i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Nova opção

Logo você vai poder comer algodão, e não é o doce

Pesquisadores americanos desenvolveram uma variação comestível da semente do algodoeiro, que em breve poderá ser plantada comercialmente

    • The Washington Post
    • 21/10/2018 13:04
    O algodoeiro, por si só, tem valor nutricional semelhante ao das amêndoas ou nozes. | JONATHAN CAMPOS/JONATHAN CAMPOS
    O algodoeiro, por si só, tem valor nutricional semelhante ao das amêndoas ou nozes.| Foto: JONATHAN CAMPOS/JONATHAN CAMPOS

    Os norte-americanos em breve poderão comer algodão pela primeira vez - e não estamos falando do doce que leva esse nome, mas sim de uma nova variedade da planta que é comestível e logo deve chegar ao mercado.

    Na terça-feira (16), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deu sinal verde para comercializar a versão biotecnológica do algodoeiro cujas sementes podem ser comidas, de acordo com a Universidade do Texas A&M, que desenvolveu o produto ao longo de mais de duas décadas.

    Ainda falta a aprovação da U.S. Food and Drug Administration, que é a agência responsável por liberar substâncias farmacológicas e produtos alimentícios para a população, mas a universidade diz que isso deve ocorrer em poucos meses. Depois disso, os agricultores estarão liberados para cultivar o algodão como comida, além de plantá-lo por causa da fibra.

    O professor Keerti Rathore, da Texas A&M, começou a trabalhar no projeto do algodão comestível há 23 anos, e descobriu como silenciar um gene da planta que produz uma toxina, chamada gossipol. Ao mesmo tempo que protege a planta dos insetos, a substância torna as sementes não comestíveis para os seres humanos e a maioria dos animais.

    “A semente terá um sabor parecido com o húmus. Não é de todo desagradável”, diz Rathore. Mas ainda vai levar alguns anos para que os agricultores consigam cultivá-la comercialmente, pois o fornecimento de sementes precisa ainda ser incrementado na próxima estação, segundo Kater Hake, vice-presidente da Cotton Inc., empresa de pesquisa e marketing agrícola que financiou o projeto.

    A sementes do algodão têm muita proteína - o bastante para fornecer as quantidades diárias para 600 milhões de pessoas. Mas para isso, todo o algodão plantado no mundo precisaria ser substituído por variedades comestíveis, de acordo com Hake.

    O algodoeiro, por si só, tem valor nutricional semelhante ao das amêndoas ou nozes. Especialistas em alimentos tentaram fazer leite da semente do algodão, bolachas, cookies, manteigas e outros produtos. A proteína também pode ser extraída e transformada em pó para virar barras de cereal ou farinha, segundo Rathore.

    A indústria também está mirando a aquicultura, porque as sementes de algodão podem alimentar peixes carnívoros, como salmão e truta, que comem peixe moído. O algodão seria uma alternativa de baixo custo para substituir mais da metade da alimentação desses peixes. Também ajudaria os produtores, que poderiam vender as sementes, que atualmente são consideradas um produto quase sem valor.

    A descoberta “abre uma oportunidade de o algodoeiro eventualmente incorporar essa nova tecnologia. Não há razão para deixar essa toxina em uma planta domesticada”, afirma Hake.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.