haver mudanças no sistema atual: “Nosso presidencialismo precisa ser revisto, temos um hiperpresidencialimo, quase imperial”, avalia. Por outro lado, ele ressalta que as mudanças necessárias são estruturais e não podem ser feitas para resolver um problema conjuntural. Ele explica que, ainda que a mudança ocorra durante o governo de Dilma, ela deverá ser válida apenas para o próximo mandato.

Estefânia Babosa, professora de direito constitucional da UFPR, considera que a discussão da PEC, 19 anos depois de ser apresentada no Congresso (em 1997), e o fato de ser analisada junto ao processo de julgamento de impeachment, agrava a crise política e promove ainda mais a ingovernabilidade da presidente. “No momento de grande paixão política, não vejo que essa seria a hora de discutir o assunto, nem mesmo de alterar o sistema político presidencialista. O correto é deixar o governo se estabilizar para discutimos uma reforma, sistema de governo e os diferentes tipos de voto”.

A constitucionalista ainda completa e define que “a caça por uma emenda à Constituição é bastante preocupante. Vejo que o presidencialismo de coalizão não funciona porque, em momentos de crise, a gente vê que não há apoio entre Executivo e Legislativo. Mas a Constituição deve se manter forte, e uma emenda de limitação do presidente eleito democraticamente poderia feri-la”.

Sem contexto

Zulmar Fachin avalia que o Brasil não tem clima para o parlamentarismo que, segundo ele, pressupõe partidos políticos bem definidos ideologicamente e fortes, nos quais prevaleça o programa e não a posição de um ou outro integrante. “Nossos partidos são uma espécie de arco-íris ideológico, que existem em função de pessoas. Os pressupostos para o parlamentarismo não estão presentes”.

Colaborou: Beatriz Peccin

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE