i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
cereal do pão

Com mais trigo importado, pães, massas e biscoitos sobem em abril

Quebra na safra nacional do cereal obriga o Brasil a importar maior quantidade do produto, em um cenário de câmbio desfavorável

  • PorCarlos Guimarães Filho
  • 01/02/2016 15:37
Indispensável no café da manhã do brasileiro, o preço do pão será reajustado por conta da quebra na safra nacional de trigo. | Fotos: Henry Milleo/Gazeta do Povo
Indispensável no café da manhã do brasileiro, o preço do pão será reajustado por conta da quebra na safra nacional de trigo.| Foto: Fotos: Henry Milleo/Gazeta do Povo

A partir de abril, quando o estoque nacional de trigo baixar, o brasileiro vai pagar mais pelo pãozinho. Ainda não é possível saber de quanto será o aumento, mas os produtos derivados do cereal, como pães, massas e biscoitos, serão reajustados em função da quebra nas safras de trigo do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, responsáveis por mais de 90% da produção brasileira. O prejuízo no campo acarreta em desdobramentos para a indústria de panificação, que inevitavelmente irá repassar a alta no custo de produção aos consumidores.

O excesso de chuva na temporada 2015 prejudicou as lavouras de trigo dos três estados do Sul. A pior situação aconteceu no Rio Grande do Sul, onde a quebra na colheita chegou a 1,4 milhão de toneladas. “O estado planejava colher 2,9 milhões (de t), mas conseguiu apenas 1,5 milhão. E a qualidade [do trigo colhido] é muito ruim. Cerca de 1 milhão (de t) é impróprio para consumo humano. Só serve para ração animal”, ressalta Luiz Carlos Pacheco, analista da consultoria Trigo e Farinhas.

No Paraná, a quebra atingiu 700 mil t. A safra final foi de 3,4 milhões de t, segundo a Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab). Em Santa Catarina, as perdas foram de 100 mil toneladas.

Importação

A safra menor expõe ainda mais a dependência nacional do trigo importado. Em abril, quando as indústrias precisarem repor os estoques, o Brasil terá que comprar 3,6 milhões de t no mercado internacional – no total, o setor da panificação consume 11 milhões de t por ano. Com o dólar cotado acima dos R$ 4, o custo de importação será alto.

“Com esse dólar, os produtos derivados do trigo irão aumentar. Mesmo quem tem produto irá cobrar mais. Isso irá chegar até o consumidor”, explica Elcio Bento, analista da consultoria Safras e Mercado.

Para desespero de quem não dispensa o pãozinho no café da manhã, a Argentina, principal fornecedor do Brasil, também registra uma safra ruim. Das 10,3 milhões de t colhidas, 95% só têm qualidade para produzir biscoito e massa inferior. “Impossível usar para pão e massa superior”, afirma Pacheco.

A solução será importar o cereal dos Estados Unidos. Porém, o negócio envolve frete de transporte mais caro e o pagamento do imposto de importação, isento no caso do país vizinho. Atualmente, a tonelada do trigo norte americano que chega no Porto de Santos custa R$ 1,2 mil, contra R$ 980 do produto argentino.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.