Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Operação Ouro Branco

Quadrilha usava soda cáustica em leite, diz PF

Operação Ouro Branco cumpre 25 mandados de prisão e 22 de busca e apreensão. Polícia vai recolher amostras de leite longa vida em todo o país

  • G1/Globo.com
  • Atualizado em às
Sting: sem dom para as rimas |
Sting: sem dom para as rimas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) realizam nesta segunda-feira (22), nos municípios mineiros de Uberaba (MG) e Passos (MG), a Operação Ouro Branco. Em Minas Gerais a polícia prendeu dois fiscais do serviço de inspeção federal e diretores de duas cooperativas de produtores de leite.

O objetivo é combater crimes contra a saúde pública. A Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Coopervale) e a Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) são suspeitas de adulterar leite.

Ao todo, 200 policiais cumprem 25 mandados de prisão e 22 de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Uberaba e Passos. Também participam da operação servidores do Ministério da Agricultura e representantes do Ministério Público Estadual.

Em Passos, os agentes revistaram os escritórios e o laticínio da Casmil e também a casa do presidente da cooperativa, que está preso. Também foram detidos diretores da Casmil e um funcionário do Serviço de Inspeção Federal.

Adulteração

As cooperativas são acusadas de adicionar substâncias não permitidas ao leite longa vida, ou com dosagem maior que a permitida pela lei, fazendo com que fique impróprio para o consumo humano, de acordo com laudo emitido por laboratório vinculado ao Ministério da Agricultura.

Entre os produtos químicos manipulados pela Casmil e pela Coopervale, encontram-se grandes partidas de soda cáustica (hidróxido de sódio) e de peróxido de hidrogênio (comercialmente conhecido com água oxigenada).

Segundo a polícia, as substâncias seriam adicionadas para aumentar a quantidade de leite e o tempo de validade. A PF informou que estão sendo cumpridos os mandados de prisão contra empregados e dirigentes das cooperativas, além de um funcionário do Ministério da Agricultura, responsável pela fiscalização do leite.

Durante a operação, serão recolhidas amostras de leite longa vida em todo o país, já que, segundo as apurações, a fraude atinge dimensão nacional, envolvendo empresas de diversos estados da federação. O leite adulterado era revendido pelas cooperativas para empresas como Calu e Parmalat, entre outras, que comercializavam o leite em embalagens próprias em todo o país.

Ninguém da Casmil nem da Coopervale se pronunciou sobre as acusações.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE