i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Agricultura

Colheita com preço de entressafra

  • PorCassiano Ribeiro Agronegócio Gazeta do Povo (AgroGP)
  • 14/01/2014 00:00
Em Campina da Lagoa (Centro-Oeste do Paraná), produtividade tem sido de 3,4 mil quilos por hectare, marca que o estado tenta estabelecer como média | Ruderson Ricardo/ Gazeta Do Povo
Em Campina da Lagoa (Centro-Oeste do Paraná), produtividade tem sido de 3,4 mil quilos por hectare, marca que o estado tenta estabelecer como média| Foto: Ruderson Ricardo/ Gazeta Do Povo
  • O produtor Ademir Paludo registra variação de 10 a 60 sacas por hectare no Oeste do Paraná. Região teve seca em dezembro. Foto: Cesar Machado/Gazeta do Povo
  • Colheitadeira abre campos no Paraguai. Expectativa é que índices de produtividade melhorem nas próximas semanas. Foto: Márcio Giordani Mattei/Divulgação
  • Colheitadeira abre campos no Paraguai. Expectativa é que índices de produtividade melhorem nas próximas semanas. Foto: Márcio Giordani Mattei/Divulgação

A colheita da commodity agrícola mais produzida e exportada pelo Brasil começa embalada por preços acima dos previstos no plantio. A soja, que nesta época do ano passado valia menos de R$ 60 por saca (60 quilos) em praças como Cascavel (Oeste do Paraná), hoje é negociada a mais de R$ 65 por saca na mesma região. A valorização é inesperada, pois ocorre no momento em que a América do Sul confirma a entrada de uma safra histórica da oleaginosa no mercado.

Para este ano, a previsão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda) é de que serão retiradas dos campos recordes 286,8 milhões de toneladas do produto em todo o mundo. Por enquanto, esse volume ainda não foi precificado. Os valores praticados no Brasil são de entressafra, sustentados pelo câmbio e particularmente pela demanda chinesa, confirmada nas compras de soja dos Estados Unidos.

O produtor Ademir Paludo registra variação de 10 a 60 sacas por hectare no Oeste do Paraná. Região teve seca em dezembro. Foto: Cesar Machado/Gazeta do Povo

Assim que a produção na América do Sul for assimilada pelo mercado, os preços tendem a recuar, apostam especialistas. “Hoje, os Estados Unidos estão sozinhos no mercado. Mas daqui a 30 dias, a safra brasileira entra em grande volume e a demanda, que ainda está concentrada na América do Norte e hoje segura os preços, se desvia pra cá”, observa o analista de mercado Flávio França Júnior.

O que poderia fazer o mercado subir seria uma quebra na produção da América do Sul, acrescenta o analista da INTL FCStone Étore Baroni. Mas não é essa a indicação que as lavouras da região dão ao mercado neste momento. “Existe mais motivo para a soja cair do que subir”, resume.

Região com soja verde, no Centro-Norte do Brasil, tem previsão de chuva, mas com risco de irregularidade. Foto: Christian Rizzi/Gazeta do Povo

A expectativa de queda nos preços internacionais nos próximos meses é consenso no mercado. No caso do Brasil, especificamente, existe ainda outro viés de baixa: os problemas logísticos, que ampliam custos e reduzem cotações. “A dúvida está mais uma vez na capacidade de escoamento do Brasil. O mercado não se sente ‘confortável’ em trocar o foco das compras dos EUA para a América do Sul. Acredito que esta situação deve manter preços em Chicago relativamente firmes, mas o ‘desconto’ ficaria no prêmio para exportação nos portos”, diz o vice-presidente de Futuros da The Jefferies Bache de Nova York, Stefan Tomkiw.

Colheitadeira abre campos no Paraguai. Expectativa é que índices de produtividade melhorem nas próximas semanas. Foto: Márcio Giordani Mattei/Divulgação

Para França Júnior, a exportação de grãos deve ser menos caótica do que em 2013, porque os produtores foram conservadores em relação à venda antecipada da colheita. “Começamos a colheita com um terço da safra vendida. No ano passado, era metade. Não devemos ter a mesma concentração nos embarques nos portos”, estima. Ele acredita que as medidas adotadas nos principais portos brasileiros, entre eles Paranaguá, também devem gerar algum ganho de agilidade nos carregamentos.

E o milho?

Diferente da soja, o milho pode já ter passado pelo seu pior momento de preços, conforme os analistas, e a tendência a partir de agora é de estabilidade ou até valorização do produto no mercado internacional. Depois de cair dos US$ 7 por bushel para US$ 4 por bushel na Bolsa de Chicago, por conta da recomposição dos estoques mundiais, o produto tende a perder terreno na próxima temporada nos Estados Unidos, maiores produtores do planeta. “Enquanto não tivermos uma retomada no consumo para ‘enxugar’ o excesso do último ano, o mercado não terá forças para consolidar preços em eventuais rallys de alta. Acredito que o mercado vai trabalhar de lado [estável]”, diz Tomkiw.

Quebras pontuais assustam Brasil e Paraguai

José Rocher

Numa safra de soja com expectativa de recorde, as primeiras áreas colhidas apresentam quebra climática e assustam os produtores. No Brasil e no Paraguai, que abrem a colheita sul-americana, há lavouras com perdas de até 60%.

As lavouras mais castigadas pela estiagem de dezembro – sem água entre os dias 7 e 28 – estão rendendo 1,5 mil quilos na costa Oeste do Paraná, próximo ao Lago de Itaipu, afirma Jovir Vicentini Esser, técnico da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab) na região. “A quebra é de 60% em relação à produtividade prevista”, aponta em boletim técnico.

Por outro lado, Esser relata que as médias do Oeste paranaense como um todo, onde a colheita deve atingir um terço das lavouras rapidamente, está entre 2,9 mil e 3,4 mil quilos por hectare. Essa variação representa um resultado bom. As projeções públicas e privadas indicam que esse teto tende a ser a média final do estado.

O quadro é semelhante no Leste do Paraguai, que concentra a produção de grãos do país vizinho. “Na soja do cedo, os rendimentos não são os esperados por causa das altas temperaturas e da falta de chuva de dezembro. A esperança é que os índices melhorem nas próximas semanas, em parcelas que ainda estão verdes”, afirma o produtor Márcio Giordani Mattei, de Santa Rosa (Paraguai).

As médias projetadas em dezembro ainda estão sendo mantidas. “As culturas de soja e milho estão em ótimo desenvolvimento. Se mantida a atual situação climática, espera-se que o potencial produtivo seja atingido”, afirma o técnico Salatiel Turra, de Dois Vizinhos, Sudoeste do Paraná.

Inicial

A quebra refere-se a uma parcela pequena das lavouras. A colheita ainda restringe-se a menos de 5% da área total plantada no Paraná (5 milhões de hectares) e em Mato Grosso (8,4 milhões de hectares), estados que plantam mais cedo e são responsáveis por 45% do cultivo brasileiro.

As previsões climáticas indicam volume de chuva suficiente para o desenvolvimento das plantas em regiões que têm safra mais tardia, como Balsas (MA) e Luís Eduardo Magalhães (BA). Segundo os meteorologistas, no entanto, há risco de distribuição irregular.

Futurologia: Veja quais são as perspectivas de mercado para 2014 na visão dos analistas de mercado.

Stefan Tomkiw, vice-presidente de Futuros da The Jefferies Bache, de Nova York.

Qual a sua opinião sobre o mercado de soja e milho neste ano? Você é baixista ou altista e por quê?Para a soja, baixista, pela possibilidade de recomposição de estoques com a entrada da nova safra sul-americana. Os produtores norte-americanos têm intenção de plantar uma área recorde na próxima safra. A dúvida que o mercado tem está mais uma vez na capacidade de escoamento/logística brasileira, já que os produtores na Argentina ainda seguem bem relutantes em vender com a inflação galopante e câmbio artificialmente valorizado. Caso Argentina permaneça com a comercialização travada, o Brasil seria o único fornecedor de soja no mundo. E com a logística sem melhoras/investimentos, o mercado não se sente “confortável” em trocar o foco das compras aqui dos EUA para ofertas da América do Sul. Acredito que esta situação deve manter preços em Chicago relativamente firmes nos vencimentos curtos versus os longos. A redução nos mandatos de biocombustíveis no mundo também é um fator que contribui para o cenário de preços mais baixos.

