As obras na BR 163, na divisa dos estados de Mato Grosso e Pará  estão 66% executadas, com previsão de finalização em dezembro de 2017 | Albari Rosa/Gazeta do Povo
As obras na BR 163, na divisa dos estados de Mato Grosso e Pará estão 66% executadas, com previsão de finalização em dezembro de 2017| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), dos 21 trechos das principais rodovias brasileiras, boa parte encontra-se com menos de 50% dos projetos executados ou ainda em fase de implantação, especialmente no Arco Norte. A situação crítica da infraestrutura das estradas nacionais se deve ao contingenciamento dos recursos públicos, desapropriação de terras, demora nas licenças ambientais, erros na concepção de alguns projetos e na reformulação dos mesmos. Os projetos ainda têm R$ 1 bilhão disponíveis até dezembro de 2016 pela Lei Orçamentária Anual (LOA).

Um exemplo da situação das obras é o da BR 163, na divisa de Mato Grosso e Pará. Segundo o Dnit, as obras estão 66% executadas, com previsão de finalização em dezembro de 2017. “Essa rodovia é importantíssima. Ela encurta a distância entre os produtores mato-grossenses e as infraestruturas destinadas à exportação. Deixaríamos de escoar a produção pelos portos do Sul e Sudeste e utilizaríamos, com maior frequência, os portos de Belém”, observou a assessora técnica da Comissão da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Elisangela Pereira Lopes.

Segundo Elisangela, com a proximidade dos portos do Arco Norte, o produtor teria redução de custo de transporte de grãos de US$ 46 dólares por tonelada, de um total médio, atualmente, de US$ 126 por tonelada, em relação à rota com destino ao porto de Santos. “O valor do transporte cairia para US$ 80 ao se transportar por caminhão pela BR-163 até Miritituba/PA e com o uso do rio Amazonas até os portos de Belém”, explicou.

A expectativa da Comissão da CNA é que o novo governo e o seu Programa de Parcerias de Investimento (PPI) criem oportunidades para que a iniciativa privada invista nas principais rodovias de grande escoamento de produção agropecuária. “Além de investimentos é necessário que se adote medidas que acelerem a emissão de licenças ambientais e solucionem os conflitos em áreas que abrangem terras indígenas, para que os principais entraves que paralisam obras de infraestrutura sejam resolvidos”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]