i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
rotulagem

Comissão aprova fim do selo “T” em produtos que contêm transgênicos

Símbolo foi comparado a uma caveira, que desvaloriza alimentos produzidos no Brasil

    • São Paulo
    • Da redação, com agências
    • 20/09/2017 08:37
    Pelo projeto, informação sobre transgenia deve permanecer, mas sem triângulo amarelo com a letra “T” | Reprodução/
    Pelo projeto, informação sobre transgenia deve permanecer, mas sem triângulo amarelo com a letra “T”| Foto: Reprodução/

    A Comissão de Agricultura do Senado aprovou o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 34/2015 que reduz exigências para identificação de alimentos transgênicos. A proposta desobriga a indústria de informar a existência de organismos geneticamente modificados (OGMs) no rótulo dos produtos, se a concentração for inferior a 1% da composição total da mercadoria.

    O relatório do senador Cidinho Santos (PR-MT), favorável ao projeto, foi aprovado nesta terça-feira (19) em votação simbólica.

    Caso a concentração de transgênicos seja superior a 1%, os fabricantes devem incluir a informação no rótulo, mas sem a letra “T” inserida num triângulo amarelo como ocorre hoje.

    Dizendo ser favorável à identificação de alimentos transgênicos, Cidinho criticou o uso de um símbolo ostensivo que apenas desvaloriza os alimentos produzidos no Brasil.

    “Esse projeto é interessante para o país. Não há necessidade de escancarar na embalagem um T bem grande. A especificação pode vir de forma normal no rótulo e sem a necessidade dessa caracterização, como símbolo de caveira para desmerecer o produto brasileiro”, argumentou antes da votação.

    O projeto não estava inicialmente na pauta da comissão e foi incluído pelo presidente Ivo Cassol (PP-RO) a pedido de Cidinho Santos. O relatório foi aprovado rapidamente e sem discussão, mas a tramitação da proposta tem sido marcada por divergência entre os senadores.

    O PLC 34/2015 havia sido rejeitado na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). No início de agosto, na Comissão de Agricultura, a senadora Regina Sousa (PT-PI) apresentou um voto em separado defendendo a rejeição da iniciativa. Na ocasião, Cidinho Santos pediu vista para analisar melhor a proposta.

    O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que há dez anos mantém uma campanha contra o fim da rotulagem, considerou a aprovação do projeto um “grave retrocesso e uma afronta aos direitos dos consumidores”. O PLC terá de ser apreciado ainda pela Comissão de Assuntos Sociais, presidida pela senadora Marta Suplicy (PMDB/SP), e depois pela Comissão de Meio Ambiente, presidida pelo senador Davi Alcolumbre (DEM/AP).

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.