O milho também há um viés baixa, pela grande produção/estoques que temos no mundo. A redução do mandato de biocombustíveis trará como impacto uma redução dos atuais 40% da produção de milho consumidos na produção de etanol. Os estoques estão nos mais altos níveis dos últimos anos e enquanto não tivermos uma retomada no consumo para “enxugar” esse excesso, mercado não terá forças para consolidar preços em eventuais rallys de alta.

O mercado acredita realmente que o Brasil vai cultivar e produzir menos milho nesta temporada?Todos os dados revelados ate o momento colocam o plantio de soja acima do de milho. Além disso, a relação atual entre soja/milho favorecia e ainda favorece o plantio de soja em detrimento ao milho.

O melhor momento para venda de soja e milho já passou ou não, por quê?Na soja, o recado que o mercado tem dado é claro. Com os preços dos vencimentos curtos acima dos vencimentos longos, o mercado tem dado todo o incentivo ao produtor para comercializar/fixar agora e não esperar para depois. O vencimento março está pagando mais de U$1.5/bu acima do vencimento novembro/14.

Flávio França Júnior, analista de mercadoA safra está começando a pingar, com as primeiras lavouras colhidas. Em fevereiro, o preço já cair para R$ 60 por saca no Brasi, considerando a safra americana, que foi revisada pra cima de novo e está fechada em 89 milhões de toneladas. Não é uma safra ótima, mas é muito boa. A segunda maior do mundo. E para a América do Sul até agora o encaminhamento está muito bom. Para o lado da oferta tem pressão que deveria jogar o preço mais para baixo. Mas aí tem a demanda da Ásia, que vai mantendo os estoques americanos apertados. Com isso, o preço não cai. Se cair muito, a China entra no mercado e o preço volta a subir. Tem uma barreira do lado negativo, um suporte, via demanda, impedindo que a soja caia mais do que US$ 12 por bushel.

Os EUA podem vender mais do que o previsto para depois importar do Brasil como ocorreu no ano passado?Tudo vai depender de como nós vamos tratar a nova safra. O normal é começa r a colher aqui e a demanda vir pra cá. Isso não está acontecendo ainda. Por mais que tenhamos safra grande na mão, se a gente não conseguir embarcar, a demanda continua nos Estados Unidos. Os chineses estão desconfiados de que a gente vai ter problema para embarcar de novo. Não há regulação no mercado. Os Estados Unidos não são a Argentina. Ou seja, se faltar soja, vão vender mais.

2014 será melhor do que 2013?Esse ano tem algumas diferenças em relação ao ano passado e o caos logístico deve ser um pouco menos grave. Mas não quero dizer que não haverá dificuldades. O câmbio está a favor. Se confirmar essa safra sul-americana, a tendência é que o preço médio em Chicago fique menor do que em 2013. Ou seja, temos um conjunto de Chicago mais negativo, porém, provavelmente acima da média US$ 12. Há chances de o mercado ficar acima de US$ 12, por causa dos estoques americanos. Não tem porque subir mais com esse monte de soja no mercado global.

Étore Baroni, analista de mercado da INTL FC StoneO cenário desse ano é baixista ainda. Temos que lembrar a safra gigante na América do Sul. Brasil, Argentina e Paraguai se encaminham para colher a safra recorde. E quando chegar a definição de área nos Estados Unidos, entre março e abril, o mercado ficará mais pesado para subir.

O que pode fazer o preço subir?Uma quebra na América do Sul, o que não vemos neste momento. Eu acho q o mercado no médio prazo é de neutro a levemente baixista.

E para o milho?Milho tem um cenário diferente. Safra cheia no mundo todo. Estados Unidos, China, países da Europa, todos colheram safra cheia em 2013. Para 2014,o nível de US$ 4,20 por bushel deve ser o piso do mercado.

O Brasil reduz a produção e a Argentina também está tendo problemas. Nos Estados Unidos, vamos ver o milho perdendo área. Eu acho que para o cereal o cenário é mais positivo do que pra soja.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.