i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Colunista

Brasil importou 3000% a mais de milho neste ano; veja como fechou a balança comercial

Saldo acumulado da balança comercial do agronegócio continua positivo, apesar da necessidade de importação de milho, feijão e arroz

  • PorGiovani Ferreira
  • 12/09/2016 10:06
Falta de planejamento e organização entre cadeias produtivas obrigou o Brasil a importar milho, feijão e arroz. | JONATHAN CAMPOS/Agência de Notícias Gazeta do Povo
Falta de planejamento e organização entre cadeias produtivas obrigou o Brasil a importar milho, feijão e arroz.| Foto: JONATHAN CAMPOS/Agência de Notícias Gazeta do Povo

O agronegócio segue como fiel da balança nas exportações brasileiras. O saldo acumulado da balança comercial continua liderado pela pauta que vem do campo.

De janeiro a agosto o superávit soma US$ 32 bilhões, resultado quatro vezes superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando ficou em US$ 7,31 bilhões.

A expressiva diferença tem basicamente duas explicações. A primeira, na também expressiva redução das importações, reflexo da crise econômica que reduz o poder de compra – este ano o Brasil comprou 32% menos da China, -19% do Mercosul, -18% da União Europeia e -16% dos Estados Unidos.

A segunda está no desempenho direto do agronegócio, com superávit de US$ 6,39 bilhões. O que poderia ser ainda melhor, não fosse a necessidade do país de importar produtos básicos da agricultura e alimentação, para consumo humano e animal. Problemas não apenas com o clima, mas com a falta de planejamento e organização entre as cadeias produtivas que têm sinergia nos obrigou a importar milho, feijão e arroz. E não foi pouco.

Respeitadas as devidas proporções e bases de cálculo, foram quase 3.000% a mais no milho, 540% no feijão e 360% no arroz. Isso mesmo, tivemos que importar para comer, para garantir o abastecimento interno.

Tudo começou com o clima. Tivemos quebra de safra por problemas climáticos. Mas a lição foi além. Para um país que lidera exportações em cadeias produtivas de grãos e carnes, ainda nos falta organização e planejamento aos sistemas de produção. Da iniciativa pública ao setor privado. Do produtor às políticas públicas ao agronegócio.

O Brasil não conseguiu, por exemplo, dimensionar a demanda por milho. Entramos no mercado exportação, chegamos a embarcar quase 30 milhões de toneladas em 2015, mas deixamos descoberto o consumo doméstico, principalmente a produção de carnes. Faltou milho, como faltou estratégia.

Demos um jeito e tivemos que equacionar essa relação. Mas a que preço? Vamos reduzir nossas exportações de milho a menos de 20 milhões de toneladas em 2016, o que sugere ao mercado que o Brasil ainda não é um fornecedor seguro do cereal. E aumentamos o custo e reduzimos as margens na produção de carnes, em especial de frango e suínos. Aliás, foi o preço do milho que deflagrou a atual crise da suinocultura nacional. E aqui, um contrassenso. Apesar da crise, ou com a crise, o setor foi um dos destaques nas exportações de agosto. O valor exportado, segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, cresceu 19,8%. A quantidade embarcada, 66 mil toneladas, é a maior em 10 anos.

Isso não significa, necessariamente, que o Brasil consolidou sua presença no mercado internacional de carne suína. O país abre, sim, novos mercados. Neste momento, porém, o maior volume e o consequente valor exportado são porque a carne de porco brasileira está barata e, portanto, com preço competitivo para o comprador externo. De qualquer forma, mesmo que com receita cambial questionável, não deixa de ser uma oportunidade.

Top 10

Se a China continua sendo o maior comprador do agronegócio brasileiro, com 17% das compras, a soja continua sendo o principal produto da pauta de exportações do setor. A oleaginosa respondeu sozinha por 14,5% das vendas totais, com receita no período de quase US$ 18 bilhões.

Na lista dos dez produtos que lideram a pauta que vem do campo aparecem outros grãos, como milho e café, carnes bovina e de frango, açúcares bruto e refinado, celulose, couros e peles. Uma pauta relativamente concentrada. Os dez itens representam 36% das exportações gerais.

De 2001 a 2013 a balança comercial brasileira registrou 13 saldos positivos consecutivos. Em 2014, pela primeira vez em 14 anos, um déficit de US$ 4,1 bilhões. Retomada novamente em 2015 com um resultado de US$ 19,7 bilhões. E um novo e provável superávit em 2016, apesar do cenário adverso da economia do país. Em todos os anos da análise, produtos da agricultura e pecuária foram condição ao balanço positivo.

No caso de 2014, o segmento teve papel fundamental para evitar um tombo ainda maior. Nesse ano, o saldo do agro atingiu US$ 80,1 bilhões. Um resultado espetacular na composição geral, não fosse o tombo ainda maior, de US$ 84,2 bilhões, dos demais setores, o que resultou no balanço negativo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.