Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A Repar, em Araucária (PR), é uma das refinarias da Petrobras com processo de venda mais adiantado.
A Repar, em Araucária (PR), é uma das refinarias da Petrobras com processo de venda mais adiantado.| Foto: Marcelo Andrade/Arquivo encia de Noticias Gazeta do Povo/Marcelo Andrade/Arquivo Gazeta do Povo

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta segunda-feira (30), que mesmo com os atrasos causados pela pandemia da Covid-19, a empresa vai cumprir a meta de fechar 2021 com oito das suas 13 refinarias vendidas, como determinou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o executivo, das refinarias postas à venda, seis estão com processo adiantado, e, no início de 2021, será a vez de receber propostas vinculantes para as duas unidades com processo mais atrasado, Renest (PE) e Regap (MG).

"Vamos receber as ofertas vinculantes da Repar (PR) e da Refap (RS) no dia 10 de dezembro, seis refinarias estão com a venda avançada e duas vão ter ofertas vinculantes no início do ano que vem", disse Castello Branco, confirmando que as oito unidades serão vendidas até o final de 2021, como acordado com o Cade. De acordo com a diretora de Refino e Gás Natural, Anelise Lara, nas próximas semanas será assinado o contrato de venda da Rlam (BA), e em nove meses o ativo será entregue ao novo dono. A Petrobras vai criar uma estatal para cada refinaria para facilitar a venda, informou Lara.

De acordo com o diretor de Comercialização e Logística, André Chiarini, após a venda das refinarias, a Petrobras poderá aumentar as exportações de petróleo bruto, mas a tendência é de que os novos donos das unidades adquiram a commodity no mercado interno, da Petrobras ou dos outros agentes. "Não faz sentido econômico importar petróleo, mas podemos também aumentar exportação", disse Chiarini.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]