i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Agrooutlook

Fórum de Agricultura reúne especialistas de 10 países em Curitiba

Evento ocorre nesta quinta (25) e sexta-feira (26) no Museu Oscar Niemeyer, na capital paranaense

  • PorGiovani Ferreira
  • 22/08/2016 09:19
Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio. | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio.| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Com o tema “Nova estratégia para uma nova agricultura”, 30 especialistas, de mais de dez países, se encontram esta semana em Curitiba para o Fórum de Agricultura da América do Sul 2016. Do lado da plateia, mais de 400 pessoas, representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro e mundial, da produção ao consumo, assim como comércio de bens e serviços que tendem o setor.

Em sua quarta edição, o evento segue tendo como palco o Museu Oscar Niemeyer. Um espaço de arte e cultura e também multidisciplinar, que neste caso serve de inspiração para mostrar a intensa relação entre o campo e a cidade, o urbano e o rural, a produção agrícola, a economia e a sociedade urbana. Entre os participantes, gente de várias regiões do estado e do país, interessadas em saber e conhecer mais sobre o futuro de um segmento que está no DNA do Brasil e da América do Sul.

Eles querem entender sobre o ativo que vai além do poder político ou econômico, que por vezes define, segrega, taxa e rotula as nações de primeiro mundo, os países em desenvolvimento e até mesmo os subdesenvolvidos. Porque a riqueza sul-americana não está necessariamente em seu poder bélico ou econômico. Está em sua vocação natural, característica que faz do bloco o celeiro do mundo. Uma região singular, de relações diplomáticas comerciais com todos os países e continentes. E não porque tem dinheiro, mas porque tem comida, o grande ativo do mundo moderno.

Macroeconomia

Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio. Porque não é mais possível tratar de economia, fazer análises e previsões econômicas sem falar do agronegócio. E a realidade do Brasil não deixa dúvidas dessa nova ordem econômica mundial. A economia que vem do campo amplia sua participação e responde por quase 1/4 das riquezas geradas no país, quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB). No Paraná, uma relação ainda mais forte. Um dos principais indicadores está no movimento do Porto de Paranaguá. No primeiro semestre, mais de 80% de tudo que foi embarcado no terminal paranaense tem origem no campo.

Com o tema “Nova estratégia para uma nova agricultura”, 30 especialistas, de mais de dez países, se encontram esta semana em Curitiba para o Fórum de Agricultura da América do Sul 2016. Do lado da plateia, mais de 400 pessoas, representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro e mundial, da produção ao consumo, assim como comércio de bens e serviços que tendem o setor.

Em sua quarta edição, o evento segue tendo como palco o Museu Oscar Niemeyer. Um espaço de arte e cultura e também multidisciplinar, que neste caso serve de inspiração para mostrar a intensa relação entre o campo e a cidade, o urbano e o rural, a produção agrícola, a economia e a sociedade urbana. Entre os participantes, gente de várias regiões do estado e do país, interessadas em saber e conhecer mais sobre o futuro de um segmento que está no DNA do Brasil e da América do Sul.

Eles querem entender sobre o ativo que vai além do poder político ou econômico, que por vezes define, segrega, taxa e rotula as nações de primeiro mundo, os países em desenvolvimento e até mesmo os subdesenvolvidos. Porque a riqueza sul-americana não está necessariamente em seu poder bélico ou econômico. Está em sua vocação natural, característica que faz do bloco o celeiro do mundo. Uma região singular, de relações diplomáticas comerciais com todos os países e continentes. E não porque tem dinheiro, mas porque tem comida, o grande ativo do mundo moderno.

Macroeconomia

Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio. Porque não é mais possível tratar de economia, fazer análises e previsões econômicas sem falar do agronegócio. E a realidade do Brasil não deixa dúvidas dessa nova ordem econômica mundial. A economia que vem do campo amplia sua participação e responde por quase 1/4 das riquezas geradas no país, quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB). No Paraná, uma relação ainda mais forte. Um dos principais indicadores está no movimento do Porto de Paranaguá. No primeiro semestre, mais de 80% de tudo que foi embarcado no terminal paranaense tem origem no campo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.